Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

CNR 2017: Rali Serras de Fafe (Dia 1)

Ricardo Moura é o líder do Rali Serras de Fafe, após a realização das seis primeiras especiais, mais as duas super-especiais noturnas à volta da mesma cidade que dá o nome ao rali. A vantagem que o piloto açoriano têm sobre o Skoda Fabia R5 de Pedro Meireles é de 31,3 segundos, e salvo algum azar, o piloto do Ford Fiesta R5 poderá ter a vitória nas mãos na prova de abertura do Campeonato Nacional de Ralis. José Pedro Fontes é o terceiro, com o seu Citroen DS3 R5 a 34,8 segundos, e os únicos que estão abaixo do um minuto de diferença, porque João Barros é o quarto, a quase um minuto e dez segundos.

O rali começou com os carros a fazerem a primeira passagem por Montim, onde Ricardo Moura, no seu Ford, conseguiu ser melhor do que Pedro Meireles, no seu Skoda. A diferença entre ambos foi de 3,9 segundos, enquanto que João Barros foi o terceiro melhor, a 4,7 segundos. José Pedro Fontes, o campeão, foi o quarto melhor, a seis segundos, seguido por Miguel Barbosa, a sete.

Logo na primeira especial, aconteceu a primeira baixa: o espanhol Pepe Lopez ficou parado na estrada, ficando de fora demasiadamente cedo.

Na segunda especial, Meireles reagiu e ficou perigosamente perto de Moura, vencendo com 3,8 segundos de vantagem sobre o piloto açoriano, fazendo com que a diferença entre os dois ficasse na margem mínima: 0,1 segundos. José Pedro Fontes foi o terceiro no troço, mas perdeu mais 6,3 segundos para o líder, na frente de Miguel Barbosa, a 8,6 segundos do vencedor. João Barros perdeu 14,1 segundos e caiu para a quinta posição da geral, a mais de 15 segundos. Pior ficou Alexander Villanueva, que teve problemas mecânicos do seu DS3 R5, enquanto que outro espanhol, Gustavo Espiñel, furou e atrasou-se muito.

Moura reagiu e voltou a ganhar na segunda passagem por Montim, desta vez dilatando a vantagem para Pedro Meireles em 1,7 segundos, com Paulo Meireles (o irmão de Pedro) a ser o terceiro, a 5,3 segundos, batendo mesmo José Pedro Fontes, quarto a 5,4 segundos. Miguel Barbosa foi o sétimo na especial, mas manteve o quarto posto da geral, dois segundos à frente de João Barros. O piloto da Ford, por esta altura, já tinha cedido 21,8 segundos para o piloto açoriano.

Contudo, na quarta especial, Meireles tem azar - problemas no intercooler do seu Skoda - e perdeu quase 28 segundos, deixando o piloto da Ford mais à vontade na liderança. Este voltou a vencer, deixando José Pedro Fontes a sete segundos, com este a subir para o segundo lugar, mas a mais de vinte segundos da liderança, em troca com Meireles, que agora estava a 30 segundos da liderança. João Barros tinha o quarto posto, a 35 segundos, e Miguel Barbosa era o quinto, a 43,6.  

Meireles resolve os seus problemas antes da quinta especial e vence, com 4,3 segundos de vantagem sobre José Pedro Fontes e 6,5 segundos sobre Ricardo Moura. Carlos Vieira é quarto, a 11,8 segundos e João Barros fica com o quinto posto, perdendo 13,6 segundos para o piloto de Guimarães. E na sexta especial - ultima antes das Super-Especiais - ele voltou a vencer, mas com Moura a controlar, cedendo apenas 0,3 segundos.

No final do dia, Moura comentou: “O carro está perfeito, simplesmente tivemos um problema com o apoio das luzes de longo alcance do Fiesta e com isso perdemos algum tempo em Montim 2”, revelou.

Pela noite, decorreram as especiais urbanas da cidade de Fafe, e Ricardo Moura levou a melhor nas duas. Miguel Barbosa foi o segundo na primeira parte, João Barros na segunda parte.

No final do dia, Moura era um piloto feliz com a vantagem que tinha: “Correu muito bem esta Fafe Street Stage, foi uma boa maneira de terminar o dia. Preferia não ter feito este troço, mas não tivemos problemas. De resto nem posso considerar que o problema com as luzes tenha sido grande, atendendo ao que aconteceu com o Pedro Meireles”, disse.

Depois de Meireles, Fontes e Barros, Miguel Barbosa é o quinto classificado, a um minuto e dez segundos, nada longe do piloto do Ford Fiesta R5. Paulo Meireles, o irmão de Pedro, é sexto, a um minuto e 29 segundos, também no seu Skoda Fabia R5. Carlos Vieira é sétimo, mas a uns distantes dois minutos e 49 segundos, no seu DS3 R5. Ricardo Teodósio é oitavo e o melhor dos Grupo N, a três minutos e dois segundos da liderança, e a fechar o "top ten" ficaram o Skoda Fabia S2000 de Hugo Mesquita e o Peugeot 208 R2 de Pedro Antunes.

O rali Serras de Fafe termina amanhã, com a realização das últimas cinco especiais.


This post first appeared on Continental Circus, please read the originial post: here

Share the post

CNR 2017: Rali Serras de Fafe (Dia 1)

×

Subscribe to Continental Circus

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×