Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

O dia em que me senti em um episódio de Unbreakable kimmy schimidt

ALERTAZINHO: Digo logo que, apesar de não estar contando coisas que REALMENTE vão comprometer seus conhecimentos prévios sobre assistir a série, há sim, de alguma forma, um pouquinho de spoiler bem de leve :B

Unbreakable Kimmy Schmidt é uma série de comédia idealizada e escrita pela Tina Fey (é, aquela de Mean Girls!) e um cara que não sei o nome agora (o que importa é o que interessa. Neste caso, a Tina Fey HAHAH Q). E, pro post ficar completão e matar azinimiga de inveja, bora fazer aquela sempre boa sinopse resumidona da Hellz:

Na série, Kimmy é uma mulher de 30 anos que passou metade da vida dentro de um buraco na terra (é, um buraco mesmo) junto de outras 3 mulheres (igualmente tapadas) que foram sequestradas e convencidas por um falso profeta de que o mundo tinha acabado e, enquanto tudo fora do buraco era destruição e horror, as menines e o charlatão eram os únicos sobreviventes da catástrofe. Quinze anos depois elas são soltas e tão mais perdidas que toupeiras no mundo modernoso (termo, inclusive, que as designa mundialmente na série :B).

Como todos sabem, a linds da Tina, além de muitas outras coisas fodas, também é atriz. E, na série que ela brinca de Deus e dá rumo à vida de todo mundo, ela faz dois personagens dentro das duas temporadas existentes até o momento em que esse post foi escrito. Uma dessas personagens é irrelevante pra este post (e usa uma peruca horrível, se me permitem comentar), mas a outra é de extrema necessidade ser compreendida pra que este devaneio faça algum sentido pra você, migs leitor (mas se também não tá a fim de entender o devaneio, tamo de boas e a amizade é a mesma, viu? HAHAHAH :B)

Estejam apresentados à Dra. Andrea!
Ao fim da segunda temporada, onde a vida não tá fácil e a crise chega pra todos, eis que a Kimmy decide virar motorista de Uber. Durante uma das viagens noturnas, ela conhece uma psiquiatra alcoólatra (muito loka, diga-se de passagem - o gif não me deixa mentir HAHAH), que cisma com ela e acaba fazendo a Kimmy de motorista todas as noites pós-cachaça – o que, no caso da personagem, significa TODAS AS NOITES mesmo. PARTY EVERYDAY. PA-PA-PA-PARTY EVERYDAY!. Embora não fique exatamente claro, a Dra. Andrea (não achei sobrenome no migo google, sorry) sofre de quase uma bipolaridade alcoólica: Durante o dia – e enquanto sóbria, ela é a pessoa mais carrancuda, profissional e reprimida do mundo, lidando com os pacientes e sendo a boa moça que todo mundo espera de uma médica. Após o expediente, migs, a gata enche a cara, baixa logo a pomba-gira e vira a criatura mais porra loka da face da Terra.  (Daquelas que sobe em cima da mesa, dá em cima de todo mundo, é inconveniente e causa vergonha alheia em qualquer um - até na tapada da Kimmy! HAHAHAH).

Bom... entendido isso, preciso dizer:

Eu me senti fazendo parte deste episódio de UKS essa semana. E, por mais difícil de acreditar, eu não era a Dra. Andrea vida loka rebolando até o chão (eu sei, difícil mesmo de não me ver neste lado da situação, mas... HAHAHAH). Neste episódio da vida real, eu fui a Kimmy lembrando de todas as merdas alheias no outro dia.

Tudo começou quando recebi uma ligação de uma criatura bêbada no meio da madrugada (uma ligação totalmente inesperada, vale ressaltar, já que o meu nível de intimidade com a pinguça totalizava o número ZERO). Conheci mais dela em algumas horas do que creio que muitos amigos conhecerão durante mil anos de amizade (imaginem o que quiserem após essa afirmação... HAHAH). Nesse papo muito loko, que lógico que segui dando corda porque sou dessas e vai que dá certo, ouvi umas promessas meio furadas, desejos futuros que envolviam a minha santa pessoa e tudo era, como já disse anteriormente, totalmente inesperado e improvável G_G. Seria o destino me dando um pirulito pra o ano já começar legalzão? HAHAHAHHA 

O nível de periculosidade do lance foi tão alto que já rolavam frases como "você vai ser meu segredinho colorido, ok? Só a gente precisa saber...". Tá, né. Ok. G-G Fui dormir com um sorrisão acreditando que o destino tinha lá ouvido as minhas preces (não de querer um mozão, mas ter uma uma diversãozinha descompromissada pra melhorar a qualidade da pele, sabe como dizem, e animar a vida..HAHAH). Até que o dia amanheceu... E vocês tão tudo ligado que tudo na minha vida é bugado, né? POIS ENTÃO.

E, com o dia amanhecido, o tempo do soninho passado e o contato firmado pós-situação, eu descobri que a pessoa em questão nada mais era do que uma versão real e super troll da Dra. Andrea. SIM, MIGS, super paguei de loka porque a ~pessoa~ não lembrava de uma vírgula dos acontecimentos fervorosos da noite anterior. Não bastante, ainda foi grossa como o coice de uma mula ao deixar claro que eu apagasse da memória, do inbox e de onde mais eu quisesse o ocorrido - porque ela bêbada já tinha dado conta de apagar a minha ligação e as mensagens trocadas e nem tava a fim de relembrar, de saber o que houve, de fingir se envergonhar um pouquinho e, quem sabe, de darmos umas risadas da situação pra firmar aquela amizade bonita, sabe como é?. "Se eu apaguei, é porque eu queria na hora e hoje não quero mais, então quero nem saber também". TÁ SEEEEEEEEEEEEERTA! 

Rolou decepçãozinha, viu? HAHAHAH Não por ter perdido um contatinho em potencial (que é triste, mas não tanto). Rolou foi aquele balde de água geladíssima em cima do crush de amizade que eu tinha na bonita antes de estabelecer real contato. Como minha certidão de nascimento afirma que eu não nasci ontem (nasci já faz um tempo, ó), meio que improvável de engolir que houve esse blackout de memória tããããão conveniente. Me diz aí: Se algum migo te fala que ce fez merda na balada e não lembra, que que contece? TU QUER SABER, LÓGICO QUE CLARO. Nem que seja pra ter vontade de enfiar a cabeça num buraco, planejar a sua casa em Marte e providenciar a abdução da Terra, mas tu quer saber, ué (aliás, arrisco dizer que até se o vexame nem for com você, tu vai querer saber também, então... HAHAHAH).

Ainda mais pelo lado de cá da situação se tratar de uma pessoa tão nonsense e deboísta, a linda perdeu foi a oportunidade de sair da situação com finess e humor e ainda firmar uma brotheragi com a Hellz aqui (uns beijos ocasionais, quem sabe... ok, parei), e até uma história pra contar nas férias da praia pra galera reunida morrer de rir. Perdeu oportunidade de alguma coisa, é fato, inclusive a oportunidade maravilhosa de ficar calada e não falar merda, é. HAHAHAHAH

A conclusão é: Pelo menos a Dra. Andrea assume a dupla personalidade, quer saber o que houve no dia seguinte, continua sua miga e ainda tenta se envergonhar, levando com mais leveza os resquícios da noite anterior HAHAHAHAHAH. Você ganhou essa, Kimmy!




This post first appeared on Being You Is Easy, But Being Hellz..., please read the originial post: here

Share the post

O dia em que me senti em um episódio de Unbreakable kimmy schimidt

×

Subscribe to Being You Is Easy, But Being Hellz...

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×