Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Lembrar para não esquecer: a libertação de Auschwitz há 77 anos


Lembro-me de simplesmente não ter o que comer. Durante seis anos tive fome. No fim da guerra, tinha 11 anos e pesava apenas 20 quilos.”
Jacob Drachman

Jacob Drachman nasceu em Lodz, Polónia, em 1935. Sobreviveu a 3 campos de concentração (Auschwitz, Stutthof e Flössenburg), morou em Paris, Uruguai e Israel; e escreveu o livro 'Dry Tears' sobre a sua experiência como sobrevivente do Holocausto e da barbárie nazi.

As tropas soviéticas entraram em Auschwitz, no sul da Polónia, a 27 de janeiro de 1945, onde mais de 1,1 milhão de pessoas foram exterminadas pelo regime nazi orientado por Hitler. 

Apenas cerca de 7 mil prisioneiros tinham sobrevivido em péssimas condições de saúde e psicológicas. Entre eles, Estavam cerca de 500 crianças. Os sobreviventes estavam extremamente magros e exaustos. Poucos conseguiam ficar de pé, muitos estavam deitados no chão, apáticos.

Mais de 1,1 milhão de pessoas morreram em Auschwitz-Birkenau. A maioria era constituída por judeus vindos principalmente da Hungria, Polónia, Itália, Bélgica, França, Holanda, Grécia, Croácia, Rússia, Áustria e Alemanha, mas também homens, mulheres e crianças de outras raças e com outras orientações sexuais.

Eles chegavam ao campo de concentração em comboios sem janelas, casas de banho ou comida. Logo ao chegar, eram divididos entre quem poderia trabalhar e quem deveria ser morto imediatamente.

Os prisioneiros eram mantidos em situação deplorável: a comida era insuficiente e as condições de higiene muito precárias. Eles eram torturados e submetidos a trabalhos forçados até à exaustão. Quem não estava apto a trabalhar, era encaminhado para as câmaras de gás Zyklon-B e as cinzas erem enterradas ou usadas como fertilizantes.

Para apagar os vestígios do Holocausto antes da chegada do Exército Vermelho, a SS implodiu as câmaras de gás em 1944 e evacuou a maioria dos prisioneiros. Charlotte Grunow e Anita Lasker foram levadas para o campo de concentração de Bergen-Belsen, onde os britânicos as libertaram em abril de 1945. Outros 65 mil que haviam ficado em Auschwitz já podiam ouvir os tiros dos soldados soviéticos quando, a 18 de janeiro, receberam da SS a ordem para a retirada.

Lembrar para não esquecer!



This post first appeared on Bioterra, please read the originial post: here

Share the post

Lembrar para não esquecer: a libertação de Auschwitz há 77 anos

×

Subscribe to Bioterra

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×