Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Calvino: Comentários Bíblicos em Ordem Cronológica

Proêmio

            Quando se fala de Calvino a maioria o minimiza como autor da obra teológica as “Institutas da Religião Cristã” ou simplesmente as “Institutas”, como o Dr. Luhesius Smits que declara: “Calvino foi homem de apenas um livro”.[1] Infelizmente esta miopia literária não é isolada, mas permeia grande parte dos estudiosos. No caso brasileiro ainda é mais grave, pois noventa por cento dos que se autodenominam “Calvinistas” jamais leram ao menos uma obra dele na integra; os membros das igrejas que adotam o pensamento teológico elaborado por Calvino desconhecem sua história e suas obras. Hoje muitos, porque ouviram alguns sermões ou leram meia dúzia de artigos na internet, têm adotado a “teologia Calvinista e/ou reformada”, mas não tem a mínima ideia do que isso significa.

            Como as Institutas são bastante conhecidas creio ser oportuno redescobrirmos os preciosos e fundamentais comentários bíblicos elaborados pelo reformador de Genebra e que cobrem quase por completo todos os livros do cânon bíblico e que perfazem a totalidade do pensamento de Calvino – para entender as Institutas é necessário conhecer os comentários e para compreender a exegese bíblica de Calvino é preciso conhecer suas Institutas – porque foi desta forma que ele arquitetou sua biblioteca bíblico-teológica.

            A razão pela qual empreendo essa série de artigos está no fato de que os comentários de Calvino influenciaram profundamente as igrejas da tradição reformada e uma redescoberta destas obras nos dias atuais creio ser de grande valia e uma contribuição não apenas para uma melhor compreensão de Calvino, mas também para uma compreensão mais profunda das Escrituras nesta época de tanta superficialidade exegética.[2] Calvino foi um comentarista único e extremamente esclarecedor: sua educação como humanista, seu extenso conhecimento do trabalho de outros intérpretes da Bíblia, tanto da literatura Patrística quanto da literatura contemporânea de sua época, sua erudição clássica (latim, grego e hebraico), suas ideias como reformador e pastor da igreja, e sua competência exegética e compreensão da mentalidade bíblica - tudo isso fez dele um intérprete permanentemente novo e esclarecedor.

            Ainda a guisa de informação é preciso lembrar sempre que essa biblioteca de comentários foi produzida em meio a todas as desventuras pelas quais Calvino passou: intenso trabalho pastoral, enormes responsabilidades cívicas em relação à administração pública de Genebra, sua delicada condição física em decorrência de varias enfermidades e dores, o falecimento da esposa e do único filho, além das revisões periódicas das Institutas, formulação de catecismos, elaboração de inúmeros opúsculos e tratados,[3] mais de mil cartas,[4] algumas com mais de dez laudas, pregações[5]e aulas durante todos os dias da semana. Poucos entenderam o valor da palavra escrita, como promotora do Evangelho e edificação da igreja, como Calvino: “Além do cargo comum de pastor, tenho outros deveres que dificilmente me permitem relaxar. No entanto, não considerarei meu tempo livre melhor gasto de nenhuma outra maneira [do que escrevendo comentários]”.

            Uma última observação técnica para melhor compreensão da tabela abaixo é que os trabalhos exegéticos que Calvino pessoalmente escreve e organiza e edita levam o título de "Comentário" e aqueles os quais ele não teve tempo para organizar e aprofundar, mas que apenas fez a revisão é denominado de “Preleção” (material de sala de aula). A maioria dos Comentários do Antigo Testamento foi ministrada como palestras em sala de aula na Academia de Genebra que atraia estudantes de teologia às centenas da França, Inglaterra, Escócia, Holanda e outros lugares[6]. Ele falava pausadamente e com voz firme, para que as palavras pudessem ser registradas com bastante precisão, tanto pelos alunos que o faziam em formato de tópicos, como por seus “secretários” voluntários que anotavam cada palavra. Quando em sua casa, examinava tudo o que fora anotado, e somente depois de fazer as devidas correções autorizava para que fosse publicada com dedicatória pessoal a amigos e pessoas influentes, principalmente os governantes da França, Inglaterra, Escócia, Holanda e em outros lugares.

Neste árduo trabalho de “secretário” destaca-se o trabalho incansável de Jean Budé [Bude], filho do grande humanista Guillaume Budé [Bude] e seu cunhado Charles de Jonvillers, que devido à terrível perseguição dos huguenotes (protestantes franceses) foram atraídos para Genebra e foram morar na rua em que Calvino residia. Eles foram incansáveis na preparação dos Comentários sobre Jeremias e Lamentações, sobre Ezequiel, Daniel e os Doze Profetas Menores, que ocupam dezessete volumes na tradução para o inglês. Posteriormente foi contratado o serviço de Denis Raguenier para transcrever o seus sermões.

            Os comentários produzidos por Calvino totalizaram 45 volumes: trinta do Antigo Testamento exceto: Juízes, Rute, Samuel, Reis, Ester, Neemias, Esdras, Provérbios, Eclesiastes e Cantares; quinze do Novo Testamento: exceto II e III João e Apocalipse; sendo que ele inicia pelos livros do Segundo Testamento [NT] e posteriormente os do Primeiro Testamento [AT]. É preciso ressaltar que, na maioria das vezes, a cronologia das edições não corresponde à das publicações, por diversos motivos, como por exemplo, a epístola aos Romanos cuja redação foi concluída em outubro de 1539, mas sua impressão somente ficou pronta em março de 1540, pois os editores aguardavam a primeira feira literária em Frankfurt para lançarem esse primeiro trabalho exegético de Calvino, visto que ele ainda não era conhecido no mercado literário. Havia também as interrupções, como o longo intervalo entre 1540-1546 em que ele estava totalmente focado na reorganização da Igreja, pois como ele mesmo declarava sua vocação como restaurador da Igreja de Genebra vinha em primeiro lugar.

Abaixo coloco uma pequena tabela cronológica das edições dos comentários bíblicos elaborados por João Calvino, tendo por base as informações da “Senebier's Literary History of Genevae prefácios dos comentários referidos, bem como algumas observações que nos permitem visualizar o imenso trabalho que ele empreendeu. Posteriormente haverei de abordar cada comentário em artigos separados.

Livro

Data Edição

Observações

Romanos

1540

Impresso em Estrasburgo em março de 1540; o conteúdo é provavelmente um resumo revisado das palestras/aulas que ele deu em Genebra de 1536 a 1538. A escolha de Calvino é muito bem pensada, visto que esta carta paulina enfatiza as doutrinas fundamentais do protestantismo e se opõe diretamente às tendências pelagianas da Igreja Católica. No prefácio de seu comentário, Calvino diz que a Carta aos Romanos, entendida corretamente, é uma chave que dá acesso a todos os tesouros escondidos das Escrituras.

1 e 2 Coríntios

1546

O comentário da Primeira aos Coríntios chegou a Estrasburgo em novembro de 1545 e sua impressão é anunciada para a feira da primavera em 1546, o que de fato ocorreu. A Segunda Epístola aos Coríntios foi publicada por ele apenas alguns meses depois de seu Comentário sobre a Primeira Epístola, sua dedicatória da Segunda Epístola, data de 1º de agosto de 1546, enquanto a dedicatória da Primeira Epístola data de 24 de janeiro de 1546. Nesse período Calvino enfrentava muitas lutas e dificuldades, teve que lidar com o desanimo dos genebrinos, por causa das ameaças do Imperador Carlos V, a reação negativa às pregações e direcionamentos dados por ele e as falsas acusações sobre seu ensino doutrinário. Mas, ele encontrou nestas duas epístolas paulinas o consolo e animo para continuar seu ministério pastoral.

Ao enviar o trabalho de Segunda Coríntio para ser impresso em Estrasburgo e devido a longa espera de confirmação que o documento havia chegado, ele resolveu que sempre haveria de fazer uma cópia antes de envia-los. Mas devido a guerra entre o imperador Carlos V e os príncipes alemães (1546-1547) esta e as demais acabaram sendo impressas em Genebra.

 

1548

Há um consenso, não unanime, de que os comentários de Calvino das epístolas paulinas se constituem em seu melhor desempenho como exegeta e interprete, onde seu pensamento se amalgama com textos destas epístolas. Provavelmente porque elas tratavam de contextos muito semelhantes ao que Calvino estava vivenciando na própria pele. Seus comentários sobre essas quatro epístolas de Paulo foram escritos em 1548, um ano de conflito mais hostil com os inimigos da verdade. Mas em suas correspondências deste ano emana uma atmosfera de convicção de que Deus haveria de sustenta-lo, bem como ao seu ministério.

Gálatas

Winer, ao falar do Comentário sobre os Gálatas, "sua perspicácia em perceber e sua clareza em expor a mente do apóstolo são igualmente maravilhosas".

Efésios

Poucos comentaristas alcançaram as profundezas das “insondáveis riquezas de Cristo” como João Calvino. Todos os comentaristas reformado e uma quantidade grande de outros círculos cristãos são devedores ao comentário elaborado pelo reformador genebrino. Certamente essas obras e constitui em um modelo a ser seguido por todos que intentarem comentar essa epístola ou qualquer outro livro bíblico.

Filipenses

Na medida em que se toma conhecimento da pessoa que Calvino realmente era é inevitável fazer uma identificação direta entre ele e esta preciosa epístola paulina. Assim como Paulo se encontrava em uma situação crítica quando a escreveu, igualmente Calvino encontrava-se em um momento igualmente crítico de seu ministério quando a comentou. Com certeza Calvino encontrou profundo consolo nesta epístola.

Colossenses

Semelhantemente Calvino vai encontrar ressonância na epístola aos Colossenses, onde Paulo faz repetidas alusões à circunstância de "laços" que lhe são colocados para prendê-lo e impedir seu ministério por causa de Cristo.

1 e 2 Timóteo

1548

Poucos se preocuparam tanto com a preparação de pastores e líderes da igreja quanto Calvino. Nesse comentário das epístolas pastorais é possível sentir o batimento cardíaco de um coração apaixonado pelo ministério e seu zelo pela igreja. Calvino faz uma dedicatória a Edward Seymour, duque de Somerset, que de 1547 a 1549 serviu como guardião do jovem rei Eduardo VI e com o apoio de Thomas Cranmer introduziu a Reforma na Inglaterra, mas a morte precoce do jovem rei foi um duro golpe.  

Hebreus

1549

No fim de 1548 e inicio de 1549 Calvino pregou expositivamente em Hebreus; o comentário foi publicado após 23 de maio daquele ano. No prefácio ele dedica o comentário ao rei Sigismundo da Polônia, realçando o fato de que a epístola trata sobre a divindade e exaltação de Cristo e, portanto torna-se um tesouro sem igual. Aproveita para apelar ao rei que promova a Reforma na Polônia.

Tito

1550

Aproveitando que Tito havia sido um amigo leal e cooperador com Paulo no ministério, Calvino aproveita o prefácio para realçar as figuras de Guillaume Farel e Pierre Viret, a quem ele chama de “verdadeiros servos de Jesus Cristo, amados irmãos e colaboradores na obra de nosso Senhor Jesus Cristo”.

1 e 2 Tessalonicenses e Filemom

1550

Em 17 de fevereiro de 1550, Calvino prefaciou tanto 1 Tessalonicenses, quanto 2 Tessalonicenses, todavia os comentários foram impressos somente 1551, quando se imprimiu uma edição completa das Epístolas paulinas, juntamente com Hebreus.

Nesta edição de 1551, com prefácio de Theodore Beza, também foi incluída os comentários de Calvino sobre a Epístola a Filemom, que não havia sido ainda publicado.

Tiago, 1 e 2 Pedro, 1 João e Judas

1551

Após fazer a exposição de Hebreus Calvino inicia as exposições das epístolas gerais (católicas) de 1549 a 1550; a publicação deste livro foi em 1551.

O comentário de Tiago foi impresso solitariamente em 1550 fruto das reuniões ministeriais que eram realizadas todas as sextas-feiras, mas no início de 1551 foi acoplada em um volume que continham também a exposição de 1 e 2 Pedro, 1 João. e Judas.

Quando ele escreveu o comentário sobre Judas, no título, Calvino aludiu à publicação anterior de 1542, e que continha provavelmente palestras em sala de aula que ele havia dado, esclarecendo que esta nova edição era "revisada e mais detalhada". O fato de omitir a Segunda e Terceira carta de João, implica em sua dificuldade em inclui-las nesse conjunto canônico.

Ele faz uma dedicação ao jovem rei inglês Eduardo VI e o compara ao jovem rei Josias, pois ambos tinham sobre sua responsabilidade restaurar a genuína fé e culto (igreja).

Atos

1552

Ele deve ter começado esse comentário no início de 1550, pois havia completado uma parte substancial, um terço, mas o surgimento de outras questões o fez interromper. O comentário se tornou tão grande que Calvino publicou os primeiros treze capítulos por conta própria em 1552 e somente em 1554 foi publicada a segunda parte (Atos 14-28). O primeiro volume ele havia dedicado ao rei Cristiano III da Dinamarca, que adotara o luteranismo e o segundo volume ao filho dele, Frederico, agora constituído corregente. Ele espera que a leitura de Atos anime ambos monarcas a zelarem pela pureza da igreja conforme as propostas emanadas pela Reforma Protestante.

João

1553

De 1550 a 1553 ele prega no Quarto Evangelho; o comentário foi publicado em 1553. Ele faz uma dedicação ao Conselho de Genebra onde se refere a Genebra como um centro de refugiados para os cristãos que haviam sido expulsos de outros lugares e que em razão desse acolhimento Deus haveria de abençoar a cidade e seus moradores. Calvino haverá de citar com frequência quando da elaboração do comentário dos evangelhos sinóticos.

Mateus, Marcos e Lucas (Harmonia).

1555

Três volumes (inglês) merecem menção especial como surpreendentes trabalhos de organização, tanto de narrativa quanto de tópicos; evidências convincentes da compreensão de Calvino das Escrituras como um todo e em detalhes. Sempre que necessário ele se refere ao comentário de João, anteriormente editado.

Ele segue os arranjos de Mateus ao qual vai introduzindo as narrativas dos demais evangelistas Marcos e Lucas, organização semelhante à proposta de seu amigo Martin Bucer cuja obra havia sido editada em 1527. Ambos defendem que não é possível examinar apenas um dos sinóticos, pois não se contrapõem e sim se completam.

No transcorrer desse comentário Calvino combate o ensino dos anabatistas de que o Antigo Testamento se tornou desnecessário com a vinda de Jesus. Calvino se contrapõe, pois entende que uma genuína compreensão dos Evangelhos somente é possível quando se percebe neles o cumprimento daquilo que a Lei e os Profetas anteriormente proclamaram. Para se conhecer o Novo Testamento é fundamental que se conheça o Antigo Testamento.

Isaías

1551

(1559)

Foi o primeiro comentário em que Calvino se engajou na interpretação do Antigo Testamento. Nicolas des Gallars (Gallasius) assistiu às palestras de Calvino sobre Isaías, tomou notas e as desenvolveu, deixando para Calvino uma revisão final e possíveis correções. Calvino dedicou o comentário ao jovem rei Eduardo VI da Inglaterra, na esperança de que o rei, de acordo com Isaías 49.23, coopere no processo de implantação da Reforma na igreja inglesa, após um período muito difícil (conturbado rei Henrique VIII), mas o jovem rei morre precocemente (1553) e em seu lugar reina a católica Maria Stuart. Em 1559 sai uma nova edição revista e ampliada por Calvino, que havia aumentado em um terço em relação à edição de 1551. Ele faz uma dedicatória para nova rainha inglesa Elisabete I, que rejeita por causa de suas diferenças com o reformador escocês John Knox.

Na introdução do comentário, Calvino trata o ofício dos profetas, a quem ele vê como intérpretes da lei.

Gênesis

1554

Ele já havia ministrado a exegese de Gênesis em 1550 para seus alunos, mas colocar esse material na forma de livro não flui tão rapidamente devido o acumulo de trabalho com outros deveres.

Faz uma dedicatória aos três filhos Johann Friedrich, eleitor da Saxônia, que havia morrido lembrando-lhes que a minoria protestante deveria manter-se unida, apesar de algumas diferenças teológicas.

Salmos

1557

Foi impresso em Genebra e seguido por uma edição em francês, que foi refeita, pois ficou aquém do original latino (Calvino), e publicada em 1561.

Todo carinho de Calvino pelos Salmos fica explicitado no fato de que os lecionou na Escola, os expos nos estudos bíblicos semanais (liderança) e escolhia um Salmo para pregar nos cultos dominicais da tarde.

Oséias (Preleções)

1557

Em 1556, e talvez até mais cedo, Calvino iniciou suas lições expositoras de Oséias. Todas as palestras sobre Oséias foram publicadas em Genebra em 1557, tanto em latim quanto em francês e foram as primeiras palestras que Jean Bude e Charles Jonvillers transcreveram literalmente, pois Calvino não tinha tempo de elaborar o material para uma edição mais ampla. Mesmo a contragosto, como expressa em seu prefácio, ele permite esta primeira experiência de reproduzir seu material de palestras. Mas o experimento provou ser bem-sucedido e todas as suas palestras subsequentes foram publicadas em latim e em francês.

Profetas Menores (Preleções)

1559-1560

Em setembro de 1558 ele ainda não havido concluído suas preleções de Malaquias, pois estava muito adoentado de maneira que foi necessário fazer as últimas palestras em sua casa, para todos quantos puderam comparecer, para que pudessem serem enviadas para impressão, o que vai ocorrer em 1559 (latim) e em 1560 (francês).

Uma vez mais ele esclarece no prefácio de que não está plenamente satisfeito com a impressão das preleções, mas admite que lhe falta tempo para se ocupar com a preparação melhor destes comentários e tem esperança que elas possam ser úteis aos leitores em geral.

Daniel (Preleções)

1561-1562

As preleções em Daniel foram concluídas em agosto de 1561, as quais ele dedica aos huguenotes e outros sinceros servos de Deus que lutam em favor da reforma da igreja na França. O livro de Daniel é oportuno como modelo de um cristão em meio a um governo ímpio. A edição em latim das palestras sobre Daniel foram impressas em 1561, e a tradução em francês ocorre um ano depois em 1962.

Êxodo a Deuteronômio (Harmonia)

1563

Como já havia comentado Gênesis em separado, agora ele empreende uma Harmonia dos outros quatro livros do Pentateuco. Ao fazer um arranjo diferente tem como proposito facilitar o entendimento por parte de seus leitores desses relatos registrados por Moisés.

Neste arranjo literário ele faz uma distinção entre narrativa histórica e instrução, onde primeiro organiza uma série de passagens da Bíblia relacionadas à história do período, seguida da instrução, tendo como ponto convergente os Dez Mandamentos.

O próprio Calvino faz uma tradução francesa do comentário para corrigir os erros da edição latina anterior. Esta tradução foi publicada em 1564.

Josué

1564

Em meio à sua tradução para o francês de Gênesis e da Harmonia de Êxodo-Deuteronômio e a deterioração de sua saúde, Calvino ainda conseguiu terminar seu comentário sobre Josué, mas a impressão saiu somente após sua morte, em francês, para que os leitores pudessem ler o prefácio de Theodore Beza que faz uma pequena biografia de Calvino. Posteriormente foi editado o comentário em latim.

Jeremias e Lamentações (Preleções)

1563-1565

Suas palestras sobre Jeremias e Lamentações foram lançadas em Genebra (latim) em 1563 e a tradução em francês em 1565. Ele alerta sobre o apóstata Françoi



This post first appeared on HISTORIOLOGIA PROTESTANTE, please read the originial post: here

Share the post

Calvino: Comentários Bíblicos em Ordem Cronológica

×

Subscribe to Historiologia Protestante

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×