Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Calvino Singularidades: Testemunho Pessoal

Tags: seus suas deus


Ao longo de sua vida Calvin escreveu pouco sobre si mesmo. Ao contrário de outros líderes que compartilharam Suas experiências pessoais o reformador genebrês foi econômico no que tange às suas questões pessoais. Mas o pouco que ele compartilhou é de valor significativo. No entanto, ao elaborar o prefácio de Seus comentários sobre os salmos, escritos já no último quarto de sua vida, o reformador genebrino abre o coração e nos permite um pequeno deslumbre de sua origem e vocação e lutas pessoais, dificilmente encontrados em qualquer outra parte de seus escritos.
O fato desse compartilhamento da intimidade pessoal acontecer no contexto dos salmos é significativo uma vez que ele os denomina de “uma anatomia de todas as partes da alma”, de maneira que se sente livre para expressar suas emoções. Ele se idêntica pessoalmente com Davi, pois entende que as lutas do salmista rei são semelhantes às suas lutas pastorais e líder da igreja e fez dos salmos seu modelo de orações.
Outra correlação é que Calvino nesse momento histórico (1557) está passando por grandes pressões e apreensões em seu ministério, consequência de suas edições ampliadas das Institutas cujos temas despertavam certo grau de descontentamento por parte de outras lideranças reformadas e total rejeição por parte de seus adversários.
Pois, embora eu siga Davi a uma grande distância, não chego a igualá-lo; ou melhor, embora, ao aspirar lentamente e com grande dificuldade, alcançar as muitas virtudes em que se destacou, ainda sinto-me manchado pelos vícios contrários; no entanto, se tenho algo em comum com ele, não hesito em me comparar com ele. Ao ler os exemplos de sua fé, paciência, fervor, zelo e integridade, ele (como deveria) extraiu de mim gemidos e suspiros desnutridos que estou tão longe de me aproximar; mas não obstante, tornou-se muito vantajoso contemplar nele como um espelho tanto o início de minha vocação quanto o curso contínuo de minha função; para que eu saiba com mais certeza que tudo o que aquele rei e profeta mais ilustre sofreu foi exibido para mim por Deus como um exemplo de imitação. Minha condição, sem dúvida, é muito inferior à dele, e é desnecessário demostrar isso. Mas como ele foi retirado do aprisco e elevado à categoria de autoridade suprema; então Deus, tendo me tirado de minha condição originalmente obscura e humilde, me considerou digno de ser investido no ofício honroso de um pregador e ministro do evangelho.
Quando eu ainda era criança, meu pai [Gérard Cau-vin] havia me destinado para o estudo da teologia. Mas depois, quando considerou que a profissão de advogado geralmente elevava aqueles que a seguiam à riqueza, essa perspectiva o levou a mudar de propósito de repente. Assim, aconteceu que fui retirado do estudo da filosofia e colocado no estudo do direito. A essa busca, esforcei-me fielmente em me aplicar, em obediência à vontade de meu pai; mas Deus, pela orientação secreta de Sua providência, finalmente deu uma direção diferente ao meu curso. E, primeiro, como eu era muito obstinadamente devotado às superstições do papado para ser facilmente libertado de um abismo tão profundo de lama, Deus, por uma súbita conversão, subjugou e trouxe a um ambiente de ensino minha mente, que estava mais endurecida em assuntos do que poderia ser esperados de mim em meu período inicial de vida. Tendo assim recebido algum gosto e conhecimento da verdadeira piedade, fiquei imediatamente inflamado com um desejo tão intenso de progredir nela, que, embora não tenha deixado de lado outros estudos, ainda os perseguia com menos entusiasmo[1]. (Genebra, 22 de julho de 1557). 
Neste recorte do Prefácio encontramos Calvino compartilhando um pouco de si mesmo. Percebe-se certa timidez e retração, mas também determinação e entusiasmo em alcançar seus objetivos, fossem os determinados pelo pai e educadores ou aqueles por ele mesmo proposto. De forma suscita é possível enumerarmos alguns pontos peculiares de seu caráter:
Ministério Pastoral: ele entendia que sua função ministerial constituía seu maior privilégio e a função de teólogo era subordinativa. Ele pessoalmente não se referia como teólogo e até mesmo via o termo “teologia” como instrumento de especulação comercial (não mudou muito desde então). Amou e foi fiel à vocação pastoral até o último suspiro (Calvino Singularidades:Pregando Até o Fim). Sua grande motivação vinha do exercício da “religião verdadeira” e não da “teologia”. Ainda que tenha sido uma das mentes mais brilhantes da teologia reformada, ele não se deixou encantar pelo “intelectualismo teológico” que ilude um grande numero de ontem e dos dias atuais.
Sua Conversão: ele deixa transparecer que sua conversão o marcou profundamente e tornou-se a bússola a indicar a direção a ser seguida por ele. Não fora algo que ele buscou, mas um ato da “providência secreta” de Deus, que mudou radicalmente seus planos imediatos e futuros. Entedia que suas atividades pastorais e teológicas se constituíam em instrumentos nas mãos de Deus para a realização de Seus propósitos eternos e que ele não podia nem resistir ou menosprezar tão grandes privilégios concedidos a ele para edificação da Igreja de Cristo. Sentia-se permanentemente devedor à providência que o resgatou do lamaçal do pecado e o fez digno de conduzir o rebanho de Deus.
Sua Adesão à Reforma: A mesma Providência que o converteu também lhe abriu a mente para perceber os excessos da igreja católica de seus dias e que o impulsionou continua e persistentemente a buscar o “conhecimento da verdadeira piedade”. Sua inserção no movimento protestante não se deu por questões políticas ou estratégicas, mas porque compreendia que no movimento protestante estavam as sementes germinadoras da fé sem mácula emanada das Escrituras, na linguagem dele “a genuína piedade”. Ele tinha plena consciência que o movimento da reforma tinha suas limitações e seus excessos e deturpações, que ele enumerou e fez as devidas e necessárias criticas e repúdios. Mas sempre interpretou a Reforma como o meio pelo qual Deus resgatou Sua Igreja e Sua Palavra do lamaçal em que os detentores do poder eclesiásticos os haviam lançado e mantido ao longo dos séculos. Todavia, teve a sensibilidade e discernimento de aproveitar tudo que havia de bom e rejeitar o que não se ajustava ao estudo sincero das Escrituras (Sua Relação com os Pais daIgreja).

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
Outro Blog
Historiologia Protestante
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br//

Artigos Relacionados
Calvino Singularidades: O Motivo Primário Para Escrever as Institutas
https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2020/03/calvino-singularidades-o-motivo.html?spref=tw
Calvino Singularidades: Pregando Até o Fim
https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2020/02/calvino-singularidades-pregando-ate-o.html?spref=tw
Calvino e Sua Relação com os Pais da Igreja
https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2020/03/calvino-e-sua-relacao-com-os-pais-da.html?spref=tw
Personagens do Protestantismo – Calvino
http://historiologiaprotestante.blogspot.com/2013/11/protestantismo-em-imagens-calvino.html?spref=tw
Protestantismo: Os Quatro João (John) da Reforma
https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2019/08/protestantismo-os-quatro-joao-john-da.html?spref=tw
VERBETE – Pais Apostólicos
https://historiologiaprotestante.blogspot.com/2020/02/verbete-pais-apostolicos.html?spref=tw


[1] A Selection from the PREFACE TO THE COMMENTARY ON PSALMS, 1557. TRANSLATED FROM THE ORIGINAL LATIN, AND COLLATED WITH THE AUTHOR'S FRENCH VERSION by the Rev. James Anderson - http://www.ccel.org (em português - tradução eletrônica livre).



This post first appeared on HISTORIOLOGIA PROTESTANTE, please read the originial post: here

Share the post

Calvino Singularidades: Testemunho Pessoal

×

Subscribe to Historiologia Protestante

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×