Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Ciclo cardíaco




O coração é um órgão musculoso tem função mecânica comparada de uma bomba aspirante premente. o desempenho mecânico cardíacos se faz em círculos durante o Ciclo cardíaco ocorre no sistema cardio circulatório significativas modificações de pressão e volume da energia de movimento gerado pelo deslocamento da massa sanguíneo A cada ciclo cardíaco transforma-se em energia sonora a percepção pelo ouvido humano da nova modalidade de energia é fenômeno acústico definido como bulhas cardíacas ao final de cada ciclo cardíaco o coração encontre sua tarefa qual seja a recepção e proporção da massa sanguínea. o conjunto de fenômenos físicos é precedido por reações bioquímicas processadas nas células musculares cardíacas desencadeadas pelo estímulo elétrico ao se propagar pelas fibras miocárdicas a transformação de energia química em energia mecânica resulta no encurtamento das miofibrilas com aproximação da actina e miosina aproximação das miofibrilas é reversível e determina os dois componentes do ciclo cardíaco a sístole e à diástole e sístole do grego contração resulta no esvaziamento da câmara cardíaca o relaxamento muscular resulta numa maior distanciamento entre as miofibrilas ocorre durante a diástole e permite o retorno do sangue até o completo preenchimento da câmara cardíaca o ciclo cardíaco é assim conhecido desde 1628 quando eu esqueci descrever os movimentos do coração os conhecimentos conseguidos pelo ecodoppler e Os Atuais estudos de hemodinâmica pelo cateterismo cardíaco permitir um melhor entendimento dessas fases que a identificação de duas outras fases intermediárias isométricas que acontecem os movimentos de sístole e diástole analisaremos as variáveis pressão e volume durante o ciclo cardíaco nas câmaras cardíacas esquerdas dando especial ênfase à Câmara Ventricular esquerda por ser essa a verdadeira bomba propulsora e assim o maior determinante do dia débito cardíaco responsável pela vida os arquivos se comportam mais como reservatórios o retardo de sangue 60 a 120 ms na condução elétrica para os ventrículos em relação à atividade elétrica atrial determina a dinâmica oposta entre as câmeras atrioventriculares.



Gênese energia contrátil

 Durante a fase sistólica ventricular a resultante da soma da força com que cada sarcômero reduza seu comprimento transmitente seria o sangue contido na cavidade ventricular esquerda movendo em direção a valva aórtica com determinada velocidade resultando na ejeção ventricular. O movimento contém energia cinética o conteúdo ventricular ejetado é rapidamente contido pela aorta a capacidade adaptativa ou resistência desse compartimento para o volume transferido equivale a uma força que se opõe aquelas que está sendo favorável ao deslocamento durante a sístole ventricular forma se portanto um sistema de forças favoráveis e contrárias ao deslocamento do sangue as forças dispersando-se sobre a massa sanguínea das respectivas cavidades resultam no aumento da pressão a ejeção ventricular ocorre no momento do ciclo cardíaco em que houver superioridade de pressão de uma câmara em relação a outra:
São expressivas as modificações de pressão e volume no coração e sistema vascular durante um ciclo cardíaco completo.


Primeira fase do ciclo cardíaco

  • Período diastólico ventricular


As diferentes velocidades com o que ocorre a transferência de sangue do átrio esquerdo para o ventrículo esquerdo marcam os três momentos que compõem a primeira fase do ciclo cardíaco, a fase diastólica.
relaxamento ativo da musculatura cardíaca determina a redução rápida da pressão intraventricular vírgula tornando-a inferior a medida na cavidade atrial. Durante 60ms ou Gradiente pressórico formado entre essas duas câmaras é causa do deslocamento rápido da massa de sangue do átrio para o ventrículo esquerdo e da abertura da valva mitral pelo próprio movimento. O período em que o relaxamento muscular é ativo caracteriza a fase de enchimento ventricular rápido. De.De sangue transferido (70- 100% da capacidade diastólica ventricular), o que modifica a pressão intraventricular. O relaxamento muscular ativo, ao se tornar repentinamente mais lento, reduz bruscamente a velocidade de deflúvio entre essas duas câmaras. Nesse momento, processa-se a transformação de energia de movimento em energia sonora. O fim da fase de relaxamento ativo é marcado pelo surgimento do ruído acústico identificado como terceira bulha. O pico máximo da contração atrial ocorre 40ms após a inscrição da onda P do eletrocardiograma e facilita o deflúvio de sangue testando enchimento ventricular e Encerrando o terceiro tempo da primeira fase do ciclo cardíaco e, com ela, a diástole ventricular.


Segunda fase do ciclo cardíaco

  • Contração ventricular isovolumétrica


O registro da onda que do eletrocardiograma ocorre no momento em que o impulso elétrico atinge o miocárdio ventricular, determinando a contração muscular pela aproximação das miofibrilas. O início da segunda fase do ciclo cardíaco caracteriza-se pelo aumento do tônus muscular. Os sarcômeros, iniciando a redução de seu comprimento com determinada força, aumentam bruscamente a pressão pressão intraventricular e movem o sangue em direção a valva mitral até seu fechamento, Ao Final De 10 a 20 M S II em direção a valva aórtica, forçando a se abrir. Abertura se completa quando a pressão intraventricular super aorta, ao final de 120 m s em relação ao registro da onda que. Nessa fase inicial da sístole ventricular ocorrem expressivas variações de pressão, sem contudo haver modificação de volume.


Terceira fase do ciclo cardíaco

  • Período de ejeção ventricular


essa frase se completa em duas etapas: a primeira de forma rápida e a seguinte de forma lenta.
ao final de 20 a 30 m s após o fechamento completo da valva mitral a pressão intraventricular atinge valores superiores a medida na horta. Com a valva aórtica aberta o ligeiro Gradiente pressórico determina transferência de volume. O maior distanciamento entre as miofibrilas ocorre ao final do plano enchimento diastólico ventricular desde que o acoplamento entre actina e miosina se mantenha de forma ideal durante a sistole os sarcômeros se reduziram com maior força e velocidade. Essas caracterí
sticas físicas serão transmitidos para massa de sangue colocando-a em movimento de forma rápida por 100ms . Durante a fase de ejeção um rápida da cerca de 80% do volume ventricular é transferido para horta ocasionando rápido Ascenso na curva representativa da pressão intraventricular a transferência de sangue do ventrículo para horta determina redução do diâmetro ventricular com diminuição do distanciamento entre as miofibrilas a partir daí a velocidade e à força contrátil dos sarcômeros são menores O que torna por 270 a 300 MS são ventrículos é mais lenta ponto a pressão em aorta durante a fase executiva lenta igual à do ventrículo no momento em que cessa a contração ventricular ponto a seguir o deslocamento do sangue pela horta é mantido pela força de inércia e contração das suas paredes elásticas pronto o gradiente pressórico resultante( pressão em aorta superior a intraventricular) é a expressão de forças desiguais aplicada sobre os conteúdos aórtico e ventricular ocorrendo ao final da terceira fase . o movimento retrogrado do sangue em direção a valva aórtica empurra as válvulas até seu fechamento ponto essa fase caracteriza-se por variações de pressão e volume . é a maior responsável pelo volume sistólico.


Quarta fase do ciclo cardíaco

  • Fase de relaxamento isovolumétrico


por 60 a 80 m s após o fechamento da valva aórtica a valva mitral permanece fechada O que mantém o volume residual ( volume sistólico final) inalterado . o relaxamento ventricular com as duas valvas fechadas mitral e aórtica determina a redução brusca e acentuada da pressão intraventricular que representa o início da fase diastólica ponto a redução da pressão ventricular a valores inferiores aos do átrio esquerdo gera o gradiente pressórico entre essas câmeras que ocorre quando a força que desloca o conteúdo atrial abrindo a valva mitral por superior àquela oponente produzida no ventrículo.



Fonte: Manual de cardiologia volume I



This post first appeared on Help Farmácia, please read the originial post: here

Share the post

Ciclo cardíaco

×

Subscribe to Help Farmácia

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×