Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

O QUE EU QUERO - Pedro Luíz Pereira de Souza

Flor do cemitério Autor Rafael Cavalheiro

Eu quero nesta vida um sonho lindo
Que passe como a nuvem cor de rosa,
Hei-de dizer, depois cerrando os olhos
— Oh! Flor do cemitério, és bem formosa.

Não quero muito não: à fresca sombra
Do viçoso jardim da mocidade,
Quero dois dias m´embalar tranquilo
Gozando amor em doce liberdade.

Quero ver sempre o céu puro e sereno,
Nuvens de ar e o sol sempre dourado,
E aos doces beijos da mulher que amo
Hão de ir morrendo as dores do passado.

Debaixo da mangueira eu hei de vê-la
Ao meio da languia dormindo,
Soltos cabelos flutuando ao vento,
Nos eu sonho gentil irá sorrindo.

À noite quando a lua dos amores
Vier chorar debaixo do arvoredo,
Encostada indolente no meu ombro
Ela há de ouvir-me virginal segredo.

OH! sombra dos amores tão formosa
Como é viva e formosa a borboleta,
Eu serei para ti — a doce aragem,
Tu serás para mim — a violeta.

Quero dois dias — na macia grama
Reclinado a sonhar sobre um canteiro!
Passarei minha horas perfumadas
Como a cândida flor do jasmineiro.

Será vida bem curta, porém bela!
Sem ambição, sem glórias e sem dores,
Basta um raio de sol tendo ao meu lado
Uns lábios de mulher e algumas flores.

Posso morrer depois, e que m´importa
Tendo a vida corrido vaporosa!
Que hei de murmurar, cerrando os olhos,
Ó flor do cemitério, és bem formosa!

Pedro Luís Pereira de Sousa (nasceu em Araruama, Rio de Janeiro, Brasil, a 13 de dezembro de 1839 — m. Bananal, São Paulo, Brasil, 16 de julho 1884).


This post first appeared on Nothingandall, please read the originial post: here

Share the post

O QUE EU QUERO - Pedro Luíz Pereira de Souza

×

Subscribe to Nothingandall

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×