Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Flamengo derrota o Boavista na reestreia de Júlio César

Natural que muitos olhares se voltassem para Júlio César. Afinal, não é todo dia que um ídolo volta a vestir a camisa de um clube brasileiro, ainda que numa breve turnê de despedida. Mas havia outras coisas para prestar atenção no Raulino de Oliveira, ontem. Afinal, este Flamengo se aproxima de desafios maiores. A vitória por 3 a 0 sobre o Boavista teve um primeiro tempo preocupante, progressos na segunda parte e, claro, o reencontro com Júlio César. Apesar do longo tempo parado, saiu sem arranhões. E com o carinho da arquibancada.

– Tivemos um primeiro tempo muito ruim tecnicamente, não tivemos precisão contra um time todo atrás do meio de campo. No segundo tempo, melhoramos e conseguimos a vitória – disse Diego.

Carpegiani mexeu na posição de seus meias. Iniciou o jogo com Paquetá mais à direita, Éverton mais à esquerda e Diego e Éverton Ribeiro pelo centro. Pretendia criar espaço para os avanços de Rodinei na direita, já que seria natural ver Paquetá e Diego buscarem o meio, enquanto do lado oposto caberia a Éverton criar profundidade na ponta. No primeiro tempo, nada funcionou.

Coletivamente, a troca de passes não fazia o jogo fluir, raramente gerava infiltração na defesa rival. Com uma linha de zaga que raramente conduzia a bola ao sair jogando e laterais que hesitam na construção, os meias buscavam a bola muito atrás e o time se distanciava. E havia atuações ruins, como as de Diego e Éverton Ribeiro. Foram 45 minutos, sem que o Flamengo chegasse perto do gol.

No segundo tempo, o cenário melhorou. A começar por uma defesa mais adiantada diante de um adversário encerrado atrás. Com jogadores mais próximos, o Flamengo já tivera uma boa oportunidade, quando Henrique Dourado recebeu na área mas emendou com uma finalização constrangedoramente ruim.

Em seguida, viria um lance emblemático. Hoje em dia, é difícil romper defesas sem zagueiros com certo atrevimento para conduzir a bola até a chegada da marcação. É um movimento que ajuda a desequilibrar a marcação. Rhodolfo o fez, Diego finalizou e aconteceu o córner que resultou no gol de Rodinei, aos 19 minutos.

Mais agressivo, o Flamengo controlou o jogo e coroou a primeira noite de Júlio César em sua volta ao clube com dois belos gols de falta: Diego, aos 35, e Paquetá, aos 42. O goleiro? Fez algumas saídas de gol, pegou uma cobrança de falta e teve o nome gritado pelo público. Como deveria ser.

FICHA TÉCNICA
BOAVISTA 0 X 3 FLAMENGO

Local: Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ)
Data: 7 de março de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (horário de Brasília)
Público: 2842 pagantes
Árbitro: João Ênnio Sobral (RJ)
Assistentes: Thiago Rosa de Oliveira (RJ) e Thiago Gomes Magalhães (RJ)
Cartão Amarelo: Elivelton(Boa); Diego(Fla)
Gols:
FLAMENGO: Rodinei, aos 18 minutos, Diego aos 36 minutos e Lucas Paquetá aos 42 minutos do segundo tempo

BOAVISTA: Rafael , Gabriel, Gustavo, Elivelton e Julio César; Douglas Pedroso(Renan Donizete), Willian Maranhão, Lucas e Tartá; Marquinho(Thiaguinho) e Felipe Augusto
Técnico: Eduardo Allax

FLAMENGO: Júlio César, Rodinei, Rhodolfo, Juan e Renê; Cuéllar, Lucas Paquetá, Diego, Éverton Ribeiro(Willian Arão) e Everton(Geuvânio); Henrique Dourado(Felipe Viseu)
Técnico: Paulo Cesar Carpegiani

Source link

O post Flamengo derrota o Boavista na reestreia de Júlio César apareceu primeiro em Sports.



This post first appeared on Sports.tecnologiaforyou, please read the originial post: here

Share the post

Flamengo derrota o Boavista na reestreia de Júlio César

×

Subscribe to Sports.tecnologiaforyou

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×