Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

A história do Tri na Copinha

A luta pelo tetra da Copa São Paulo de Futebol Júnior começou em 1990, com um elenco recheado de craques e uma geração especial criada na Gávea. O Flamengo conquistou sua primeira taça na competição há quase 27 anos. Uma diferença de apenas seis dias separa o aniversário daquela conquista, em 31 de janeiro de 1990, para o jogo de hoje, contra o São Paulo.

Adriano, Junior Baiano, Piá, Marquinhos, Fabinho, Marcelinho, Luís Antônio, Djalminha, Paulo Nunes e Nélio fizeram parte do elenco campeão daquela edição, que dois anos depois levantou o pentacampeonato brasileiro, no Maracanã, em cima do Botafogo, sob o comando de Júnior, Gottardo, Gaúcho e Gilmar, treinados por Carlinhos.

A campanha de 1990 foi quase perfeita. Foram 11 jogos, sete vitórias, três empates e apenas uma derrota. O momento mais marcante, além da final, óbvio, foi a goleada de 7×1 sobre o Corinthians, com uma atuação soberba de Djalminha, que marcou cinco gols, em pleno Pacaembu.

Na decisão, no mesmo estádio, o Flamengo encarou o Juventus, célebre time da Móoca, e com um golaço de Junior Baiano, levantou sua primeira taça da Copinha.

O bi demorou 21 anos, mas veio em 2011. César, Negueba, Frauches, Rafinha, Lucas e Adryan empurarram o Rubro-Negro ao segundo título da competição que já havia entrado na época de muitos times e grupos. Nessa edição, 92 equipes se dividiram em 23 chaves e o Flamengo caiu no grupo K, com Mogi Mirim, São José e Gurupi.

Na primeira fase, um empate (Mogi 0x0), uma goleada (Gurupi 1×7) e mais uma vitória (São José 0x3) colocaram o Mais Querido na próxima etapa. Foram dois confrontos contra gigantes do futebol. Na segunda fase, empate em 2×2 com o Cruzeiro e classificação nos pênaltis (5×3). Em seguida, vitória simples contra o São Paulo nas oitavas (1×0). Nas quartas, uma goleada sobre o Coritiba (6×2) deixou claro quem seria o favorito dali em diante. A semifinal, porém, foi complicada. Após o empate em 0x0, César pegou um na disputa por pênaltis e o Flamengo venceu por 3×0, se classificando para a final.

A finalíssima, agora já disputada no dia do aniversário da capital paulista, recebeu um Pacaembu lotado pela Nação Rubro-Negra. Aos sete do primeiro tempo, o capitão Frauches abriu o placar e explodiu a torcida no local. Aos 30, o Bahia empatou, de pênalti. E no segundo tempo, Negueba, também de pênalti, marcou o segundo gol, o do título carioca.

Se foram 21 anos até o Bi, o Tri não demorou muito. Em sua terceira final na Copinha, o Flamengo levantou seu terceiro título em 2016, diante de um Pacaembu abarrotado, embaixo de um sol claudicante e contra o Corinthians, nos pênaltis. Uma vitória na raça e na garra tradicionais das categorias de base que vestem o Manto Sagrado.

Se os 92 times da edição de 2011 já assustaram, nesta foram 112, divididos em 28 grupos. O Flamengo ficou no 24, ao lado de Red Bull Brasil, Palmeira e União Mogi. Na primeira fase, o Mengão sobrou. Três vitórias nos três jogos (2×1, 5×1 e 3×1, respectivamente).

Na sgeunda fase, vitória maiúscula sobre o Brasília, por 3×0. Um novo encontro com o Red Bull Brasil na partida seguinte terminou com mais uma vitória carioca, por 1×0. A sequência de triunfos parou no empate com o Bahia, na quarta fase, que foi para os pênaltis, onde o Flamengo fez 5×4 e passou adiante. Nas quartas de final, eliminou o São Paulo (2×0), na semi passou pelo América Mineiro (2×1) e fez a decisão contra o Corinthians.

Os paulistas saíram na frente, abrindo 2×0 logo no primeiro tempo. Com maioria da torcida no estádio, o time da cidade crescia e apertava o Flamengo na defesa. Na volta para a etapa final, Trindade diminuiu logo aos três minutos. Vinte minutos depois, Matheus Sávio empatou a partida e calou o Pacaembu. A decisão foi para os pênaltis. Aí foi quando o goleiro Thiago brilhou, falhou, brilhou de novo e escreveu um capítulo na história rubro-negra.

Na última cobrança corintiana, disputa empatada em 4×4, Thiago defendeu o chute de Gabriel. A vantagem ficou toda do Flamengo. O próprio Thiago se encarregou de bater, mas o goleiro corintiano Felipe agarrou, mantendo tudo igual. Nas cobranças alternadas, Thiago novamente brilhou e pegou a de Claudinho. Aí, Patrick teve a chance, conferiu e o Flamengo conquistou seu tricampeonato.

Source link

O post A história do Tri na Copinha apareceu primeiro em Sports.



This post first appeared on Sports.tecnologiaforyou, please read the originial post: here

Share the post

A história do Tri na Copinha

×

Subscribe to Sports.tecnologiaforyou

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×