Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Metodologias de ensino: ontem e hoje

APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS, Ensino HÍBRIDO OU DESIGN THINKING, ENTRE OUTRAS. HÁ ALGUMA SEMELHANÇA ENTRE AS PROPOSTAS ATUAIS E AS JÁ CONHECIDAS DOS SÉCULOS PASSADOS? CERTAMENTE.

    
Carlos SanchesCARLOS SANCHES 
design-thinking-arede-educa
As propostas e objetivos Das Novas Metodologias de ensino têm ligações ou semelhanças com as do passado? Em 1932, Anísio Teixeira, Lourenço Filho eFernando de Azevedo foram líderes e signatários de um manifesto – o  “Pioneiros da Educação”, criticado pela ingenuidade e aclamado pela inovação – que propunha mudanças na educação brasileira.

Essas propostas, no que tange ao viés pedagógico do documento, tinham vinculações com a Escola Nova – movimento do final do século 19 adentrando o século 20 – que, entre outros itens, se baseava no aluno como centro da aprendizagem; em trabalhos manuais; experimentações e em um aprendizado mais significativo.
Seguindo nessa linha, uma análise das correntes pedagógicas do final do século 19 e do século 20 revela muitas semelhanças em relação a algumas propostas pedagógicas inovadoras da atualidade.
Então, vejamos: para o bielorrusso Leon Vygotsky, por exemplo, o sócio interacionismo era um caminho a ser traçado na educação, ou seja, o aprender com o outro era fundamental, pois ninguém aprende sozinho – “ninguém é uma ilha”.
Já Paulo Freire se notabilizou pela aprendizagem significativa, trabalhando com o que o indivíduo já sabia e vivia em seu cotidiano, ou seja, do que experimentou em sua realidade, não sendo uma folha em branco a ser preenchida.

Ausubel, psicólogo estadunidense, também desenvolveu teoria baseada na aprendizagem significativa, partindo do que o aluno já sabia.
Torna-se interessante, então, nessa perspectiva, investigar e analisar o que está se propondo, hoje, para a melhoria da educação em relação às Novas Metodologias. Quais são as principais propostas em pauta?
Um aprendizado baseado no aluno; o “aprender” mais do que “o ensinar”; uma aprendizagem mais colaborativa; uma abordagem mais significativa que tenha mais contato e ligação com o mundo real; mais experimentações em projetos e outros mais.
Metodologias como Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP, ou, PBL em inglês), Ensino Híbrido ou Design Thinking, entre outras, têm como objetivo desenvolver nos alunos algumas das competências e habilidades citadas no parágrafo anterior e tidas como fundamentais para o século 21.
Percebe-se alguma semelhança entre as propostas atuais e as já conhecidas dos séculos passados? Certamente. Então, atualmente, o que se desenha é uma retomada de pressupostos já estudados e bem definidos no passado, com – em boa parte dos casos – as tecnologias da informação e comunicação atuando como mediadoras e facilitadoras do processo, além das adequações de alguns itens ao nosso momento.
Esses são pontos importantes a serem considerados: o momento e a adequação. Assim como à época do manifesto dos “Pioneiros da Educação” – embora nesse documento houvesse, além do viés pedagógico, o político e o ideológico –, necessitamos de um sistema de ensino e de metodologias que preparem o aluno para a sociedade contemporânea. A sociedade da informação e que vive em rede. E também prepare para um mercado de trabalho em constante transformação, que precisa de pessoas colaborativas, proativas, criativas, com capacidade de resolver problemas inéditos e sem um “manual de instrução”.
Ou seja, embora possa haver algum ineditismo na aplicação das novas metodologias de ensino, suas propostas e objetivos são semelhantes ao que já se discutiu e se propôs no passado.
Uma leitura atenta dos três trechos a seguir, extraídos do manifesto dos pioneiros da educação, dará uma boa noção dessa semelhança.
“O que distingue da escola tradicional a escola nova, não é, de fato, a predominância dos trabalhos de base manual e corporal, mas a presença, em todas as suas atividades, do fator psicobiológico do interesse, que é a primeira condição de uma atividade espontânea e o estímulo constante ao educando (criança, adolescente ou jovem) a buscar todos os recursos ao seu alcance, graças à força de atração das necessidades profundamente sentidas”.
“A escola deve utilizar todos os recursos formidáveis, como a imprensa, o disco, o cinema e o rádio.”
“Mas, o exame, num longo olhar para o passado, da evolução da educação através das diferentes civilizações, nos ensina que o “conteúdo real desse ideal” variou sempre de acordo com a estrutura e as tendências sociais da época, extraindo a sua vitalidade, como a sua força inspiradora, da própria natureza da realidade social.”
Nesses trechos, pode-se perceber ao menos três itens comuns ao que se propõe hoje:
. Interesse do aluno nas tarefas que vai realizar
. Utilização dos recursos tecnológicos disponíveis
. A ligação da educação com a sociedade do seu tempo

E como estamos aplicando tudo isso em nosso país? Algumas escolas públicas e particulares estão inovando nessa linha. Mas essas iniciativas ainda são muito incipientes, pontuais e, em alguns casos, inconstantes.
Estamos em um momento de transição e há um claro descompasso entre a escola, o mundo corporativo e a sociedade. O que tem travado muito essa evolução, entre outros fatores, é o nosso paradigma baseado em avaliações, principalmente para a entrada no ensino superior – o que tem engessado e impedido novas iniciativas mais conectadas com o nosso tempo por parte das escolas, que têm optado por uma metodologia mais pragmática e tradicional.
Carlos Sanches é consultor em tecnologia educacional, criador do blog TecnologiaEducaBrasil

Fonte: http://www.arede.inf.br/metodologias-de-ensino-ontem-e-hoje/


This post first appeared on Núcleo De Tecnologia Do Município De São José, please read the originial post: here

Share the post

Metodologias de ensino: ontem e hoje

×

Subscribe to Núcleo De Tecnologia Do Município De São José

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×