Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Entrevista da Quinzena: Deputado Heráclito Fortes

JORNAL DO COMMERCIO - O que motivou a criação desse grupo?HERÁCLITO FORTES - Sou de uma escola política que valoriza a conversa. Depois de quatro anos fora da Câmara, me senti angustiado com a falta de diálogo entre os parlamentares, inclusive os de oposição e aí juntei um grupo. Então, comecei a fazer os encontros na minha casa, porque tinha mais espaço que os apartamentos funcionais. Mas você precisa entender que isso não é um bloco partidário, mas um grupo de pessoas que pensam em defesa do legislativo. As conversas se iniciaram com parlamentares, inclusive do PT, da base do governo, mas o o foco maior era com membros do PT. Fizemos umas quatro reuniões, mas ocorre que não havia nenhum resultado nas conversas. Por mais que os deputados tentassem, havia uma barreira de falta de diálogo no Palácio. A Dilma era impenetrável e o Mercadante pior ainda. O Mercadante chutava o pau na barraca e não queria diálogo. Os próprios deputados foram ficando aflitos. Quando víamos que não era possível, nós começamos a buscar outros canais. Começamos a discutir a parte econômica, a parte jurídica. Teve momentos que chamamos juristas. Armínio Fraga para discutir matérias econômicas. O Geraldo Alckmin, Aécio Neves e por aí afora. Foi uma tarefa artesanal, não foi fácil, mas persistimos.
JC- Quem eram os principais articuladores?
HERÁCLITO - O núcleo central, o G8, era sempre o mesmo, mas a cada reunião agregávamos mais gente. Éramos eu, Jarbas Vasconcelos, Bruno Araújo, Mendonça Filho, Rodrigo Maia, Osmar Terra, Raul Jungmann. Por exemplo, se alguém vazasse, não era chamado uma segunda vez. O vazamento para nós era cruel e fatal naquele momento e por aí fomos costurando o resultado que você viu. Por sorte nossa, alguns dos participantes do grupo terminaram saindo ministro, terminaram participando do governo e até agora o presidente da Câmara. Havia uma proposta de fortalecimento democrático.
JC - O período mais árido no Congresso parece ter passado. E o “G8” continua?HERÁCLITO - O grande maestro do Centrão era o Eduardo Cunha, que tinha a voz de comando. Quando veio o episódio da eleição, a gente viu que esse comando passou a ser fluido, não tinha mais quem desse sequência aos caprichos do Centrão e eles começaram a jogar pro blefe. O teste foi a eleição do presidente da Câmara. 
JC - O senhor acha que o Centrão pode causar alguma derrota ao Michel Temer?
HERÁCLITO 
- Acho que o clima será positivo para Casa, porque houve um fortalecimento muito grande da base de apoio ao Michel, o próprio Centrão é da base de apoio. O grande problema é que o Centrão quer cargo. 
JC - Na volta do recesso, quais serão as pautas prioritárias? Reforma da previdência?
HERÁCLITO 
- Será a pauta econômica, mas, concretamente, eu não sei, porque o Rodrigo Maia não sentou de forma concreta para discutir pauta com o Michel. 


This post first appeared on Now & Zen - Blog De Cidades, Dicas, Entrevistas, F, please read the originial post: here

Share the post

Entrevista da Quinzena: Deputado Heráclito Fortes

×

Subscribe to Now & Zen - Blog De Cidades, Dicas, Entrevistas, F

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×