Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Conversão e Realidades Espirituais

                                     
                   UMA NOVA REALIDADE OU VELHAS MENTIRAS DISFARÇADAS?

Se Alguém está em Cristo nova criatura é (II Coríntios 5:17)
 Cada redimido, que passou pelo processo de um novo nascimento, está diante de uma nova vida. Temos que evidenciar isso, como a forma segura de que de fato realmente nos arrependemos de nossos pecados e fomos transformados pelo Senhor. A redenção foi feita através de um sacrifício extremo e perfeito, para conduzir um homem transformado para um estilo de vida radical. Menos do que isso, em alguém que diz ser cristão, pode ser uma  evidencia de fraude espiritual ou de  uma conversão psicológica. Vejamos a vida de um bebê que durante alguns meses vive no útero de sua mãe, quando nasce, descortina-se um novo mundo para ele, ou aquela larva que depois de uma metamorfose se transforma em uma linda e fenomenal borboleta, da vida rastejante de uma larva ao vôo majestoso de uma borboleta, a transformação é ultra-radical. A vida em um útero, num estado fetal para um novo mundo colorido num espaço infinito, é uma experiência radical, uma criança não nasce para o mundo, ela nasce para o universo. Da janela de sua casa um dia ela vai perceber as estrelas e a imensidão cósmica. A regeneração é mais do que uma simples conversão ao evangelho, é uma transformação profunda para que sejamos a imagem de Cristo (Romanos 8:9) Veja como os evangelhos narra a história de um Pedro que a própria sombra assustava, para um homem transformado cuja própria sombra curava ((Mateus 26:74 com Atos 5:15)
Se alguém está em cristo, significa antes de tudo não estar mais em Adão, de uma vida adâmica passa para uma vida em Cristo, o verdadeiro homem transformado pelo evangelho, vive de novidade de vida experimenta o poder do evangelho e é feito em verdadeira justiça e santidade. (Romanos 6:4 com Efésios 4:24) Sua vida é transformada, há um contraste, como há uma diferença enorme entre o um vale de sombras e obscuridades e uma  campina cheia de flores ao raiar majestoso do sol em uma dia de primavera. Percebe a diferença? Você precisa ter essa enorme diferença. Entre um regenerado e um perdido há um abismo enorme, é a sua identidade em Cristo que define isso, no seu dia a dia com o Senhor.
O novo convertido é um santuário ambulante, ele é o embaixador do céu na terra, um farol que ilumina a vida de muitos e orienta por suas virtudes e amor, a vida daqueles que se encontra em trevas. Você tem essas marcas? As pessoas podem olhar para você e ler Cristo triunfante? Podem olhar para você e ler o evangelho em todas as suas atitudes? Pode olhar para suas ações e dizer “Ali vai um santo homem de Deus”?(II Reis 4:9)  Somos cartas vivas, então a leitura que os outros irão evidenciar em nós é “Segue os passos do Cordeiro, onde quer que ele vá”.(Apocalipse 14:4) Deixe me dizer algo mais. Há um problema sério com pessoas desviadas, provavelmente elas nunca conheceram o verdadeiro evangelho, é possível que vieram a Cristo por conveniência ou emoção, mas nunca tiveram uma transformação de coração, é impossível sair da lama do pecado para respirar o ar puro da redenção e então novamente descer aos antros escuros  do ar fumegante do enxofre da maldição do pecado. Se ele desce até esses antros infernais, caminho abominável, cheio de pisadas de homens adâmicos, ele retorna de lá as pressas, um homem transformado pelo evangelho não se detém nos caminhos de pecadores e muito menos no vale da condenação eterna. Agora deixem me dizer ainda mais, porque há pequenos desvios  que muitos experimentam, numa vida espiritual intermitente. Os desviados momentâneos, que por uma falha saem da presença de Deus, falam palavrões, estão diante de uma televisão assistindo programas indecentes, não vão ao culto por causa de uma falta de vontade ou por causa do fastio espiritual, estão assentados na roda dos escarnecedores, estão gastando o tempo em coisas inúteis e triviais, esses também são desviados, por um lapso de tempo, ou por algum momento, estão fazendo o que Cristo não faria, ou estão falando algo que Cristo nunca pronunciaria ou estão em lugares que Cristo evitaria, pequenos desvios, podem ser feitos por homens transformados pelo evangelho, tal como Davi que na época em que os reis deveriam está na guerra, ele estava no ócio, e então contempla uma mulher tomando banho e a deseja para si, nutrindo o desejo até o ato ser consumado, ele estava num lugar errado, desviado de sua missão como rei. Podemos citar o caso de Jonas que desviado do propósito de Deus estava longe da vontade divina para satisfazer a sua própria vontade, este também era um desviado momentâneo. Mas ele não permanece muito tempo lá.(Veja Tiago 5:19 e 20) Sua alma gemerá, ele correrá aos braços da misericórdia divina, ele reparará sua vida dúbia, ele quer ser um marco certo encima do fundamento eterno que é Cristo (I Coríntios 3:11) Um verdadeiro convertido encontra a falha em si mesmo e retorna, um falso convertido coloca a culpa nos outros e não quer mais voltar. “Torna-a a dar-me a tua alegria da tua salvação, e sustem-me com um espírito disposto a te obedecer”(Salmo 51:12)

Prossigo em frente, e antes me deixe dizer que ainda existe outro problema que desejo abordar: a pratica de religião sem evangelho. E isso existe? Claro que sim. Vejo muitos a minha volta fazendo isso. São fieis a tradição religiosa da sua comunidade ou da família. Encontraram um molde espiritual para conter os requintes do amor próprio. Não há nessa gente um desejo de conferir coisas espirituais com espirituais, apenas desejam seguir a ordem de uma religião para de algum modo aplacar a voz da consciência. Veja bem, que isso não é cristianismo verdadeiro. A menos que uma pessoa seja sincera o suficiente para gastar algum tempo da sua vida para confrontar todo o ensino do novo testamento com a sua própria vida, tal pessoa é apenas um entre tantos a mergulharem no oceano das religiões humanas. Digamos que Deus fez uma religião celeste e essa é o cristianismo, mas o homem inventa uma alternativa, para concorrer que a celeste. Então nasce o pseudo cristianismo. Mão se engane, a pratica de uma religião, ainda que intensa, com zelo cuidadoso e extremo e fora da vontade de Deus nada mais é do que uma escolha seguir o caminho ainda mais difícil de alcançar a graça de Deus, porque o orgulho humano endurece o coração e a permanência no erro obscurece a razão, esse é o esmo caminho que os fariseus insistiram em seguir, mesmo que Cristo pessoalmente se apresentasse como o único caminho para o céu. “Tens nome de que vives, e estás morto”(Apocalipse 3:1)

O cristão que nasceu de novo, e digo isto com muito pesar, são muito poucos, eles são as jóias do cristianismo que adornam a coroa da redenção que Cristo comprou com seu próprio sangue na cruz do Calvário (Atos 20:28). Vivem numa nova realidade. Cada verdadeiro cristão, nascido de novo nunca deve se esquecer de seus privilégios em Cristo, da nova vida e das responsabilidades como cidadão do céu que vive aqui nessa terra. Não há visão atrofiada no novo homem,  ele enxerga bem mais além da vida terrena, ele sabe que existe um lugar no céu e ele deve colocar muitos tesouros lá, por isso a vida terrena é um acesso constante ás realidades espirituais e celestiais. Hoje vimos como essa identidade de ser uma nova criatura em Jesus Cristo sofre com a ausência de verdadeiros representantes, e isso de dá por causa do falso evangelho que se alastra pelo mundo competindo com o verdadeiro, porém esses falsos evangelhos promovem a aparência de piedade, contudo negando o poder dela. A verdadeira santidade que surge na vida transformada por Cristo é poderosa em santificar o novo homem. A crise de identidade está em pleno apogeu em nossos dias, um mundo que está sendo cristianizado, mas que não produz as evidencia claras em produzir pessoas com uma Nova vida radical em Cristo. Temos um exemplo de Paulo de amargo perseguidor da igreja transforma-se em um doce seguidor do evangelho ((Atos 9:1 a 30)
Um homem transformado pelo evangelho não está atento as coisas temporais, ele não se contenta com a fragilidade das alegrias terrenas nem com as formas artificiais da vida carnal.

É hora de confrontar a nossa vida (II Coríntios 13:5) será que realmente somos pessoas transformadas pelo evangelho? Há evidencias claras de que nossa vida está sendo moldada pelos valores de Cristo? Será que realmente temos o Espírito de Cristo? Será que temos aquela disposição de não procrastinar, de não permitir que a prevaricação seja um elemento comum nas nossas atitudes? Será que subjugamos nossas opiniões debaixo da autoridade das Escrituras e fazemos da nossa vontade uma serva da vontade de Deus? Essas perguntas definem o tipo de espiritualidade que nutrimos e vivemos, ela pode ser uma fraude evidente quando a nossa vida está sendo construída encima de uma religiosidade sentimentalista, motiva por experiências subjetivas e opiniões humanas e nada mais. O simples professar a Cristo não faz de você um cristão, o saudar alguém na praça muito menos, ter uma cartão de membro, participar  de um batismo litúrgico, freqüentar um culto esporadicamente e cumprir a risca uma agenda religiosa não faz de você uma nova criatura nem mesmo um verdadeiro cristão. Milhões de pessoas fazem isso e estão completamente perdidas. A vida radical de um homem transformado é oposta ao ego e ao mundo.  Uma vida de piedade autentica é uma vida de sacrifício diário é uma vida de submissão autentica ao Senhor, em todos os momentos, não de forma intermitente, mas uma entrega total ao Senhor. Nada de nossas opiniões, nada de decisões egoístas, nada de conveniências pessoais, nada de disfarces, nada de hipocrisias, nada de superficialidades, nada de frieza espiritual, não há espaço para isso numa vida transformada pelo evangelho e orientada pelo poder do Espírito Santo. Que evidência você tem de ser transformado pelo evangelho? Quais são suas perspectivas espirituais? Como você está vivendo a vida cristã? Ela é radical? Nunca tente torna-se um verdadeiro cristão, quando você ainda não é, se as evidencias não provam isso, porque pelos frutos se conhece a arvore, se você um redimido, um regenerado, uma nova criatura em Cristo, As pessoas a sua volta ficarão assustadas pela transformação que você experimentou. Seus inimigos dirão “não vejo nele mal algum” podem ter odiar por tua santidade e não por tuas atitudes, mas se você for falso cristão, as pessoas te odiarão porque você é um hipócrita. Todo hipócrita é um motivo para os filhos do diabo desdenharem da obra de Cristo, eles rirão porque você não vive o poder do evangelho que eles desejariam que você vivesse. Todo o cristão sem a vida de Cristo é uma fraude espiritual.  “Porque para isso sóis chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas”(I Pedro I 2:21)

Clavio J. Jacinto


This post first appeared on Pr C. J. Jacinto, please read the originial post: here

Share the post

Conversão e Realidades Espirituais

×

Subscribe to Pr C. J. Jacinto

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×