Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Obrigado, meu Deus!

Estava conversando com uma amiga, ouvindo-a falar de seus medos, angústias, dos problemas em que se encontrava, das dúvidas que tinha, etc, quando ela me perguntou: “O que faço, Ci?”

Não sou profissional habilitado e capacitado para orientar psicologicamente ninguém, mas como cresci entre mulheres e tenho muitas amizades do sexo feminino, sempre me deparo com situações assim. Confesso que me inclino pela posição de que cada um deve seguir seu coração. Contribuo com alguma experiência vivida ou de que tenha conhecimento, mostro caminhos, ajudo a pensar em soluções plausíveis, mas não gosto de dizer o que a pessoa deve fazer. Afinal, a responsabilidade pelas escolhas que fizer é exclusivamente dela.

De qualquer forma, neste caso específico, excepcionalmente, como a conheço bem, tenho muita intimidade e consigo compreender e captar o que sente (segundo ela), resolvi fazer algumas sugestões sobre o que deveria fazer, notadamente atividades de que ela gostava. Após ouví-la falar que já fazia muitas delas, indaguei: Então, por que em vez de “reclamar” da vida você não agradece a Deus por tudo isso? Que tal mudar o olhar e ver quantas coisas boas a vida te proporciona?

O caso dela requer maior aprofundamento e sei que conversaremos muitas outras vezes até que ela se sinta de bem com a vida e consigo mesma, mas fiquei pensando na questão de agradecer a Deus pela nossa vida e por tudo que nos acontece nessa longa jornada.

Lembrei então de um texto de Calunga que li dia desses ao fazer “O evangelho no lar”:

Encontre, todos os dias, um motivo para agradecer a Deus.

Isto não é receita de felicidade, porque não acredito em receita. Mas, mesmo assim, agradeça.

Desenvolva esta disciplina de enxergar o melhor da sua vida, ou de um dia, ou de um momento, e diga: – Muito obrigado, meu Deus! Obrigado por esta chance, obrigado por este conforto, obrigado por aquele amigo, obrigado pelo sol nascer, obrigado pela chuva molhar, obrigado…

É tão bom ser agradecido, porque agradecer significa reconhecer as bençãos, reconhecer as bençãos é ser capaz de ver o bem, ver o bem é saber o que é bom.

– Meu Deus! Eu sei o que é bom, então eu posso dizer o que eu quero para mim. Eu sei que a luz é boa, e eu quero luz. Eu sei que gostar é bom, e eu quero gostar. Eu quero sorrir. Obrigado, meu Deus, por aquela brincadeira, por aquela piada, porque eu dei risada e foi tão bom. Obrigada por trazer aquela pessoa necessitada pra perto de mim, porque foi muito bom ajudar. Obrigada por me mostrar as coisas e as pessoas como elas são, pra eu poder me orientar, me guiar no mundo.

Agradecer a Deus é sintonizar com Ele, uma coisa que talvez venha lhe fazendo muita falta, não é mesmo? Sintonizar com a paz e o bem maior que Ele representa.

É uma atitude que você assume, uma coisa de dentro, do seu coração diante da vida. Não precisa demonstrar, rezar tantas rezas, fazer doações, porque o valor da gratidão, como a palavra já diz, é ser grátis, é a gratuidade, é a leveza de um sentimento.

A cabeça é que vem em cima e diz: Se você é grato tem que fazer assim. Tem que retribuir. Tem de fazer. O coração não obriga a nada.

É claro que, se você quer rezar, quer doar, quer fazer, é um problema seu, e você pode fazer. Mas não pense que gratidão é isto, porque se você pensa que agradecer é retribuir, quando acabou de retribuir, acaba a gratidão, e isto não pode acontecer.

Vocês, na Terra, às vezes agradecem pra se livrar de um peso, de uma dívida. Pra não ficar em falta. E quem é que faz desse jeito? Advinha: é a cabeça. Mas a cabeça não sabe o prazer de ser grato a Deus, grato à vida, às pessoas, e quer transformar a gratidão em paga, que é o que a cabeça entende.

O coração só quer sentir. A cabeça é que conta lucros e prejuízos.

O coração só quer amar. A cabeça é que inventa os deveres.

O coração só quer se abrir. A cabeça é que fica conferindo, pra ver se vale a pena.

E é a cabeça que acaba tirando o prazer e a graça de tudo, se você deixa.

Agradeça a Deus, a cada momento. Não precisa de um momento especial, nem de palavras escolhidas, que isto é coisa da cabeça.

Agradeça de coração, como vocês dizem, e deixe a cabeça (sua e dos outros) achar, pensar, conferir, analisar, acreditar no que quiser.

É por aí! Agradeça, viva a vida, pule, se jogue, se tiver com medo vai com medo mesmo, siga seu coração e deixe a cabeça (sua e dos outros) achar o que quiser.

The post Obrigado, meu Deus! appeared first on Simples Coisas da Vida.



This post first appeared on Conta Temporariamente Desativada, please read the originial post: here

Share the post

Obrigado, meu Deus!

×

Subscribe to Conta Temporariamente Desativada

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×