Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Sobre o óbvio, de Darcy Ribeiro. O momento em que vivemos é bem oportuno para ‘reler’

É isso! O momento em que vivemos no país é bem oportuno para refletirmos sobre estas considerações do iminente antropólogo Darcy Ribeiro. Vale à pena dar uma conferida. Se já conhece, releia! E se não conhece... É imperdível!

Poderíamos dizer que o óbvio é óbvio e dispensa quaisquer outras considerações.
Mesmo o Darcy Ribeiro dispensaria maiores apresentações.

Entretanto, se ainda não o conhece, Darcy Ribeiro, o antropólogo, foi uma das “cabeças” mais lúcidas que contribuíram para pensar esse país, embora, como ele mesmo salienta que a pedra de toque da dominação por aqui é via educação, ele permanece um ilustre desconhecido para a maioria da turma hoje.

Leia o texto e dará razão aos que pensam e decidem que seja assim: deixar no ostracismo pessoas como ele.

'É um texto indispensável para se entender um pouco sobre a “alma imposta” ao brasileiro, feita por uma elite dominante que se reproduz ao longo da história e que hoje esperneia na tentativa de manter o “status quo”, que é um pressuposto básico para manter e/ou continuar o processo de alienação e sujeição da população, com o inestimável apoio da mídia de sempre.

Vai constatar que é como se ele tivesse escrito esse texto ontem, e não que ele esteja prestes a completar 40 anos, o que denota o grande poder de dominação desses setores que estão aí, tentando abortar as tentativas de resgatar esse país, e esse povo, das garras seculares de uma elite astuta e poderosa, e pior, mancomunada com interesses estrangeiros, que nunca foram tão incisivos e atuantes como agora.

Esta foi uma palestra sua no Simpósio sobre Ensino Público, na 29º Reunião da SBPC, realizada em São Paulo, em julho de 1977.
"Sobre o óbvio
                 “Nosso tema é o óbvio. Acho mesmo que os cientistas trabalham é com o óbvio. O negócio deles – nosso negócio – é lidar com o óbvio. Aparentemente, Deus é muito treteiro, faz as coisas de forma tão recôndita e disfarçada que se precisa desta categoria de gente – os cientistas – para ir tirando os véus, desvendando, a fim de revelar a Obviedade do óbvio.

É óbvio, por exemplo, que todo santo dia o sol nasce, se levanta, dá sua volta pelo céu, e se põe. Sabemos hoje muito bem que isto não é verdade. Mas foi preciso muita astúcia e gana para mostrar que a aurora e o crepúsculo são tretas de Deus. Não é assim? Gerações de sábios passaram por sacrifícios, recordados por todos, porque disseram que Deus estava nos enganando com aquele espetáculo diário.

(…)

Outra obviedade, tão óbvia quanto esta ou mais óbvia ainda, é que os pobres vivem dos ricos. Está na cara! Sem os ricos o que é que seria dos pobres?

Quem é que poderia fazer uma caridade? Me dá um empreguinho aí! Seria impossível arranjar qualquer ajuda. Me dá um dinheirinho aí! Sem rico o mundo estaria incompleto, os pobres estariam perdidos. Mas vieram uns barbados dizendo que não, e atrapalharam tudo. Tiraram aquela obviedade e puseram outra oposta no lugar. Aliás, uma obviedade subversiva.

Uma terceira obviedade que vocês conhecem bem, por ser patente, é que os negros são inferiores aos brancos. Basta olhar! Eles fazem um esforço danado para ganhar a vida, mas não ascendem como a gente. Sua situação é de uma inferioridade social e cultural tão visível, tão evidente, que é óbvia. Pois não é assim dizem os cientistas. Não é assim, não. É diferente! Os negros foram inferiorizados. Foram e continuam sendo postos nessa posição de inferioridade por tais e quais razões históricas. Razões que nada têm a ver com suas capacidades e aptidões inatas, mas, sim, tendo que ver com certos interesses muito concretos.

A Quarta obviedade, mais difícil de admitir –, e eu falei das anteriores para vocês se acostumaram com a ideia –, a Quarta obviedade é a obviedade doída de que nós, brasileiros, somos um povo de Segunda classe, um povo inferior, chinfrim, vagabundo. Mas tá na cara! Basta olhar! Somos 100 anos mais velhos que os estadunidenses, e estamos com meio século de atraso com relação a eles. A verdade, todos sabemos, é que a colonização da América do Norte começou 100 anos depois da nossa, mas eles hoje estão muito adiante. Nós, atrás, trotando na história, trotando na vida. Um negócio horrível, não é? Durante anos, essa obviedade que foi e continua sendo óbvia para muita gente nos amargurou. Mas não conseguíamos fugir dela, ainda não.

Continue lendo, aqui. Vale, muito, à pena!!!

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitterpara acompanhar nossas atualizações

*


This post first appeared on COLUNA DO LEITOR, please read the originial post: here

Share the post

Sobre o óbvio, de Darcy Ribeiro. O momento em que vivemos é bem oportuno para ‘reler’

×

Subscribe to Coluna Do Leitor

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×