Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

RELACIONAMENTOS EM TEMPOS DE PANDEMIA


 

Em tempos de confinamento, manter um relacionamento harmonioso é cada vez mais desafiante, sobretudo quando temos de conjugar o trabalho, a ocupação de crianças pequenas, o acompanhamento escolar e todas as tarefas que uma casa exige. Hoje partilho algumas sugestões que podem ajudar-nos a manter a ligação com a Pessoa que amamos.


Em duas palavras, é mais provável que nos mantenhamos conectados se houver altruísmo e (boa) comunicação. Aqui estão algumas dicas:

 

#1: Oferecer “bolsas de tempo”

A inexistência de limites físicos entre a vida profissional e familiar é uma das grandes fontes de stress. Quando os membros do casal conseguem comprometer-se a “segurar as pontas” para oferecer ao outro algumas bolsas de tempo – para relaxar, Fazer desporto ou outra coisa qualquer, reduzem o stress, sentem-se mais unidos e com maior sensação de controlo sobre a própria vida.

 

#2: Aceitar as tentativas de fazer as pazes

Quanto mais tempo se passa em confinamento, maior é a irritabilidade e a impaciência. Os conflitos são praticamente inevitáveis e é muito importante tentar fazer as pazes. Quando o membro do casal que tenta uma reaproximação se confronta com um “chega para lá”, surgem sentimentos de rejeição difíceis de ultrapassar. Pelo contrário, quando aceita o pedido de desculpas ou a tentativa de fazer as pazes, a escalada diminui e aumenta a probabilidade de voltar a haver trocas de carinho e o sentimento de amparo.

 

#3: Assumir a própria responsabilidade

É preferível assumir a sua quota parte de responsabilidade em vez de tentar provar que tem razão. Depois de um momento de tensão, este pode ser um passo importante para que o outro também o faça e o conflito seja mais facilmente ultrapassado. Claro que é muito mais fácil dizer do que fazer. Quando assumimos, com humildade, que também errámos ou que não devíamos ter dito algumas coisas, abrimos espaço para o diálogo e para a reaproximação. Mostramos à outra pessoa que a vemos e que nos importamos com o que ela sente.

 

#4: Mostrar desagrado focando-se em situações específicas

Há uma diferença significativa entre fazer uma queixa e fazer uma crítica. Uma queixa é situacional, refere-se a um comportamento e ao impacto que esse comportamento provocou. Uma crítica implica quase sempre uma generalização que acaba por ser sentida como um ataque à personalidade do(a) companheiro(a).


Uma das ferramentas que proponho frequentemente no consultório e que permite que qualquer pessoa manifeste o seu desagrado de forma emocionalmente inteligente é a seguinte:

 

ABC

A – «Quando…» (descrição clara e objetiva da situação/

 comportamento/ episódio)

B - «… eu senti-me» (identificação dos sentimentos)

C - «Preferia que…/ Preciso que…»

(reconhecimento das próprias necessidades).



 

#5: Importância da empatia / esperar o melhor do outro /aceitar a não-intencionalidade de magoar

Antes de fazer qualquer desabafo, é importante tentar colocar-se na posição do outro, reconhecer os desafios que ele(a) enfrenta. O mais provável é que ambos se sintam assoberbados com a multiplicidade de tarefas, especialmente quando há filhos, e que ninguém esteja no seu melhor. O facto de haver erros, equívocos de comunicação ou esquecimentos está longe de querer dizer que a pessoa que está ao seu lado não se importa. Quando começamos por dizer “Eu sei que não fizeste por mal…” ou “Eu sei que estás com muito trabalho…”, mostramos empatia e reconhecimento.

 

#6: A importância dos pequenos gestos de bondade

Diariamente, há pequenas oportunidades para mostrarmos à pessoa que amamos que nos importamos com ela, que a queremos fazer feliz. Quando o(a) deixamos dormir até mais tarde e asseguramos os cuidados às crianças porque sabemos que ele(a) esteve a trabalhar até tarde, quando trazemos do supermercado os miminhos de que ele(a) gosta, quando preparamos uma refeição especial, quando celebramos as suas pequenas conquistas profissionais ou quando o(a) ajudamos na elaboração de um relatório ou na tradução de um trabalho, estamos a encher o mealheiro de afetos.

 

#7: Manter as conversas diárias

O facto de ambos estarem a trabalhar a partir de casa não significa que haja maior disponibilidade para prestar atenção e conhecer as pequenas coisas que mexem com cada um. É importante manter rituais de conversação em que cada um possa desabafar um pouco e os membros do casal possam acalmar-se mutuamente.


As conversas a dois que acontecem habitualmente no final de cada dia são um dos “segredos” dos casais mais felizes. Permitem que cada um se sinta visto, compreendido e amado. São autênticos “calmantes” naturais que nos ajudam a perceber que é ao lado da pessoa que escolhemos que nos sentimos mais relaxados.


Mas é preciso ter atenção ao propósito destas conversas e a tudo aquilo que elas Não são! Estas conversas diárias a dois NÃO servem para falar sobre os problemas da relação.

 

São conversas sobre todas as pequenas e grandes coisas que mexem com cada um dos membros do casal ao longo do dia. São uma espécie de atualização diária a respeito daquilo que vai acontecendo quando, apesar de estarem na mesma casa, não estão a prestar atenção ao outro. A intenção é a de partilhar, acolher, demonstrar interesse, apoiar e incentivar.




This post first appeared on A Psicóloga, please read the originial post: here

Share the post

RELACIONAMENTOS EM TEMPOS DE PANDEMIA

×

Subscribe to A Psicóloga

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×