Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

A omissão nossa de cada dia



A religião cristã não se resume ao cumprimento de algumas normas e preceitos elementares, mas pede de nós que coloquemos, com generosidade, nossos bens a serviço dos irmãos.

Na liturgia da Santa Missa, quando rezamos o ato penitencial, pedimos perdão a Deus por aqueles pecados veniais que cometemos contra os seus Mandamentos — juízos temerários, impaciências, irritações, distrações durante a oração etc. — e também por nossas omissões: verbo, opere et omissióne… Com isso, a Igreja quer recordar os dois aspectos da vida de santidade: um, já sabemos, é o da rejeição ao pecado. O outro, por sua vez, trata da obrigação de colocarmos nossos dons a serviço do bem, como um ato de agradecimento a Deus e de caridade para com nossos irmãos na fé.
Para muitos católicos, a vivência do cristianismo consiste apenas no cumprimento de alguns preceitos, obviamente importantes, como ir à Missa aos domingos, confessar-se, rezar o terço etc. Na famosa parábola dos talentos, porém, Jesus demonstra que a religião cristã vai muito além disso e faz uma advertência contra nossas omissões deliberadas (cf. Mt 25, 14-30).


__________________________


“A omissão é o pecado com que mais facilidade se comete e com mais facilidade se desconhece; e o que facilmente se comete e dificultosamente se conhece, raramente se emenda."
__________________________

Notem que o servo “mau e preguiçoso” não cometeu nenhum ato contra a lei divina. Não matou nem roubou. Em vez disso, guardou o dom que havia recebido de seu patrão e, quando este voltou para pedir-lhe contas, entregou-lhe o mesmo talento como o havia recebido. Ele cumpriu o preceito.
À primeira vista, a atitude desse empregado parece justa e até prudente; afinal de contas, ele protegeu a propriedade de seu senhor contra quaisquer possíveis ataques.
Mas, por outro lado, faltou-lhe a generosidade e a proatividade de seus irmãos que, cultivando aqueles mesmos talentos, multiplicaram os negócios e espalharam o bem, como dizia Santo Tomás de Aquino: bonum est diffusivum sui. A omissão do servo mau é tratada com severidade pelo patrão justamente porque esse servo deixou de multiplicar o bem: “E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.” (Mt 25, 30)
Em nossa vida cotidiana, sofremos a perigosa tentação de acreditar, como acreditou o servo mau, que, para agradar a Deus, basta a rejeição ao pecado e o cumprimento de algumas normas. Frequentamos os sacramentos, guardamos a castidade, não fazemos fofoca, não cobiçamos as coisas alheias etc. Assim aparentamos uma vida de grande piedade cristã sem que notemos a infecundidade dessa mesma vida, que não é gasta pelo bem dos outros.
Daí que Padre Antônio Vieira alerte, em um de seus sermões, para a gravidade das omissões: “A omissão é o pecado com que mais facilidade se comete e com mais facilidade se desconhece; e o que facilmente se comete e dificultosamente se conhece, raramente se emenda. A omissão é um pecado que se faz não fazendo” [1].
Como deve agir, então, a pessoa que não quer pecar por omissão?
Em primeiro lugar, é preciso distinguir bem o que significa omitir-se diante de uma situação e quando isso constitui um pecado, pois há ocasiões em que, de fato, não podemos Fazer nada que esteja a nosso alcance prático real.
É preciso superar a tentação do indiferentismo, este pecado que está profundamente ligado ao bem que deixamos de praticar.
Na carta de São Tiago encontramos a seguinte advertência: “Aquele que souber fazer o bem e não o faz, peca” (4, 17). Vejam, assim, que a omissão somente ocorre quando a pessoa tem condições de fazer algo de bom, mas não o faz por alguma desculpa: medo, preguiça, indiferença… Por conseguinte, o primeiro passo no combate aos pecados de omissão é o de reconhecer nossos dons e limitações para que, no momento oportuno, estejamos preparados para agir generosamente ou limitarmo-nos a rezar em silêncio, o que já constitui um grande ato de caridade.
Com efeito, é preciso superar a tentação do indiferentismo, este pecado que está profundamente ligado ao bem que deixamos de praticar. Segundo uma lógica da obrigatoriedade, somos levados a cumprir apenas o que manda a regra do bom mocismo e da etiqueta. Tudo o que foge disso, porém, é tratado como coisa secundária, indiferente, que pode ser deixada para depois.
Em um livro seu sobre as omissões, o Padre Luiz Fernando Cintra adverte justamente contra esse comportamento, recordando a quem deseja uma vida cristã coerente que
A luta em geral não consiste numa escolha constante entre o bem e o mal, mas entre a generosidade e a falta de generosidade, entre fazer o bem completo, ou só parte dele, omitindo o que não é “obrigatório”, como se o cristianismo fosse um salário mínimo. [2]
Quando na direção espiritual algumas pessoas me perguntam como podem ser mais generosas e evitar os pecados de omissão, costumo lhes sugerir que encarem a questão de outra maneira. Em vez de repassarem os mandamentos de memória (embora às vezes não sejam capazes de enumerar todos os dez mandamentos da lei de Deus e muito menos os da Igreja), a fim de descobrir no que ficaram devendo, proponho imaginarem o que Jesus faria no seu lugar: como Ele cuidaria das minhas obrigações, como Ele trataria os meus familiares, como Ele cumpriria as minhas obrigações religiosas, como Ele pensaria sobre as pessoas que estão à minha volta, como Ele falaria delas, como Ele ajudaria as pessoas necessitadas… E então aparecem, “como num passe de mágica”, uma enorme quantidade de coisas que se poderiam fazer muito melhor! São as omissões que vêm à luz. [3]
Como remédio para o pecado de omissão, Padre Cintra aconselha-nos a colocarmo-nos no lugar de Jesus para descobrirmos o que Ele faria em determinada situação:
A vigilância contra os pecados de omissão serve, sobretudo, para o cuidado com os irmãos, pois, quando nos omitimos diante da fragilidade de alguém, recusando-nos a ajudá-lo, colocamos em risco a salvação dessa pessoa.
Na Quaresma de 2012, o então Papa Bento XVI dedicou sua tradicional mensagem justamente ao tema da “correção fraterna”, que é uma das coisas mais negligenciadas entre os cristãos nos dias de hoje. No texto, o Papa recordava as recomendações da Carta aos Hebreus, para que “prestemos atenção uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras” (10, 24), como forma de combater a atitude que, com frequência, prevalece em nossa sociedade: “a indiferença, o desinteresse, que nascem do egoísmo, mascarado por uma aparência de respeito pela ‘esfera privada’” [4].
A omissão nossa de cada dia, atenção, pode acabar levando muitas almas ao inferno. Fujamos, portanto, desse perigoso pecado e aprendamos a fazer o bem em todas as circunstâncias de nossas vidas.
Artigo retirado do site Christo Nihil Praeponere (8 de outubro de 2017)


This post first appeared on Lov. TBT, please read the originial post: here

Share the post

A omissão nossa de cada dia

×

Subscribe to Lov. Tbt

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×