Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

No ritmo atual, meta de eliminação da aids até 2030 não deve ser cumprida

Relatório divulgado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) indica, pela primeira vez, que as metas globais para eliminação da aids até 2030 correm o risco de não ser cumpridas. O documento veio à tona na 22ª Conferência Internacional de Aids, que está ocorrendo em Amsterdã, na Holanda. O encontro é considerado o maior do mundo sobre o tema.

De acordo com o relatório, intitulado Um Longo Caminho a Percorrer, a resposta ao vírus HIV encontra-se em um ponto delicado e o ritmo do progresso não está em linha com a ambição global.

O número de novas infecções por HIV, por exemplo, está aumentando em cerca de 50 países. Mais: os novos casos de infecção pelo vírus caíram apenas 18% nos últimos sete anos aro redor de globo – de 2,2 milhões em 2010 para 1,8 milhão em 2017. Embora represente quase a metade do total registrado durante o pico da doença, em 1996 (3,4 milhões), o declínio, segundo o Unaids, não é rápido o suficiente.

O objetivo inicial era o de que, em 2020, não mais que 500 mil pessoas adquirissem o HIV.

Posição realista é elogiada

Por meio de nota, a Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia) avaliou que o órgão das Nações Unidas acertou ao assumir uma posição mais realista sobre a epidemia da doença no mundo. “Desde 2015, ao lado de outras organizações no Brasil e no mundo, a Abia alerta para os números alarmantes da epidemia em expansão e para as barreiras estruturais que impedem o acesso ao tratamento e à prevenção de milhões de pessoas no mundo.”

Para a Abia, o cenário traçado pelo relatório é resultado da inércia dos países e de seus governantes no desenvolvimento de políticas e ações em saúde pública. Entre os fatores que mais têm influenciado negativamente na resposta à epidemia, segundo a entidade, está o contexto social conservador, que alimenta a violência estrutural e dificulta a prevenção nas populações mais vulneráveis. A instituição ainda aponta falhas no abastecimento, que têm colocado em risco a sustentabilidade do acesso à antirretrovirais e favorecido o abandono no tratamento, como outro motivo para a demora nos avanços.

Veja também
  • MedicinaA aids ainda mata — principalmente se o diagnóstico for tardio10 jan 2017 – 18h01
  • MedicinaHomens jovens ou homossexuais ainda são as grandes vítimas do HIV15 dez 2017 – 10h12

E as crianças com HIV?

O relatório da Unaids também mostra que as novas infecções na infâncoia diminuíram apenas 8% nos últimos dois anos. Só 52% de todas as crianças que vivem com o vírus estão recebendo tratamento, enquanto 110 mil morreram por doenças relacionadas à aids em 2017.

Embora 80% das mulheres grávidas vivendo com HIV tenham acesso a medicamentos antirretrovirais para prevenir a transmissão do HIV, no ano passado, 180 mil pequenos foram infectados pelo vírus durante o parto ou a amamentação — longe da meta de menos de 40 mil até o final de 2018.

Conteúdo adaptado da Agência Brasil.

Por: saude.abril.com.br



This post first appeared on Blog Amazônia, please read the originial post: here

Share the post

No ritmo atual, meta de eliminação da aids até 2030 não deve ser cumprida

×

Subscribe to Blog Amazônia

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×