Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Desânimo com Previdência persiste no pós-Lula

Por Josue Leonel com a colaboração de Vinícius Andrade, Patricia Lara e Felipe Saturnino..

A condenação do ex-presidente Lula é insuficiente para melhorar as expectativas de aprovação da mudança na Previdência, Ainda que a decisão do TRF4 possa ajudar a enfraquecer a oposição e favorecer um candidato alinhado ao governo nas eleições. Analistas continuam céticos, embora admita-se que o esforço mais recente do presidente Michel Temer pode gerar alguma melhora pontual nas perspectivas para a Reforma.

A condenação de Lula pode enfraquecer a esquerda e ampliar as chances de um candidato de centro vencer a eleição presidencial, mas tem pouco efeito sobre as chances da reforma, diz Lucas de Aragão, analista político e sócio da Arko Advice. “A reforma nunca deixou de andar devido à oposição, mas sim pela falta de união da base governista.”
Para o analista, o nível de compreensão da reforma entre deputados aumentou, mas ainda assim há muita “resistência corporativista” e receio de votar a favor da mudança em ano eleitoral.

Aragão não vê mudança substancial no cenário para a reforma, que continuaria com 40 votos a menos que os 308 necessários, mas reconhece alguns avanços circunstanciais. Uma essas mudanças ”subjetivas” seria o fato de novos líderes da Câmara este ano serem mais favoráveis à reforma do que os do ano passado. Além disso, a bateria de entrevistas do presidente e as campanhas publicitárias defendendo mudança na Previdência podem ter efeito positivo.

O déficit da Previdência de 2017 subiu para um valor recorde de R$ 268,8 bilhões, informou o governo no dia 22. O rombo é visto como um dos principais fatores que pressionam a dívida pública. O atraso de reformas para reduzir as despesas públicas foi uma das razões citadas pela S&P Global Ratings ao cortar neste ano nota do Brasil para três degraus abaixo do grau de investimento, que o país já havia perdido no governo Dilma, em 2015.

Entre analistas do mercado, além do ceticismo com as chances ainda baixas da reforma, há dúvidas sobre a possibilidade de o governo enxugar ainda mais o texto da proposta, para vencer resistências na Câmara em um ano eleitoral. A reforma já foi “muito esvaziada” e, se for desidratada ainda mais, terá pouco efeito no mercado mesmo que seja aprovada, diz Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets. “O cenário pós-Lula melhora, mas o mercado não está precificando a aprovação.”

Para Rafael Ihara, economista da Ethica Asset, a esperança de uma reforma ainda este ano é mais desejo do que realidade, pois o governo não tem os 208 votos necessários. “A realidade é que falta voto e o assunto deve ficar para 2019.”

Ceticismo à parte, a demonstração de força política que Temer já deu na aprovação de outras medidas, como o teto dos gastos e a reforma trabalhista, leva o mercado a não descartar complemente as chances sobre a Previdência. “A situação fiscal continua desafiadora e as chances da reforma são bastante baixas, mas não zero”, diz Andres Abadia, economista-sênior da Pantheon Macroeconomics. “A administração Temer tem surpreendido positivamente o mercado no front das reformas, e, portanto, nós não vemos nenhuma razão para descartar complemente o cenário.”

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional.

Bloomberg Brasil



This post first appeared on Blog Amazônia, please read the originial post: here

Share the post

Desânimo com Previdência persiste no pós-Lula

×

Subscribe to Blog Amazônia

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×