Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Projeto do ACNUR ajuda refugiados a trabalhar na agricultura

20.2016.10_Chad02
Mulheres refugiadas e anfitriões do Chade trabalhando na plantação. Foto: ACNUR / Ibrahima Diane

Mulheres refugiadas e anfitriões do Chade trabalhando na plantação. Foto: ACNUR / Ibrahima Diane

Em um campo verde repleto de hortaliças numa aldeia ao leste do Chade, Achta Abdallah Biney retira ervas daninhas da plantação e colhe os melhores nabos para vender no mercado no dia seguinte. Ela fugiu do Sudão e hoje integra um grupo de 500 pessoas – entre Refugiados e moradores – que juntos cultivam um lote de terra. Todos fazem parte de um projeto que promove a integração dos refugiados em comunidades anfitriãs e oferece às mulheres maior independência financeira.

O programa Seeds for Solutions (Sementes para Soluções, tradução livre) foi desenvolvido pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em parceria com a Federação Luterana Mundial (LWF). O projeto ajuda agricultores a encontrar terras e oferece ferramentas, sementes e orientações que permitem a produção para a subsistência e para venda em mercados.

Biney 37 anos e cinco filhos e fugiu de sua aldeia na região ocidental de Darfur, no Sudão, para o vizinho Chade em 2003, no início dos combates no país. Viveu em um campo de refugiados perto de Goz Beida antes de integrar o projeto do ACNUR.

Em companhia dos filhos e da mãe idosa, Biney mudou-se para a aldeia Koutoufou em 2011 com o objetivo de plantar, colher e sustentar a família. Ela recebeu um pedaço de terra em um campo de 25 hectares, além de ferramentas e sementes para que pudesse iniciar as atividades.

Hoje, ela está bem estabelecida como um dos 462 agricultores – sendo a maioria mulheres e 243 refugiados sudaneses – que fazem parte do programa Seeds for Solutions em Koutoufou. Muitas das mulheres são analfabetas e teriam pouco controle sobre as despesas domésticas, mas agora isso está mudando. “Com estes vegetais, eu estou no comando e decido o que fazer com a renda”, diz Biney.

“Eu quero que os meus filhos cheguem à universidade ou pelo menos aprendam uma profissão e consigam um emprego para se sustentarem”, afirma Biney. “Com a pequena quantia de dinheiro que ganho com a venda de parte da colheita, eu consigo cuidar deles e eles ficam livres para se dedicarem a seus estudos”.

O projeto promove autonomia e autossuficiência já ajudou mais de cinco mil refugiados e três mil chadianos somente na região de Goz Beida, onde foram adquiridos mais de 10 mil hectares de terras agrícolas. Por meio de energia solar, a água é retirada de poços e distribuída. Uma equipe especializada da LWF visita regularmente as fazendas para prestar assistência técnica.

Em Koutoufou, a colheita deste ano gerou uma receita de cerca de dólares, proveniente da venda de 70% dos 13.700 quilos de hortaliças produzidas. Os agricultores levaram o restante para casa a fim de complementar as refeições diárias.

O projeto Seeds for Solutions ajuda a enfrentar a situação prolongada de refúgio que prevalece no leste do Chade, diz Peggy Pentshi-a-Maneng, chefe do escritório do ACNUR em Goz Beida, lar de 62 mil dos cerca de 312 mil refugiados sudaneses que estão no país.

Ela explica que o envolvimento dos moradores locais no projeto de agricultura fortalece a convivência pacífica entre as duas comunidades, tornando esta “uma das melhores soluções para os refugiados sem a possibilidade de retorno digno e imediato para Darfur”. 

O programa tem se mostrado tão bem-sucedido que os homens, inicialmente contra a ideia da agricultura, agora estão ao lado das esposas e irmãs nos campos. “O sucesso está atraindo mais homens que inicialmente se recusaram a participar do projeto, alegando que se tratava de trabalho de mulher”, diz Urbain Maihoudjim, supervisor de agricultura do LWF.


ONU Brasil



This post first appeared on Blog Amazônia, please read the originial post: here

Share the post

Projeto do ACNUR ajuda refugiados a trabalhar na agricultura

×

Subscribe to Blog Amazônia

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×