Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

100 Melhores Personagens de Séries - Nº 40



Série: Dexter
Actor: Michael C. Hall


por Lorena Wildering


Tonight’s the night.

    “Dexter” é aquele tipo de séries que nos deixa um pouco desconfortáveis. Porquê? Porque nos vemos a apoiar e torcer pela personagem que dá nome à série. E não haveria qualquer problema em relação a isso, se Dexter Morgan não fosse... um serial killer.
    Dexter Morgan (Michael C. Hall) é um analista forense no Departamento Policial Miami-Metro, especialista em analisar padrões de sangue. Tem uma irmã adoptiva, Debra (Jennifer Carpenter), detective no mesmo departamento e com a habilidade de conseguir dizer uma asneira a cada duas palavras. Embora se distancie emocionalmente do resto da humanidade e se prive de sentimentos amorosos ou interesse sexual, tem uma namorada, Rita, que também evita este último por ter sido vítima de um casamento abusivo. Tudo para manter o seu hobby um secredo.

    Mas Dexter não é um assassino em série qualquer e por isso é que é tão difícil não torcer por ele. Tem um código moral muito estrito imposto pelo pai adoptivo, Harry Morgan. Quando descobre que Dexter matou animais de estimação dos vizinhos, motivado pela sua voz interior, o “Dark Passenger”, apercebe-se de que o filho é um psicopata com uma enorme sede de matar. Decide canalizar as suas vontades assassinas numa direcção positiva, incentivando-o a matar apenas pessoas que cometeram um crime e escaparam à justiça e que, portanto, merecem.
    Sendo ele próprio um detective no Departamento Policial de Miami-Metro, Harry ensina Dexter a ser cuidadoso e meticuloso no seu modus operandi. Anos depois, já sem Harry fisicamente por perto depois de morrer quando Dexter tinha 20 anos, tornou-se num ritual: 1) prepara um local resguardado e com relevância simbólica para a vítima e forra tudo com lençóis de plástico; 2) aproxima-se dela por trás e injecta-lhe um tranquilizador animal; 3) a vítima acorda nua e presa por uma película de plástico e fita cola; 4) Dexter confronta-a com um resumo dos seus crimes; 5) dá um golpe fatal com uma de várias armas; 6) desmembra o corpo, embrulha-o em sacos de lixo e larga-os no meio do oceano depois de um passeio no seu barco (de nada pela checklist). Guarda sempre lamelas com uma gota de sangue das vítimas como “troféu”, organizadas numa caixa, guardada dentro do ar condicionado do seu apartamento.

    Ao longo de 8 temporadas, este anti-herói prendeu-nos ao ecrã em jogos de gato e rato com personagens assustadoras como Ice Truck Killer (o próprio irmão que desconhecia existir, também ele assassino em série…), Trinity Killer (que mata Rita, já esposa de Dexter, na banheira da sua casa, deixando o filho Harrison numa poça de sangue, espelhando o trauma de infância de Dexter quando a sua própria mãe foi assassinada); e Doomsday Killer (um fanático religioso que Dexter acaba por matar numa igreja, não sem antes ser finalmente descoberto por Debra).

    Na sétima temporada, uma das vítimas de Dexter é Hannah McKay, uma envenenadora em série que em adolescente arrancou pelo país fora com o então namorado numa farra de assassinatos. Dexter prepara todo o seu ritual para matá-la, mas pára quando percebe que Hannah não tem medo dele. Sentem-se atraídos um pelo outro e Dexter acaba por se apaixonar por ela. Enquanto se prepara para matar outro homicida, o “Neurocirurgião”, que remove parte do cérebro das suas vítimas, Dexter apercebe-se de que o seu amor por Hannah é mais forte do que a sua necessidade de matar. Poupa-lhe a vida, chama Debra para o prender e despede-se dela, com a intenção de fugir com Hannah e o filho para a Argentina. É aí que o assassino escapa e dispara em direcção a Debra, que acaba por resultar num dos momentos mais dolorosos de toda a série: quando Dexter descobre, corre para o hospital e Debra acaba por ficar em estado vegetativo. Destroçado, percebendo que vai sempre destruir aqueles que ama, desliga as máquinas de suporte de vida e atira ao mar o corpo da própria irmã, uma das suas vítimas colaterais, e motivo pelo qual simula a sua morte no meio de um furacão e recomeça uma nova vida sozinho… como lenhador.
    No meio de outras personagens como o latino Ángel Batista, o mulherengo Vince Masuka e o “surprise, motherfucker James Doakes, Dexter é o anti-herói perfeito, e Michael C. Hall é também ele perfeito em conseguir fazer-nos torcer para que os bons da fita continuem sem desconfiar de nada, enquanto nos faz gostar de um assassino que quer fazer justiça pelas próprias mãos. Quem nunca?        
                    
← Anterior (41)                               

Nota Editorial: A compilação/ organização e ordem das personagens deste Top é responsabilidade de Miguel Pontares e Tiago Moreira. Os textos tiveram a colaboração de Lorena Wildering, Nuno Cunha, Cê e SWP.
Foram tidos em consideração séries com pelo menos 1 temporada, concluída a 1 de Outubro de 2015. Mais informamos que poderão existir spoilers relativos às personagens e/ ou às séries que elas integram, passíveis de constar na defesa e caracterização de cada uma das 100 personagens.


This post first appeared on Barba Por Fazer, please read the originial post: here

Share the post

100 Melhores Personagens de Séries - Nº 40

×

Subscribe to Barba Por Fazer

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×