Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Caminhando sobre as águas

caminhar sobre as águas

por Akrura Bogéa

Hoje contarei para vocês, a história do jovem Yogod de dezesseis anos, que morava com a sua avó, às margens de um rio grande. Quase todos os dias, o jovem atravessava o rio, com o barqueiro Nandika que era amigo família. Assim, comprava alguns mantimentos, do outro lado do rio, onde havia um pequeno comércio. Numa dessas travessias, ouviu falar que em frente à sua casa, do outro lado do rio, tinha um Yogue praticando austeridade e se dedicando a práticas espirituais avançadas. Yogod sabia muito bem, que se ele pudesse ajudar o tal yogue, ele seria muito abençoado. Mas, como? Depois de muito pensar numa forma de ajudar o yogue, resolveu levar um litro de leite. Naquele dia Yogod acorda às seis da manhã, depois de ordenhar a vaca, pegar uma carona com o canoeiro, finalmente chega ao local onde o yogue se encontra às nove da manhã. O ancião está na sua prática de meditação, num lugar deserto, sob uma grande amendoeira, quando ele chega, pisando com cuidado para não perturbar o praticante, aguarda silencioso, e conclui que se aquele homem ainda não realizou Deus, está muito próximo. Yogod fica encantado, com aquela visão do yogue meditando, parece que o tempo parou e que tudo se elevou, até mesmo os pássaros estavam em silêncio, O jovem Yogod podia ouvir uma folha caindo, enquanto admirava a serenidade, a paz e a beatitude, que aquele ser irradiava para ele em silêncio. Yogod se sente grato por estar no lugar certo, na hora certa, a serviço de alguém que se dedica à espiritualidade. O yogue abre seus olhos brilhantes de luz, Yogod se curva respeitoso e oferece o que trouxera para o yogue, um litro de leite e seu próprio coração pleno de amor e gratidão.

O yogue olha para o jovem, que fica paralisado com aquele que poderia ser um simples olhar, ele não saberia dizer, o que tinha de diferente nos olhos do yogue. As palavras não alcançam, o entendimento e a definição de determinadas experiências. Ao final desse primeiro encontro auspicioso, Yogod sai saltitando de volta para a sua casa, cantarolando, assobiando e rindo á toa Aquele parecia ser o dia mais feliz de sua vida. Tudo fluiu na mais perfeita harmonia, Yogod estava em paz consigo e com o mundo… quando vai dormir, agradece por aquele dia maravilhoso, que começou com o encontro inusitado.

-Amanhã, acordarei mais cedo para não perturbar a meditação do meu mestre… do meu mestre? Ele só me olhou, nada falou comigo… já estou eu dizendo que ele é o meu mestre… por que não? Devo ter aprendido muitas coisas no mundo interior, naqueles poucos momentos de silêncio… com aquele olhar especial que ele dirigiu para mim. Yogod pega no sono e no dia seguinte está de pé às quatro da manhã.

Ordenha a vaca, corre para pegar o pequeno barco do Nandika, corre até o destino onde se encontra o yogue e chega lá às sete horas em ponto. Percebe que o santo já está em meditação profunda. Yogod senta-se em silêncio, aguarda, até que o yogue volte para o seu estado de consciência ordinário… o Yogue aceita a oferenda do jovem, e faz um delicado sinal despedindo-se. O jovem rapaz se sente cada vez mais feliz, mais em paz, mais conectado com aquele yogue silencioso, que transmitia muito sem a necessidade de palavras. Estava deveras orgulhoso espiritualmente, pelo serviço, já que no seu entendimento, ao servir um buscador de Deus estava servindo ao próprio criador o Supremo. Todos percebiam a mudança, Yogod andava com um lindo sorriso estampado no rosto, um sorriso fácil, relaxado, saltitante, levando aquela luz e alegria por onde ia.

Yogod tinha certeza de que o Yogue estava muito satisfeito com ele, com a sua oferenda, ainda que ele não tenha falado ou feito qualquer comentário, a esse respeito. Depois de algum tempo nessa rotina de acordar entre quatro e cinco da manhã, ordenhar a vaca, pegar o barco, chegar ao yogue meditando às sete… o homem santo, num belo dia resolve dirigir-lhe a palavra:

-Você não pode chegar mais cedo? Às seis? Indaga o Yogue e o jovem estremece.

Yogod, meio que nervoso, responde que não é possível, já que o barqueiro começa a fazer a travessia às seis da manhã. Diz que pega o primeiro horário de travessia para estar ali diariamente às sete… não estou reclamando, só estou querendo mostrar ao Senhor que não estou sendo negligente e nem letárgico… que se dependesse de mim claro que eu chegaria às seis com o maior prazer.

-Então, a partir de amanhã, você não precisa mais trazer o leite. Diz o Yogue muito tranquilo. E o mundo do jovem Yogod desaba com a frase que acabara de ouvir.

-Mas, por que mestre, não faça isso comigo, eu trago o seu leite com tanto prazer e alegria, Eu gosto e eu estou muito feliz em servi-lo, não faça isso por favor, esse leite é puro, fresquinho.

-Não se trata disso, interrompe o yogue. Quando você chega aqui, que nem sempre é no mesmo horário, já estou meditando… isso perturba um pouco a minha prática, como você pode ver, ainda não estou tão evoluído assim, a ponto de a sua presença não trazer perturbações. Faz-se um silêncio e pode-se sentir a tristeza que toma conta do coração de Yogod, que se pergunta em voz alta:

-E agora, o que será de mim? Tem que haver um meio, o Sr. é um homem sábio, sei que pode me ajudar, como faço para chegar aqui às seis? Implora Yogod. – Diga-me, que em obediência eu o farei.

-Parece-me que o que impede você de chegar aqui às seis da manhã, é a sua travessia do rio, você depende do barqueiro e ele só começa a travessia no horário que você deveria chegar aqui. Você tem mesmo que depender do barqueiro? Pondera o ancião.

-Ora mestre, como posso atravessar o rio sem barco? Isso é impossível! O barqueiro não começará a travessia mais cedo, só porque quero lhe trazer um litro de leite. Me desculpe! Pede Yogod meio que desesperado e impaciente.

-Talvez seja possível. -diz o yogue.

-Como? Do que o Senhor está falando? Quer saber Yogod.

-Venha andando sobre as águas! Diz o yogue enfático.

-O quê? Mas eu posso? Duvida Yogod.

-Para aqueles que creem, nada é impossível! -Se você tiver fé plena, inabalável, você conseguirá andar sobre as águas. Todos sabemos que o mestre Jesus o fez. Garante o yogue.

Yogod vai embora naquela manhã muito triste e pensativo. No dia seguinte, Yogod chega às seis da manhã em ponto, ele então percebe que o yogue fica bastante satisfeito…nos dias que se seguem, Yogod sempre pontual…até que um dia….O yogue resolve dar o ar da graça da sua voz novamente:

-Você resolveu seu problema com o barqueiro? Pergunta o Yogue.

-Não. Diz Yogod encabulada. -Eu tenho vindo andando sobre as águas do rio, conforme o senhor mesmo sugeriu… mas ainda estou me acostumando com a ideia é um segredo, ninguém sabe que faço isso, venho da minha casa por uma trilha até o rio, um pouco acima daqui, sempre tomando cuidado para que ninguém me veja. Quer saber? -É muito bom andar sobre as águas, chegar aqui no horário combinado e vê-lo satisfeito comigo. Complementa Yogod sorridente.

-Posso saber como você faz isso? Pergunta o yogue admirado e meio incrédulo.

-Como o Sr. sugeriu, fé plena e inabalável, lembra? Consegui na minha primeira tentativa e jamais fraquejei na minha confiança e fé nos seus ensinamentos. Diz Yogod.

O mestre põe suas vestes, uma espécie de dote (túnica branca e fina), uma sandália simples e pede para Yogod lhe mostrar esse grande feito. No caminho para o rio, o velho yogue confessa que embora soubesse, que andar sobre as águas é possível, ele mesmo, jamais havia tentado.

-Isso não vai ser nenhum problema, eu mesmo lhe mostrarei como se faz….Diz Yogod muito tranquilo e confiante.

O jovem Yogod e o yogue chegam a beira do rio, o rapaz começa a andar sobre as águas com desenvoltura, enquanto o yogue enfia seus pés na água e diz:

-Eu não consigo! Veja, Eu estou afundando… segurando os chinelos numa das mãos e levantando a túnica com a outra.

– Yogod começa a rir daquela cena do pobre yogue afundando… você consegue! Mas, tem que ter plena fé e confiança. Não pode levantar a túnica para não molhá-la como o sr. fez e nem pode tirar as sandálias dos pés.

Bem, essa é mais uma história de autotranscendência e superação. Onde o mestre é superado por seu discípulo, que com a sua fé e vontade de servir, opera milagres. O yogue por sua vez, fica muito feliz com o seu discípulo, que na sua obediência o supera.



This post first appeared on Cursos De Meditação - Rio De Janeiro E Niterói, please read the originial post: here

Share the post

Caminhando sobre as águas

×

Subscribe to Cursos De Meditação - Rio De Janeiro E Niterói

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×