Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

H3N2 x COVID-19: veja as diferenças entre as doenças virais

H3N2 x COVID-19: veja as diferenças entre as doenças virais

Em meio à queda dos casos de coronavírus no Brasil e à monitoração da nova cepa Ômicron, um aumento repentino nos casos de gripe tem alarmado a população e as autoridades sanitárias do país. Esse novo surto da doença, causada pelo vírus Influenza, preocupa pela rapidez com que se espalha e também pela gravidade, provocando mortes em alguns estados.

Diante disso, os centros de pesquisa Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Instituto Adolfo Lutz e o Instituto Evandro Chagas estão fazendo a vigilância das atuais ocorrências da doença, causada pela variante H3N2 - também batizada de Darwin, em referência à cidade em que foi sequenciada, na Austrália.

Embora seja uma cepa diferente, os Sintomas provocados por ela são os mesmos da gripe comum. Por consequência, a doença pode ser facilmente confundida com outras síndromes respiratórias, principalmente a COVID-19, que ainda está em status de pandemia ativa. Portanto, saiba como diferenciar os dois quadros:

COVID-19 ou H3N2: como diferenciar?

Em termos de manifestações clínicas, tanto o H3N2 quanto o coronavírus podem apresentar sintomas semelhantes em vários aspectos, como febre, mal-estar, fraqueza muscular (astenia) e dor de cabeça.

"Nesses casos, é muito difícil distinguir o agente etiológico apenas pela história e pelo exame físico. O recomendado é isolar o paciente imediatamente, independentemente do vírus", explica Gabriel Garcez, diretor médico do Grupo Conexa.

A falta de ar, segundo Garcez, pode se dar apenas por congestão nasal ou por complicações do sistema respiratório, tais como pneumonia bacteriana e agravamento de asma.

A velocidade da transmissão também é um importante ponto de diferenciação entre os dois vírus. Em casos de influenza, os sintomas são mais intensos nas primeiras 48 horas. Já o coronavírus apresenta sintomas mais intensos a partir do 5º ou 6º dia de infecção.

Além desses pontos, a perda do paladar e/ou do olfato é um sintoma exclusivo do SARS-CoV-2. Esses sinais são mais característicos na cepa original da COVID-19 e também da variante Delta. Compare a seguir os principais sintomas de cada doença:

Gripe H3N2

  • Tosse
  • Forte dor de garganta
  • Coriza ou nariz congestionado
  • Dor de cabeça e dores no corpo
  • Febre
  • Fadiga
  • Diarreia.   

COVID-19

  • Febre
  • Tosse seca
  • Dificuldade para respirar ou falta de ar
  • Coriza
  • Dor de garganta
  • Perda de olfato e/ou de paladar
  • Dor de cabeça
  • Cansaço
  • Náusea, vômitos e diarreia
  • Diminuição do apetite. 

De acordo com Carlos Machado, clínico geral e especialista em Medicina Geral Preventiva e do Envelhecimento, os vírus da família HN (Influenza) são agentes que atacam o pulmão, ao invés do organismo como um todo - que é o que ocorre em casos de infecção pelo coronavírus.

"Os coronavírus [...] são muito mais graves, porque eles comprometem o corpo inteiro. Você tem uma infecção respiratória e também uma infecção que provoca trombose no sangue, miocardite, encefalite, ou seja, provoca muitas lesões em todos os órgãos. Então, o coronavírus é muito mais agressivo e muito mais contagioso [que o vírus Influenza]", esclarece o especialista.

H3N2 em crianças

De acordo com o médico Gabriel Garcez, diferente do que acontece na COVID-19, crianças são consideradas grupo de risco para a infecção por Influenza A e podem evoluir com quadros clínicos mais graves. "Uma das explicações para isso é a complicação comum para otites e sinusites bacterianas", explica.

Ainda segundo o especialista, não é raro crianças apresentarem também bronquiolite, uma infecção pulmonar viral que provoca a inflamação das vias aéreas mais estreitas do pulmão, e pode levar a internações.

Vacina da gripe protege contra o vírus H3N2?

Por conta da facilidade de transmissão dos vírus da gripe, é importante seguir uma série de cuidados para se proteger da doença, o que, eventualmente, inclui tomar a vacina contra a gripe. Porém, de acordo com um estudo realizado pela Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, os imunizantes disponíveis não protegem contra a variante Darwin.

Em uma entrevista, Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde de São Paulo, esclareceu que as vacinas aplicadas até então no Estado foram para enfrentar especificamente o vírus H1N1 e, por isso, a cepa H3N2 exigiria outro imunizante.

Alguns especialistas acreditam que as vacinas possam ter certo grau de efetividade contra a variante. Entretanto, a tática de combater uma cepa nova com um imunizante já existente, chamada de proteção cruzada, costuma apresentar um nível de efetividade baixo.

Em função disso, é importante adotar algumas atitudes que podem prevenir contra o H3N2 - e que não fogem do que é recomendado também para a pandemia de COVID-19, como distanciamento social, higiene constante das mãos, uso de máscaras e evitar ambientes pequenos e mal ventilados. Mais importante que o tratamento é a prevenção. 

De: Minha Vida



This post first appeared on Blog Do Paulo Rocha, please read the originial post: here

Share the post

H3N2 x COVID-19: veja as diferenças entre as doenças virais

×

Subscribe to Blog Do Paulo Rocha

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×