Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Google, Facebook e Twitter deixam de ser plataformas de liberdade de expressão e passam a adotar censura de acordo com documento do Google

Pessoas passam por um prédio de escritórios do Google em Nova York, em 30 de dezembro de 2017



Epoch Times, 11 de outubro de 2018 



Por Petr Svab 



O documento diz que as empresas atenderam os pedidos de usuários, governos e anunciantes que exigem maior censura

Grandes plataformas on-line incluindo Google, YouTube, Facebook e Twitter, mudaram seus princípios que anteriormente eram focados na proteção da liberdade de expressão “para a censura e moderação”, de acordo com um documento de pesquisa do Google que vazou para a Breitbart.

O documento, intitulado “The Good Censor”, argumenta que as plataformas se fixaram entre duas posições incompatíveis: “Criar mercados de ideias não mediados” e “criar espaços bem ordenados para segurança e civilidade”.


Embora as plataformas já tivessem ficado do lado da primeira posição anteriormente, elas agora mudaram seus descritores que eram “neutro”, “agregador” e “plataforma” para “politizado”, “editor” e “publicador”. No entanto, as empresas resistiram à designação de “editor” porque isso as tornaria legalmente responsáveis ​​pelo conteúdo enviado pelo usuário.

O documento diz que as empresas atenderam os pedidos de usuários, governos e anunciantes que exigem maior censura.

Liberdade de expressão como princípio “utópico”?

O documento pinta os usuários da internet como um grupo que geralmente se comporta mal e exige mais censura e controle do governo. Embora possa ser que os usuários mal-comportados não sejam agrupados com aqueles que exigem censura, o documento não faz essa distinção. O documento reconhece que há também um grupo que não concorda com a censura mas usa apenas as expressões de “tweeters controversos” e membros da “extrema direita” como exemplos. Apoiantes bem comportados da liberdade de expressão com opiniões moderadas parecem ausentes da análise.

Em vez disso, os pesquisadores retratam a ideia de princípios da liberdade de expressão on-line como “utópicos”, dizendo que a liberdade de expressão “se torna uma arma social, econômica e política” nas mãos de “bots”, trolls e “usuários sem rosto”.

Duas maneiras de agir

As empresas de tecnologia parecem estar se afastando do objetivo de facilitar um ambiente para a livre troca de ideias, em troca de um ambiente considerado “seguro”.

“Precisamos continuar a melhorar nosso serviço para que todos se sintam seguros participando da conversa pública, seja falando ou simplesmente ouvindo”, disse Jack Dorsey, CEO do Twitter, em seu depoimento escrito no congresso do dia 5 de setembro.

A liberdade de expressão, por outro lado, exige que as pessoas estejam dispostas a suportar ofensas e desconforto, em troca de um discurso aberto e honesto.

“O único princípio que posso imaginar funcionando é o de que… ‘dano’ seja interpretado como lesão física ou comercial, mas que exclua ofensa pessoal, religiosa ou ideológica”, escreveu Jason Pontin, ex-editor-chefe e editor do MIT Technology Review em um ensaio de 2013 sobre liberdade de expressão na internet.

Plataformas on-line parecem estar buscando o tipo de credibilidade que os pontos de venda possuem.

“Precisamos garantir que as pessoas possam confiar na credibilidade da conversa e de seus participantes”, disse Dorsey.

O documento também observou que os usuários têm “problemas de confiança” com plataformas digitais “implicadas na disseminação de ‘notícias falsas’”.

No entanto, as plataformas on-line lucram com o conteúdo gratuito enviado pelo usuário que nunca teve a intenção de depender dela ou de ser investigado da mesma maneira que a mídia tradicional.

Se as empresas adotarem o processo editorial que aumenta a credibilidade da mídia tradicional, elas provavelmente perderão as proteções nos termos da Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações, que fornece ampla imunidade legal em relação ao conteúdo postado pelos usuários das plataformas. De algum modo, as empresas já começaram a agir.

O Twitter está suprimindo os resultados de pesquisa para conteúdo que considera “de baixa qualidade”.

O YouTube e o Google News estão discriminando a favor dos veículos de notícias selecionados que eles consideram mais “autoritários”, dos quais a maioria é de esquerda.

Exija civilidade, ofereça transparência

O documento do Google recomenda que a empresa seja aberta sobre o quanto censura e que informe os usuários quando eles mudam para menos ou mais censura.

“Deslocar cega ou silenciosamente em uma direção ou outra incita a fúria dos usuários com razão”, afirma.

Ele recomenda que o Google “evite tomar partido” e reforce a censura, independentemente da política – uma posição que os gigantes da tecnologia já alegam ter adotado mas que dificilmente é colocada em prática.

O documento também recomenda policiar o “tom”, em vez do conteúdo. “As pessoas estão pedindo para você supervisionar espaços seguros que ainda estimulam o debate”, afirma.

No entanto, ele não aborda situações em que as pessoas expressam educadamente pontos de vista que os outros acham ofensivos e desconfortáveis.

O documento também sugere que o Google explique melhor o uso da censura e que seja mais sensível às reclamações das pessoas. Além disso, o documento argumenta que o Google deveria explicar como quer que as pessoas se comportem.

Facebook, Twitter e Google “não fizeram o que qualquer outra empresa de hospitalidade faz quando diz: ‘Nós somos esse tipo de lugar, esse é o tipo de discurso que gostaríamos de ver aqui e você será parte de uma comunidade quando se juntar a nós. Esperamos que você goste e que torne isso agradável para as outras pessoas também. Aqui estão algumas maneiras que você pode fazer isso”, o documento cita a fala de Pontin.

O documento reconhece, no entanto, que essas poucas empresas controlam a maioria das conversas online. Ao definir o tom das conversas em suas plataformas, eles irão configurar uma grande faixa da internet por padrão.

Finalmente, o documento recomenda que o Google sinalize conteúdo controverso, em vez de censurá-lo.

“As pessoas estão pedindo ferramentas de capacitação que as ajudem a identificar problemas e conteúdo contenciosos em vez de plataformas que controlem conversas”, afirmou.

Não está claro se o Google está disposto a aceitar as recomendações pois a empresa não respondeu a um pedido de comentário.

Uma “fonte oficial do Google” disse à Breitbart que o documento deveria ser considerado pesquisa interna e não uma posição oficial da empresa.

Artigos recomendados: 
  • Google é processado por discriminar homens brancos conservadores
  • Google honra a CEO da abortista Planned Parenthood, Cecile Richards, como “heroína dos tempos modernos”
  • Canadá – Google e YouTube ameaçam a liberdade de expressão: transformando a liberdade de expressão em discurso de ódio impondo a censura
  • Argentina: Macri incluirá perspectiva de gênero na agenda 2019

Fonte:https://www.epochtimes.com.br/google-facebook-e-twitter-deixam-de-ser-plataformas-de-liberdade-de-expressao-e-passam-a-adotar-censura-de-acordo-com-documento-do-google/ 


This post first appeared on Correio Paulista, please read the originial post: here

Share the post

Google, Facebook e Twitter deixam de ser plataformas de liberdade de expressão e passam a adotar censura de acordo com documento do Google

×

Subscribe to Correio Paulista

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×