Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Estação ferroviária, Halmstad, Suécia Imprevistos e improvisos

Tags: atatildecopy


Terminada a FENS em Copenhagen, fui pedalar. Para o norte, ao longo da costa leste da (velha) Zeländia. Até a Helsingor dinamarquesa, e de lá por balsa até a sua imagem no espelho, a Helsingborg sueca, nos arredores da qual fica a fazenda em que me hospedaria (couchsurfing!).

Fui na FENS pela manhã. A saída de Copenhagen foi no começo da tarde, atrasado pela mesma chuva insistente que não deu trégua durante toda a semana. Parti finalmente sob chuvisco; mas antes de sair da cidade um vento norte forte, que iria continuar durante todo o dia, limpou as nuvens. Isto tornou o passeio ao mesmo mais agradável (mais seco e fotogênico) e mais penoso (pedalar contra o vento é como subir um morro pouco íngreme, mas que nunca acaba).

O cascalho deve ser só neste trecho

A parte dinamarquesa do caminho inicialmente segue pelo litoral, ao longo de uma auto-estrada, até se separar em uma via dedicada, passando por florestas e vilas pitorescas com telhados de sapé. Após uma breve viagem de balsa (e um novo amigo de facebook e um sanduiche de salmão defumado depois), e cheguei em Helsingborg, uma cidade de aparência agradável, mas que vi só de passagem. Uma dúzia de quilômetros em estradas rurais depois, cheguei na fazenda da simpática família que iria me hospedar: Andreas, Julia e seu filho Alexander de 7 meses. Uma janta, algumas horas de conversa agradável e uma noite bem dormida em cama macia depois, era hora de continuar viagem. Acompanhado pela Júlia pelos primeiros quilômetros (alguns meses de ser mãe em tempo integral em uma zona rural, 
O cascalho deve recomeçar logo após estas pedras...
qualquer desculpa para sair de casa é bem-vinda), o plano do dia era seguir através de uma península até o farol de Kullen, a porta de entrada do mar Báltico, que tem existido de uma forma ou de outra desde o século XIII (anteriormente, e ocasionalmente posteriormente, os locais se sustentavam saqueando naufrágios). O gps me mandava seguir pela estrada que subia suavemente pela espinha central da península. Mas havia uma alternativa possivelmente mais agradável, segundo o mapa: Uma pequena trilha de dois quilômetros beirando a praia, que se liga a estrada principal através de uma conexão perpendicular já bem mais próximo do farol. Era só pegar um desvio em direção ao mar por alguns quilômetros.

Começando em um balneário local, a trilha começa como uma estreita faixa de asfalto a poucos metros do mar. Paisagem de fato agradável... Mas em breve o asfalto deu lugar ao cascalho. Que foi ficando mais grosso e irregular. Só mais um quilômetro, pensei. Não pode ser tão ruim...
Esta trilha não foi feita com bicicletas em mente...



O cascalho acabou em uma picada de pedras irregulares; as rodas da bicicleta escorregavam e era preciso descer e empurrar. Mas com certeza eu retornaria ao cascalho em breve... Certamente não havia como piorar.


As pedras iam se tornando mais irregulares, e a tal trilha neste ponto era mais uma sugestão otimista do que uma via trafegável. Eu me atinha a crença de que encontraria algo mais pedalável após cada curva e pedra. Foi neste estado de espirito em que cheguei na primeira escada escavada na rocha.

Passei os próximos 30 minutos com a bicicleta e toda a minha bagagem nos ombros, subindo laboriosamente cada degrau e tentando manter sob controle a decida de cada barranco, sob o olhar curioso dos ocasionais transeuntes que faziam o percurso sensatamente a pé.

Após enriquecer o vocabulário em português destes últimos com alguns comentários, digamos, contundentes sobre a sua geografia local, finalmente cheguei até um café a beira de praia. Uma praia com uma história um tanto escandalosa, descobri, tendo sido o primeiro lugar na Europa em que homens e mulheres podiam se banhar (vestidos!) juntos. A infâmia era tanta que aparentemente alguns dos visitantes seguiam pela minha trilha até a vila seguinte para que suas cartas não tivessem o carimbo dos correios de tão notório antro de corrupção carnal.

%$¨%#$!

Do café uma estrada asfaltada seguia até a crista da península, subindo em algumas centenas de metros tudo que a estrada principal sobe em alguns quilômetros. Mas pelo menos era a bicicleta a me carregar, e não o contrário.


A chegada ao farol foi, comparativamente, de uma tranquilidade parnasiana. O céu azul e o mar escuro sob o penhasco combinavam agradavelmente. Andei pelas pedras e cavernas, subi no farol, tomei sorvete e me preparei para partir de novo. A parte difícil estava para trás; com o vento nas costas e seguindo um caminho que mais descia que subia, fui pedalando na direção de Angelholm.

O sol brilhava, a brisa soprava e os pássaros cantavam quando, a 27 km da cidade, o aro traseiro da minha bicicleta decidiu se desintegrar. Desgastado por uma pastilha de freio já avançada em idade, cuja borracha havia adquirido a consistência de chiclete após uma semana de operação quase aquática na chuvosa Copenhagen, o aro se partiu em dois ao longo de sua linha média lateral. Eu viajo preparado para consertar quase tudo que pode dar errado em uma bicicleta; mas soldar alumínio ou carregar um disco de 40 cm de diâmetro como sobressalente é além do que sou capaz.

É uma ribanceira, mas pelo menos é asfaltada...

Consegui pelo menos tornar a bicicleta empurrável (mulo de carga nunca mais!), e fui seguindo a estrada até encontrar pessoas. Mediante pedido, uma senhora (bibliotecária aposentada, e nova amiga de Facebook) que passeava com o cachorro me deu uma carona até a loja de bicicleta de Hoganas, onde morava. A loja não tinha um aro do tamanho que eu precisava (podia encomendá-lo em uma semana!); mas em Angelholm era mais provável que eu tivesse sorte.

Fui de ônibus até lá. Já era tarde, e fui direto para a casa da minha host de couchsurfing, uma simpática hiponga da região. Na manhã seguinte, fui até a loja de bicicletas local. Eles tinham o aro, e o conserto ficaria pronto no final da tarde seguinte.
Fui para a cidade seguinte, Halmstad, de trem (as cidades são todas muito próximas, ainda mais pelo caminho direto dos trilhos, se comparado com o costeiro da ciclovia). Conheci a cidade e fui relaxar na praia, antes de me encontrar com o meu host local, um professor de artes márcias e movimento, antes de voltar para Angelholm para recuperar minha bicicleta. Mas me confundi quanto ao horário de fechamento da loja. Já não havia vivalma por lá. Era 6ª, e ela só reabriria na 2ª.
A praia escandalosa!


Fui salvo pela minha host, que fez um crowdsourcing no FB até encontrar o número do celular do dono da loja. Não entendi a conversa que se seguiu entre os dois, em sueco, exceto pelas ocasionais menções a ‘brasiliansk’ e ‘Londonisk’, ou algo assim. Mas o resultado final é que o mecânico da loja, um simpático kosovar chamado Benny, foi abrir a loja as 8 da noite, para que eu pudesse seguir viagem.







Preciso me lembrar de levar equipamento
para solda em alumínio na próxima viagem...
Na manhã seguinte pedalei definitivamente até um pouco além de Halmstadt, passando por Bastad, onde comprei e comi um piquenique pantagruelesco. O meu host me ensinou a preparar panquecas de banana, e conversamos sobre neurociência e artes marciais. Com todo o drama com a bicicleta, acabei perdendo um dia de ciclismo, mas não reclamo. Este tipo de contratempo faz parte deste tipo de viagem, e apesar de tudo as experiências resultantes foram interessantes, mesmo que inesperadas. Quando se viaja sozinho para um pais novo, e propelido pelas próprias pernas, é preciso estar pronto para o inesperado, e para se virar para resolver eventuais problemas que surjam pelo caminho. E, de qualquer forma, eu estava na Suécia, não no vale de Korenghal. O pior que poderia ter acontecido teria sido ser obrigado a chamar um Uber.




PS: No dia seguinte peguei um trem de volta a Copenhagen, de onde voei para Londres, e de lá para Newcastle, onde estou agora. Sem nenhum contratempo. Fico por aqui por 11 dias, trabalhando em uma colaboração científica. 
































[Deletar se nao usado]


This post first appeared on Milliways Lounge, please read the originial post: here

Share the post

Estação ferroviária, Halmstad, Suécia Imprevistos e improvisos

×

Subscribe to Milliways Lounge

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×