Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Nós entre os helvéticos

Lucerna
É fácil se deixar levar por estereótipos ao pensar na Suíça. Afinal, eles são muitos - não é à toa que Asterix entre os helvéticos é um dos livros mais divertidos do guerreiro gaulês. Os relógios, os queijos, o chocolate, Guilherme Tell, as vacas com sinos no pescoço... não faltam imagens icônicas. Isso, de certa forma, cria uma série de expectativas para uma viagem até lá.
No meu caso, eu pensava na Suíça como um país de montanhas nevadas. Claro que não esperava vê-las assim no verão - de fato, não havia neve. Mas as montanhas estavam lá e pelo menos parte da estrutura também chama a atenção no verão: notadamente os teleféricos e os tobogãs.
Mas a memória visual que guardei da Suíça acabou sendo outra que não a dos Alpes. Foi a das cidades suíças, muitas delas parecidas entre si: situadas no meio de um vale, cortadas por um rio de águas claras e salpicadas de casas em estilo enxaimel. Um lugar bonito, limpo e organizado, como aliás convinha a um país famoso por essas qualidades. Caminhar por elas, à toa, era sempre muito gostoso.
Chocolate!
Em termos de comida, fartamo-nos do óbvio: os supermercados têm uma grande e saborosa seleção de queijos e chocolates. Destes últimos, há também várias lojas de marcas artesanais de encher os olhos e esvaziar os bolsos. Mas a grande pedida foi, mesmo, a fábrica e loja da Lindt no cantão de Zurique. Uma tentação - perdição ou salvação, dependendo da crença de cada um. Como somos devotos de São Chocolate, fomos ao paraíso (e voltamos com um bom farnel para nos valer durante a continuação da viagem).
Do doce ao salgado, de um paraíso a outro. A Suíça é também a terra do fondue, afinal de contas. Uma refeição suíça à base de fondue é alegria garantida, ainda mais quando se tem gratas surpresas, como descobrir uma variedade à base de morels (o rei dos cogumelos, na minha opinião). Só este fondue já fez valer a viagem. Mas, ainda no campo queijeiro gastronômico, não dá para esquecer de citar o raclette (queijo derretido) e, para seguir na onda beata, la religieuse (a imperdível casquinha de queijo que se raspa do fundo da panela de fondue).
Monte Pilatus (e a pista do tobogã)
Depois da comida, um pouco de exercício para queimar as calorias. Perdemos um pouco por ir até lá numa época que não era de neve mas, em compensação, tínhamos as montanhas verdes e floridas à nossa disposição. Sobe-se nelas através dos teleféricos, que funcionam tanto no verão quanto no inverno, e lá no alto pode-se aproveitar as trilhas em meio à natureza e a vista em redor. De quebra, descobrimos uma bela diversão alpina: os tobogãs suíços! Para nosso pesar, não pudemos experimentar o maior deles, no monte Pilatus, pois ele estava fechado devido à chuva que tinha caído na noite anterior. Compensamos a falta em Berna, onde outro tobogã, um pouco menor mas bem mais conveniente, por ser perto do centro da cidade, fez a nossa alegria.
Ursos de Berna
Berna, aliás, que tem como curiosidade a sua relação com os Ursos. Eles estão no nome e no emblema da cidade. Estão espalhados pelo centro na forma de esculturas diversas que celebram o animal. E ainda, claro, no parque que abriga os ursos de verdade. Mas, se Berna é a cidade dos ursos, é também a cidade dos cachorros, entre eles os são-bernardos - assim como os ursos, encontramos tanto são-bernardos reais quanto de mentira, em esculturas coloridas que formam uma espécie de dog parade.
Leão de Lucerna, de Thorvaldsen
De animal em animal, chegamos ao leão de Lucerna. Este não é um leão de verdade como o são os ursos de Berna; trata-se de uma escultura de Thorvaldsen (artista dinamarquês cujo museu em Copenhague vale a visita). A representação do leão abatido é uma alegoria em homenagem a soldados suíços que teriam morrido de forma heróica no século XVIII - uma história um pouco obscura para nós hoje em dia, o que não torna a escultura menos expressiva. De bater palmas para o artista.
Num país assim tão variado, nem surpreende que se falem diferentes línguas. Ao final, todos se entendem - nem precisaria da ONU quem pode se sentar a uma mesa cheia de queijos suíços.


This post first appeared on Cartas De Tantas Léguas, please read the originial post: here

Share the post

Nós entre os helvéticos

×

Subscribe to Cartas De Tantas Léguas

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×