Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

MEDO

É difícil falar sobre o Medo. Tem que ter muita coragem para falar sobre o medo. Tem que ser tudo de uma vez. Escrever de “uma sentada só”, sem levantar da cadeira, sem interrupções. Lá vamos nós!
Todos nós temos os nossos Medos, uns mais, outros menos... Há medo de vários tipos. Os intensos e profundos, que nos tragam para uma região desconhecida e que nos jogam no vazio. Já tive um deste tipo. Era criança ainda, uns 9 anos eu acho. Estava na casa de praia, no longo quintal da frente, no escuro da noite, perto do muro que fazia divisa com o vizinho. De repente surgiram questionamentos existenciais, do tipo, quem eu sou, de onde eu vim, para onde eu vou, o que eu estou fazendo aqui... Deixei-me levar por eles... E o medo tomou conta... Para sair deste estado, fui falando para mim mesmo, “Calma, está tudo bem, eu tenho pai, eu tenho mãe...”. A referência e segurança da família arrancou-me daqueles visgos tenebrosos. Era muito novo para mergulhar em questões tão sérias. Acho que não há idade que nos dê o preparo para um mergulho deste tipo. Tanto é que, depois deste incidente, evitei direcionar o pensamento para esta zona perigosa. Hoje, com o arcabouço de ideias, conhecimentos, fé, certezas, crenças, que a gente vai construindo e acumulando, acho que hoje estou um pouco mais protegido deste medo existencial. Mas não me arrisco a novamente mergulhar nas suas entranhas não... Há mergulhos muito mais interessantes para dar!
Há aquele medo que a gente leva a tiracolo, para onde quer que sigamos. Tenho um deste tipo também. É misturado com um monte de outras coisas, mas, nesta sopa de sentimentos, o medo, de vez em quando, se sobressai. Medo de gaguejar. Principalmente em situações envolvendo fila, tempo, telefone... O coração bate mais forte, a insegurança... Como eu disse, é uma porção de coisas, pois a gagueira é um bicho muito complexo, é uma disfunção neurológica mas também tem muitos sentimentos envolvidos, e o medo, no meu caso, está presente no meio disto tudo... Mas esta não é uma crônica de um gago discorrendo sobre sua gagueira. Isto talvez fique para outro texto, outra ocasião. Por hora, fica aqui apenas o registro de mais um medo meu.
Enquanto o escritor aqui vai se abrindo, falando dos seus medos, você, meu caro leitor, do seu lado, deve estar pensando nos seus medos. Ou talvez nem pensando neles, pois são tão medonhos que nem é bom pensar, não é mesmo?
Medo é algo muito particular. Os que coloquei aqui, tenho certeza que para a grande maioria das pessoas não representa absolutamente nada. Não compreendem e nem veem nenhum sentido nestes meus medos. Mas, com certeza, há muito sentido e muito medo dos medos que eles têm, porque realmente acho que ninguém está imune.
É isso aí! Cada macaco no seu galho e cada um com seus medos! E lá vou eu com os meus!


This post first appeared on CONTO-GOTAS, please read the originial post: here

Share the post

MEDO

×

Subscribe to Conto-gotas

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×