Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Ambição. A queda de Ícaro

Tags: filho asas queda


... o ponto de equilíbrio para nosso voo existencial. Nem o voo raso da mediocridade, que carrega o peso da insatisfação, inveja e tantas distonias comportamentais. Nem a embriaguez das utopias e suas sedutoras miragens. O limite do nosso voar está no conhecimento de nossas capacidades e possibilidades...


Antonio Pereira Apon.



Segundo a mitologia: Dédalo era pai de Ícaro e foi banido por assassinar o sobrinho Talo, abrigando-se na ilha de Creta, no reinado de Minos. Com o nascimento do Minotauro, Filho da rainha Pasífaa e um touro divino, ele e o filho Ícaro ergueram um labirinto para aprisionar aquele monstro metade homem, metade touro. Tendo sido o Minotauro morto por Teseu, pai e filho foram presos no labirinto. Quando Dédalo resolveu construir asas feitas de cera do mel de abelhas e penas de gaivota, para fugir dali, advertindo o filho que não voasse muito alto, para que o sol não derretesse a cera das asas, nem muito baixo, para que a água do mar não deixasse as asas mais pesadas. Ignorando os conselhos, seduzido pela ânsia de voar mais e mais alto, despencou nas águas do Egeu, enquanto o choroso pai seguiu voando.


Na medida certa, a ambição é produtiva e salutar, desmedida, pode ser desastrosa:


Se demasiada, leva aos desatinos da corrupção, da ganância, criminalidade e toda sorte de desajustes; resultando na inexorável Queda dos altiplanos da ilusão.

Continue lendo...


This post first appeared on Error 404 (Not Found)!!1, please read the originial post: here

Share the post

Ambição. A queda de Ícaro

×

Subscribe to Error 404 (not Found)!!1

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×