Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Escritos da Madrugada

Escritos da Madrugada

Uma conversa com a alma.
Alírio Polo
2016
FICHA TÉCNICA
TÍTULO:
Escritos da Madrugada
AUTOR:
Alírio Polo
REVISÃO:
Aristides Fontoura &
Oscar Júnior
CAPA E PROJECTO GRÁFICO:
Criz Garuba
"A poesia é a emoção expressa em ritmo através do pensamento."
Fernando Pessoa
"A história provou a capacidade demolidora da poesia e nela me refugio incondicionalmente".
Pablo Neruda
"Eu definiria o efeito poético como a capacidade que um texto oferece de continuar a gerar diferentes leituras, sem nunca se consumir de todo."
Umberto Eco
"O meu poema é a resposta da alma ao apelo do universo."
Rabindranath Tagore
"A poesia é toda aquela forma da arte literária em que se recebe uma emoção estética por motivos independentes do sentido da frase."
Álvaro de Campos
"Um dos méritos da poesia, que muita gente não percebe, é que ela diz mais que os demais géneros e em menos palavras."
Voltaire
"Quando o poder dirige o homem à arrogância, a poesia lembra-o das suas limitações. Quando o poder limita a área das preocupações do homem, a poesia lembra-o da riqueza e da diversidade da existência. Quando o poder corrompe, a poesia limpa."
John Kennedy
"A poesia não é apenas um género literário, mas um olhar revelador de mistérios e uma sabedoria resgatadora da nossa profunda humanidade. A poesia é um modo de ler o mundo e escrever nele outro mundo."
Mia Couto.

Ao leitor:
Esse livro contém temas bastante diversificados e cada um deles é especialmente direcionado ao seu mundo interior pois este é o responsável pela sua percepção e  relação com o exterior. O foco dessa obra é leva-lo à uma profunda introspeção sobre os sua essência, sobre a vida, sobre suas angústias e anseios e sobre o mundo em quem vivemos.
Esse é um livro para a mente, alma e coração. Um livro para emancipar a nobreza do nosso interior e estimular em nós o Amor. O amor por nós mesmos e por nossa distinta autenticidade, o amor pelos outros e aceitação de suas singularidades, o amor pelo simples, o amor pelo belo, o amor pelo valor em detrimento do preço, o amor pela evolução pessoal visando um comum progresso, o amor pela vida.



Dedicatória
À minha família que é a base estrutural da pessoa que sou e o meu suporte incondicional em qualquer situação. Aos Meus amigos que por compartilharem momentos comigo são, inevitavelmente, autores de muitos capítulos da minha vida. E à si, caro leitor, com quem conversarei através.

ÍNDICE
Prefácio          9
Poemas
Além De Apenas Viver          11
Resiliência      13
Falta-me Algo…        14
Quem Me Dera Ser Poeta      16
Mediocridade 17
Eu Em Construção     18
Saudade          19
Entre As Grades Do Meu Mundo     20
Confissões De Um Coração Apaixonado     22
Correndo Com O Tempo       23
Viagem Sem Fim Ao Desconhecido 24
Não Me Peçam Para Ser Outro          26
Pode Estar Ao Teu Lado.      27
Que Nunca Termine O Começo.       28
Na Calada Da Noite.  29
Êxtase 30
Solilóquio.      31
Assim É O Amor        32
Vivendo.         33
Quando Te Encontrei.            34
No Calabouço Da Vida.        36
Paz De Espírito.         38
Desvaneceu A Empatia          39
Num Eterno Instante. 40
Essência.         41
E Quando Chegar O Fim       42
Prosa Poética
Em Busca De Um Homem Novo.     44
Tempo.            45
(Dez) Aprisionado      46
No Meu Canto.          48
Novo Dia.       49
Vazios.            50
Crônica
O Egoísmo Desumaniza O Homem.  52
Sobre O Autor            53 s das páginas desse livro.

Prefácio
Escritos da Madrugada é uma obra literária de gênero poético em que o autor debruça-se sobre diversas questões intrínsecas da vida do homem. Questões estas de caráter existencial, de autoconhecimento, de força interior, de amor, da sua visão e relação com o mundo à sua volta, e de sentimentos tanto os que confortam quanto os que afligem a alma de qualquer humano vivente.
Como o nome sugere, esse livro representa noites em claro e reflexões que não  se contiam no interior e obrigaram os dedos do autor a transmiti-las para a folha de papel. Escritos da Madrugada é como uma foto da vida de seu autor, pois representa um período de seu profundo autodescobrimento e definição de sua filosofia de vida uma vez que foi escrito numa altura em que o mesmo passava por uma fase de desenvolvimento pessoal que o fiz revolucionar seu modo de ver o mundo e apreciar vida.

Poemas
Além De Apenas Viver
Depois do último suspiro o que restará de mim?
Depois do último encontro o que deixarei para ti?
Quando com alguém não mais puder ter nenhum contacto
os poucos ou muitos que algumas vez tive lhe serviriam de algo?
Que marca deixei
na vida das pessoas com quem um dia cruzei?
Que valor dei
ao ar, que para me manter vivo, respirei?
Que efeitos causo
no meio a minha volta?
Como se lembram de mim
os estranhos que à mim se encostam?
Entre os mais de sete bilhões de seres humanos que diferença eu faço?
Sou apenas mais um  ou um entre os demais?
Vida minha, quando não mais te poder viver que valor terás?
Sei para onde vou
ou sou um viajante perdido na estrada do tempo?
Carrego algo de valor
ou estou ocupado com a efemeridade das coisas de preço?
A existência é cheia de incertezas e questões por responder
e nisso percebo
que a vida pode ser muito mais do que apenas viver.

Resiliência

Com os meus medos e delírios, nos desvios dos meus caminhos,
com passos vagarosos e enfraquecidos andei pelos becos escuros do meu mundo esquecido.
Numa solidão recrudescente, longe de olhares flamejantes,com o sorriso flácido que outrora era ardente, mas sempre presente a vontade pujante de ser mais do que um aviltado à uma condição indesejada,
de sair deste cárcere
e acreditar que tudo passa.
Me restitui das minhas crises quase que em um sobressalto,
pois o mundo só faz de nós aquilo que nós permitimos que ele faça.
Ainda que tudo e todos nos deixem de lado
é imprescindível não abdicar da companhia da esperança.

Falta-me Algo

Mergulhado nas profundezas de infinitas incertezas,
longe de mim, perdido no além
da inconstância do meu sentir
e com o carma de um ser refém.
Rasgo o tempo
na procura de um sentido, desbravo o mar
tentando achar um caminho
que me conduza à um destino sem endereço onde o  meu vazio eu possa completar,
mas cada vez mais esmoreço por não haver caminho a trilhar.
Sou como um pedaço de papel jogado ao ar, voo sem rumo e sem lugar para pousar, seguindo apenas o soprar dos ventos
que me levam à lugares que desconheço.
Paro, então, no topo de uma montanha
incapaz de continuar seguindo os ventos pelo estado amassado e só assim descubro que tenho minhas próprias asas,
invento o meu caminho e jogo-me até a beira de um lago. Vejo o meu rosto reflectido na água cristalina e encontro o que, há muito, eu procurava, no olhar profundo de minha retina descubro que é de mim mesmo que eu sinto falta.

Quem Me Dera Ser Poeta
Quem me dera ser poeta... Mas não sei fazer poesia, não sei usar a caneta
para encher de palavras as minhas folhas vazias.
Palavras que pudessem trazer amor, liberdade ao oprimido,
alívio de toda dor
e esperança à quem tem sofrido,
palavras que transformassem o mundo num lugar melhor, palavras que trouxessem forças à quem estiver abatido.
Quem me dera ser poeta para que, com beleza, pudesse narrar factos e ajudar pessoas com os meus relatos,
para, com minha poesia, ser um agente de mudança do meu tempo e, com a sutileza das palavras, transmitir conhecimento.
Quem me dera poeta e na arte exteriorizar meus ideais
e, com a minha poesia, resgatar o valor das coisas imateriais, para poder tocar levemente no teu íntimo
e transmitir positivismo à quem lesse meus escritos.
Quem me dera ser poeta para expressar o meu encanto ao ver as aves voando e ao ouvir seus cantos,
à água que do céu cai e fertiliza os campos, mas que não aumenta a vastidão dos oceanos.
Quem me dera ser poeta para descrever toda beleza existente na harmonia da mãe-natureza.
Quem me dera ser poeta para exprimir meus sentimentos e o amor que sinto tirar do peito
para escrever os mais lindos versos à minha amada
e fazê-la sentir, entre as mulheres, a mais afortunada, para dizê-la o quanto este homem a aprecia.
Quem me dera de ser poeta... Mas não sei fazer poesia!

Mediocridade
Quando a luz enfraquece e o desapego reina desejos desfalecem
e morrem sonhos que pareciam perenes.
Quando a fala se cala dando lugar ao “tanto faz”
vai-se da empolgação à desilusão, esforços passados tornam-se vãos.
Quando o vazio nos abraça e limita-nos ao comum esvanece a possibilidade de não se ser só mais um.
Quando as flores murcham o pomar perde o encanto
e sobre os seus frutos já não se espera tanto.
Quando a indolência se avizinha fuja dela buscando a proatividade, não te curves à rotinas
que te conduzam à mediocridade.

Eu Em Construção
Nada me considero
se não apenas um descobridor de mim mesmo, dos outros pouco espero,
exijo antes da pessoa que vejo no espelho.
Sou uma obra inacabada ainda em construção
e essa obra nunca acaba,
mas é imperativo distanciar-me do chão.
Tudo e todos ao meu redor alguma coisa dão para essa obra, mas sou também o construtor,
a forma como uso isto é o que realmente conta.
Vivo convicto de que sou um eterno aprendiz
e das escolhas que faço carregarei sempre as consequências em mim.
Sou hoje o resultado do que ontem vivi e amanhã serei o que hoje eu decidir.

Saudade
Saudade é a força violenta das boas lembranças,
é querer reviver um momento que já no passado descansa, é querer correr no tempo motivado pela ânsia
de poder estar perto de quem a gente ama.
É sorrir ao lembrar-se de momentos vividos, é chorar por eles já terem passado,
é o desejo de poder repeti-los,
são lembranças doces que produzem sentimentos amargos.
Saudade é uma certeza de que alguma coisa lá atrás valeu a pena, é uma prova de que estivemos vivos de verdade,
pois a vida é uma soma de momentos e coleção de experiências. Morto é o passado de quem no presente não sente saudade.

Entre As Grades Do Meu Mundo
Sopram os ventos, voam as aves, nasce e põe-se o sol
e eu preso entre grades, encarcerado pelo medo e gritando sem voz,
perdido no esquecimento,
pois ninguém sente a minha dor, iludido por promessas
que eram perfumes sem odor,
na companhia da solidão, dilacerado pela frustração das expectativas traídas, dos sonhos sem vida,
da euforia que virou apatia,
do desencanto por cada novo dia.
Apenas a noite me consola trazendo a poesia que me desentrelaça dos meus escombros
e leva meu estado de espírito para cima, de palavra em palavra, verso em verso, anestesio-me com doses líricas,
só a folha de papel me compreende quando nela a minha caneta jorra tinta transbordando a necessidade visceral de me libertar das minhas grades
e quando os escrevo
revelam-se não ser tão grandes estes meus entraves,
o poder sobre eles esteve sempre comigo o tempo inteiro,
pois só é certa a derrota por fora quando por dentro não venço.
Meus olhos caem por não encontrarem vestígios de luz no fim do túnel escuro
mas está bem perto de mim aquilo que procuro,
em mim mesmo vive a luz para os meus olhos caídos
capaz de desvitimizar-me do mundo e permitir-me enxergar um caminho. Amanhã, certamente, haverão de soprar os ventos e voar as aves, o sol voltará a nascer no inicio do dia e por-se-á no fim,
mas eu só continuarei preso entre essas grades
se não for capaz de usar a chave que carrego dentro de mim.

Confissões De Um Coração Apaixonado
Vejo-te sem te olhar, tenho-te sem te possuir, sinto-te sem te tocar, amo-te sem fingir.
Anseio estar contigo,
como é ansiada a água no deserto, sem ti estou sedento
do teu amor – puro e terno.
Respiro-te à cada instante, tornaste-te no meu oxigênio, teu corpo está distante,
mas tu estás aqui bem perto. Ó, mulher! Tu és tão grande, como cabes no meu peito?
Teus olhos são cintilantes, teu rosto o mais belo,
teu sorriso é radiante,
tu és rainha, tens coroa em forma de cabelo.
És tu a mais elegante sortudo é o teu espelho.
Alma  profunda e coração puro, mente insaciável
de pensamentos maduros, delicada no ser,
sábia no proceder, pura em sentimentos,
és para as demais um exemplo.
Vejo-nos à beira mar
contemplando o pôr-do-sol de mãos dadas e sob a luz do luar
trocando juras de amor por toda madrugada.

Correndo Com O Tempo
À velocidade do tempo corro sem descanso, ávido de esperança
como o olhar de uma criança,
mais sereno e resoluto a cada passo.
Corro almejando novos horizontes, explorando em mim mundos distantes,
não me intimidam as profundidades e montes
a necessidade de não ficar parado, em mim, é mais gritante.
Não corro em pistas, não corro numa competição, corro em experiências numa contínua transformação, corro da inérciade permanecer igual
mas me mantenho o mesmopreservando o essencial.

Viagem Sem Fim Ao Desconhecido
Com os olhos postos no horizonte, os pés firmes no chão,
ansiando o desconhecido, disposto a correr riscos como quem escala montes,
vou eu carregando apenas amor no coração.
Não sei o que me espera,
se o encanto do mais lindo jardim ou a fúria da mais brava fera, mas continuo mesmo assim
calando o medo que na minha alma berra.
Nessa jornada de incertezas
o que me move é apenas a repulsa à monotonia.
Eu tenho esta mania
de achar que há sempre algo mais para mim,
de sempre acreditar que onde chego não é o fim, mas apenas um novo começo,
cada vitória
é apenas uma porta para novos desafios, cada derrota
é uma resposta os erros de percurso ou, então, uma indicação
à necessidade de mudar de rota, mas nunca e nunca
o fim da viagem.
O fim?!
Este me causa incomplacência só de o imaginar, nada é mais agonizante
do que não ter mais nada para explorar, ficar estagnado é demais desgastante para quem pode caminhar.
Descanso permanente? Isto para mim é morte, enquanto respiro
corro atrás de prejuízos, não acredito na sorte
e vivo sedento por novos resultados,
por isso a necessidade de buscá-los não me deixa ficar parado.
Enquanto meus pés sangram
pelos espinhos que pisam pelo caminho minhas narinas já inalam
o aroma perfumado das rosas,
mas chegar até elas não será o meu final destino como disse antes, é apenas mais uma porta
para outros desafios.

Não Me Peçam Para Ser Outro
Não me peçam para ser outro! Eu só sei ser eu,
eu só consigo ser eu, eu só preciso de ser eu, eu só quero ser eu.
Não me peçam para ser outro, ensinem-me é a conhecer
as profundezas do meu ser,
a mergulhar nas entranhas de minhas emoções,
a viajar para o desconhecido de minha personalidade, a voar com as asas dos sonhos,
a explorar o âmago de minha mentalidade, a usar o melhor de mim,
a ser o melhor que posso ser.
Sou um adepto acérrimo e louco pela mudança, mas deixar de ser quem sou não é mudar,
à isso eu chamo morrer.
Mudar para mim é um contínuo transformar, mudar para mim é crescer,
mudar para mim é virar borboleta sendo sempre a mesma lagarta.
Não precisamos ser outros,
a carência extrema do nosso tempo é de sermos nós, por isso o outro que me pedem para ser, muito provavelmente, também ainda não o é.

Pode Estar Ao Teu Lado
Alheio à vida
e à vontade de viver também, futuro sem perspectivas
e do presente é refém, carências desmedidas, o nada é tudo que tem.
Por ausência de motivos
seus lábios já não se curvam para um sorriso, semblante cabisbaixo,
inteiramente estilhaçado,
a vida não lhe tem sido leve, tirando-lhe até o que nunca teve e exigindo de volta
o que nunca deu.
Nesse mundo injusto e impiedoso
viver lhe tem sido um pesadelo tenebroso, não podendo contar nem mesmo consigo porque até em si já não encontra um amigo.
Esta pessoa pode estar ao teu lado e, embora calado,
grita pelo teu afago.

Que Nunca Termine O Começo
Que nunca se perca em nossas vidas
o entusiasmo do começo de uma empreitada, que permaneça sempre bem ativa
a energia dos primeiros passos de uma jornada.
Que o percurso nos traga a sabedoria de um ancião,
mas que permaneça intacta a esperança de uma criança.
Que possamos nos renovar sempre chegar a fadiga ou a apatia e possamos rebuscar
a atmosfera eufórica de no começo existia.

Na Calada Da Noite
Na calada da noite
quando o silêncio é tudo que se tem e mesmo deitado sobre a cama
o sono não vem, aí eu te imagino
e te desenho em meus pensamentos, te teletransporto
trazendo-te para perto.
Na calada noite
idealizo nossos momentos, perco-me nos teus braços  e encontro-me nos teus lábios, esqueço-me de mim
e redescubro-me em ti.
Na calada da noite só tu és
o topo do meu monte, a palma dos meus pés,
o estimulo para os meus sentidos e a razão no meu raciocínio.
Na calada da noite
onde o escuro embacia a visão
tu mostras-me que não se precisa de ver quando se sente com o coração.
Na calada da noite, embora o sol já descansa, percebo como ele é frio
comparando com a tua brasa.
Na calada da noite
me é imperceptível o brilho das estrelas porque nos teus olhos encontro
uma luz mais bela.
Na calada da noite nada mais importa
se não a tua voz, o teu toque e o teu beijo na minha boca.

Êxtase

Escuro e silêncio,
o  ambiente  perfeito onde melhor me enxergo
e cada vez mais me conheço.
Onde me exploro, viajo em pensamentos, onde confronto
meus piores sentimentos,
onde me defino, questiono meus conceitos e me renovo,
onde me desprendo,
abro mão dos meus medos e com os meus sonhos voo,
onde atentamente escuto a sinfonia da minha vida e cautelosamente estudo
as notas a serem tocadas de seguida.

Solilóquio

Ao vento falo
e sem tardar ele me responde, e então me calo
para ouvir o que no seu silêncio ele esconde.
Palavras não pronunciadas mas com infinito significado, a língua faz-se indiferente
nessa transmissão do inverbalizado, o sentimento cria a expressão que por mim é recebida
e que não precisa de interpretação, basta ser sentida.
Assim se crava na minha alma de artista
o que, a seguir, é transmitido p’ra os meus dedos, por isso não há idioma em minha escrita,
o que há são apenas sentimentos.

Assim É O Amor

Como a brandura do ar,
a preponderância do oxigênio, como o brilho do luar,
o frio do inverno,
como o calor do verão,
o primeiro sorriso materno, como a firmeza do chão,
a coragem do medo,
como a complexidade do intangível, a veemência de um furacão,
como a possibilidade do impossível, a ilogicidade da razão,
como a utopia do perfeito, como um arco-íres sem cor,
como a insuficiência de conceitos, assim é o amor.

Vivendo
Caminho na estrada da vida de braços abertos
para abraçar as oportunidades e aventuras que ela oferece, carrego nada mais do que um coração repleto
de amor que procuro dar à qualquer um que pelo meu caminho aparece.
Se os passos que dou não deixam pisadas pelo caminho é inútil o meu caminhar,
tudo que sou não cabe nesse mundo finito por isso preciso sonhar
não para fugir da realidade, mas para torná-la mais bela
sem impor minha subjetividade, mas deixando minha chancela.
Não quero sair como se nunca tivesse entrado, pois sei que não entrei só para sair ,
não quero deixar indiferente, nesse mundo diferenciado, a diferença que há em mim.

Quando Te Encontrei
Quando te encontrei nas curvas dessa vida
meus olhos inocentes deslumbraram-se pela tua forma mística, com a ingenuidade de uma criança deixei-me levar por ti,
tua sutileza foi tão brusca que não pude resistir.
Tu fizeste morada em meus pensamentos, trouxeste firmeza às minhas idéias,  vestes de ternura os meus sentimentos
e desmontas-me por completo em grãos de areia.
Mas quando me recompões fazes-me mais forte, és minha companhia todo o dia,
tu trazes clareza às minhas noites,
mesmo em silêncio embalas-me na tua melodia.
Quando te encontrei encontrei minha sintonia,
do meu mundo interior fizeste-me rei, pois tu já eras rainha.
Em silêncio conversamos com os lábios entreabertos e a alma desnuda
num entrelaçar de emoções e intelecto onde nossa simbiose fecunda.
Quando te encontrei foi só o começo daquilo que viria a ser um grande amor e hoje que melhor te conheço
mais me fascino pelo teu esplendor.
Tocaste sutilmente no meu ser, mudaste a minha forma de pensar, mostraste-me que há muito para se ver além do que se pode olhar,
ensinaste-me a sorrir para a vida mesmo quando ela não me sorri, mostraste-me que há sempre uma saída
mesmo quando as forças chegam ao fim, ensinaste-me a olhar para o lado mais belo das situações mas a nunca me conformar com o lado feio,
trouxeste lucidez às minhas ilusões
e deste-me o controle sobre os meus receios.
O desabrochar de uma idéia
e a sua transição para a escrita
tornaram-se nas minhas drogas perfeitas quando te encontrei, poesia.

No Calabouço da Vida
Estou no calabouço da vida com o meu mundo a desabafar, num beco sem saída
e, nas minhas lágrimas, a me afogar,
perdido nos meus delírios, tentando me encontrar
e ao mesmo tempo tentando fugir de mim, tentando sorrir
tendo apenas razões para chorar, tentando viver, mas não querendo mais.
Ando sem rumo e desvairado
na escuridão do meu caos existencial, por todos abandonado e posto de lado, pisoteado como uma lata jogada ao chão.
Sou um dos muitos nessa condição, talvez seja como tu,
talvez não,
mas sou, de certeza, como muitos que te rodeiam.
Sou como os muitos que todos os dias desistem de viver e talvez amanhã seja a minha vez,
ou talvez não... Eu não sei!
Eu só sei que nunca me considerei um derrotado,
que por mais duros que sejam os muros que a vida tem me dado nunca me senti incapaz de continuar lutando.
Mas uma hora a gente cansa, não aguenta mais,
a resistência parece inútil e a persistência fútil,
mas eu prefiro acreditar
que não viverei o suficiente para ver esta hora chegar, já a senti bem perto muitas vezes
e em cada vez atrasei o meu relógio.
Afinal, o que tem a perder alguém que já perdeu tudo? Tenho, na verdade, é tudo para conquistar.
Pisoteado, quase sem forças e até mesmo a rastejar só sei que continuarei a tentar, sempre a tentar...

Paz De Espírito
Na leveza de um sorriso
e na profundidade de um olhar repouso o meu íntimo
sem sentimentos de pesar.
O calor do raiar do sol bronzeia-me o prazer em viver, a brisa que me beija o rosto
refresca-me a vontade de vencer.
Surfo nas ondas de um mar de emoções, danço ao ritmo da vida uma música sem sons,
como as estrelas tento brilhar em meio a escuridão, tento resplandecer uma luz que vive em meu coração.
Nas coisas mais simples da vida encontro verdadeiras grandiosidades.
Às vezes, em ações repentinas se constrói uma eternidade.

Desvaneceu A Empatia
Desvaneceu a empatia, tornaram-se mudas as vozes, esfriaram-se os olhares, secaram-se os sorrisos,
perderam-se os quereres
no meio das intransigências, afogaram-se os sonhos
no mar de indiferenças.
O que tudo era agora nada é,
do vendaval sobrou poeira, virou pesar o que era prazer.
com olhares conversavam,
hoje com palavras não se entendem e quanto mais falam
menos se conhecem.
Os corpos se encontram mas os corações se afastam, as peles se tocam
mas se repelem as almas.
Resta amargura e arrependimento
pelo tempo desperdiçado com alguém que nunca se conheceu de verdade e pelo esforço vão de almejar o topo sem firmar as bases,
restam dúvidas nos sentimentos
e o desejo de corrigir decisões precipitadas,
resta apenas a decepção pelas certezas equivocadas.

Num Eterno Instante
Entre olhares acanhados e leves sorrisos,


This post first appeared on .::Força De Ler::., please read the originial post: here

Share the post

Escritos da Madrugada

×

Subscribe to .::força De Ler::.

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×