Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Dicas para novos escritores, por Stephen King

Stephen King é um escritor estadunidense cujos livros excederam a impressionante marca de 350 milhões de cópias vendidas mundialmente. Ame-os ou odeio-os, você precisa admitir que trata-se uma marca impressionante. King, por sua vez, poderia continuar escrevendo Seus livros de ficção na comodidade de sua mansão, mas ao invés de se de dedicar exclusivamente ao próprio trabalho literário, ele decidiu disseminar seu conhecimento sobre o ofício de escrever, lançando“On Writing”. O livro em questão é um grande manual com dicas para aspirantes a escritores. Aqui, destaco algumas dicas interessantes:
1. Primeiro escreva para si mesmo, e depois se preocupe com o público. Quando você escreve uma estória, está contando para si mesmo a estória. Quando você a reescreve, seu trabalho principal é tirar todas as coisas que não são a estória. Seu material começa sendo apenas para você, mas depois não mais;
2. Não use voz passiva. Escritores tímidos gostam de verbos passivos pela mesma razão que os amantes tímidos gostam de parceiros passivos. A voz passiva é segura. O companheiro tímido escreve: "A reunião será realizada às sete horas", porque isso de alguma forma diz a ele: “Coloque isto desta maneira e as pessoas vão acreditar que você realmente sabe”. Refine este pensamento invasor! Não seja um trouxa! Jogue para trás seus ombros, enrugue a testa, e coloque essa reunião no comando! Escreva apenas "A reunião é às sete." Então, por Deus! Não se sente melhor?
3. Evite advérbios. O advérbio não é seu amigo. Considere a frase "Ele fechou a porta com firmeza." Não é de forma alguma uma sentença terrível, mas pergunte a si mesmo se “com firmeza” realmente tem que estar lá. E sobre o contexto? E quanto a toda a prosa esclarecedora (para não dizer emocionalmente em movimento) que veio antes de “Ele fechou a porta com firmeza”? Isso não deveria nos dizer como ele fechou a porta? E se a prosa que antecede nos diz, então não seriam "com firmeza" palavras extras? Não soaria redundante?
4. Evite os advérbios, especialmente depois de "ele disse" e "ela disse”. Enquanto escrever advérbios é humano, escrever "ele disse" ou “ela disse” é divino;
5. Mas não fique obcecado pela gramática perfeita. Linguagem nem sempre tem que usar gravata e sapatos finos. O objeto da ficção não é a correção gramatical, mas dar boas-vindas ao leitor e depois contar uma estória ... para fazê-lo(la) esquecer, sempre que possível, de que ele/ela está lendo uma estória;
6. A magia está em você. Estou convencido de que o medo está na raiz da maioria dos maus escritos. Dumbo foi transportado pelo ar com a ajuda de uma pena mágica; Você pode sentir o desejo de agarrar um verbo passivo ou um desses advérbios desagradáveis ​​pela mesma razão. Apenas lembre-se antes de fazer isso que Dumbo não precisava da pena; A magia estava nele;
7. Leia, leia, leia. Você tem que ler vastamente, constantemente refinando (e redefinindo) o seu próprio trabalho enquanto faz isso. Se você não tem tempo para ler, você não tem tempo (ou ferramentas) para escrever;
8. Não se preocupe em fazer as outras pessoas felizes. Ler nas refeições é considerado rude na sociedade educada, mas se você espera ter sucesso como escritor, rudeza deveria ser a segunda ou a menor de suas preocupações. O menos importante de tudo deveria ser a sociedade educada e o que ela espera. Se você pretende escrever o mais honestamente possível, seus dias como membro da sociedade educada estão contados, de qualquer maneira;
9. Desligue a TV. A maioria das instalações de ginástica estão agora equipadas com TVs, mas a TV - enquanto treinando ou em qualquer outro lugar - é realmente a última coisa que um aspirante a escritor precisa. Se você acha que precisa ver o petulante analista de notícias na CNN enquanto você se exercita, ou o mercado de ações na MSNBC, ou noticiários esportivos na ESPN, é hora de você questionar o quão sério você realmente está sobre se tornar um escritor. Você deve estar preparado para fazer algumas voltas sérias para dentro da vida da imaginação, e isso significa, eu temo, que Geraldo, Keigh Obermann e Jay Leno devem ir. Leitura leva tempo;
10. Você tem três meses. O primeiro rascunho de um livro - mesmo um longo - não deve levar mais de três meses, a duração de uma temporada;
11. Há dois segredos para o sucesso. Quando me perguntam “o segredo do meu sucesso” (uma ideia absurda, isso, mas impossível de fugir), às vezes digo que existem dois: eu fiquei fisicamente saudável e permaneci casado. É uma boa resposta porque faz a pergunta desaparecer, e porque há um elemento de verdade nela. A combinação de um corpo saudável e uma relação estável com uma mulher independente que não aceita desaforo de mim ou de qualquer outra pessoa faz a continuidade da minha vida de trabalho possível. E eu acredito que o inverso também seja verdade: que a minha escrita e o prazer que eu tomo nela tem contribuído para a estabilidade da minha saúde e da minha vida doméstica;
12. Escreva uma palavra de cada vez. Um apresentador de programa de rádio me perguntou como eu escrevia. Minha resposta - "Uma palavra de cada vez" - pareceu deixá-lo sem resposta. Eu acho que ele estava tentando decidir se eu estava brincando ou não. Eu não estava. No final, é sempre simples. Quer se trate de uma vinheta de uma única página ou uma trilogia épica como "O Senhor dos Anéis", o trabalho é sempre realizado com uma palavra de cada vez;
13. Elimine a distração. Não deve haver telefone em sua sala de escrever, certamente sem TV ou videogames para o distrair. Se há uma janela, feche as cortinas ou puxe as persianas para baixo;
14. Mantenha o seu próprio estilo. Não se pode imitar a abordagem de um escritor a um gênero particular, não importa quão simples o que o escritor esteja fazendo possa parecer. Você não pode apontar um livro como um míssil de cruzeiro, em outras palavras. As pessoas que decidem fazer uma fortuna escrevendo como John Grisham ou Tom Clancy não produzem nada além de imitações pálidas, em geral, porque vocabulário não é a mesma coisa que o sentimento e a trama está a anos-luz da verdade como ela é compreendida pela mente e pelo coração;
15. Cave. Quando, durante uma entrevista para o The New Yorker, eu disse ao entrevistador (Mark Singer) que eu acreditava que as estórias são coisas encontradas, como fósseis no chão, ele disse que não acreditava em mim. Eu respondi que estava tudo bem, contanto que ele acreditasse que eu acredito. E eu acredito. Estórias não são camisetas de lembranças ou game boys. Estórias são relíquias, partes de um mundo preexistente não descoberto. O trabalho do escritor é usar as ferramentas em sua caixa de ferramentas para extrair o máximo do chão e na melhor condição possível. Às vezes o fóssil que você descobre é pequeno; Uma concha. Às vezes é enorme, um Tiranossauro Rex com todas as costelas gigantes e dentes sorrindo. De qualquer maneira, para uma estória curta ou as mil páginas de um romance, as técnicas de escavação permanecem basicamente as mesmas;
16. Faça uma pausa. Se você nunca fez isso antes, você vai descobrir que a leitura de seu livro após seis semanas de descanso se torna muitas vezes uma experiência emocionante. É seu, você o reconhecerá como seu, até mesmo será capaz de lembrar que música estava no estéreo quando você escreveu certas linhas, e ainda assim será como ler o trabalho de outra pessoa, um gêmeo de alma, talvez. Esta é a maneira que deveria ser, a razão pela qual você esperou. É sempre mais fácil matar os queridinhos de outra pessoa que matar os seus próprios;
17. Deixe de fora as partes chatas e Mate Seus Queridinhos. Principalmente quando penso no ritmo, volto para Elmore Leonard, que explicou tão perfeitamente dizendo que ele simplesmente deixava de lado as partes chatas. Isto sugere cortar para acelerar o ritmo, e isso é o que a maioria de nós acaba tendo que fazer (mate seus queridinhos, mate seus queridinhos, mesmo quando quebra seu pequeno coração egocêntrico de escritor, mate seus queridinhos);
18. A pesquisa não deve ofuscar a estória. Se você realmente precisa fazer pesquisa porque partes de sua estória lidam com coisas sobre as quais você sabe pouco ou nada, lembre-se da palavra “atrás”. É aí que a pesquisa pertence: deixe-a enterrada na estória o máximo que você puder. Você pode estar fascinado com o que você está aprendendo sobre as bactérias carnívoras, o sistema de esgoto de Nova York, ou o Q.I. de filhotes de cachorro collie, mas seus leitores irão, provavelmente, se preocupar muito mais com os seus personagens e a sua estória;
19. Você se torna um escritor simplesmente por ler e escrever. Você não precisa de aulas ou seminários de escrita mais do que você precisa deste ou qualquer outro livro sobre a escrita. Faulkner aprendeu seu ofício enquanto trabalhava na estação de correios de Oxford, Mississippi. Outros escritores aprenderam o básico enquanto serviam na Marinha, trabalhando em usinas siderúrgicas ou fazendo tempo em melhores hotéis da América. Aprendi a parte mais valiosa (e comercial) do trabalho da minha vida enquanto lavava lençóis de motel e toalhas de mesa de restaurante no New Franklin Laundry em Bangor. Você aprende melhor lendo muito e escrevendo muito, e as lições mais valiosas de todas são aquelas que você ensina a si mesmo;
20. Escrever é sobre ficar feliz. "Escrever não é sobre ganhar dinheiro, ficar famoso, conseguir encontros, fazer sexo ou fazer amigos. No final, trata-se de enriquecer a vida daqueles que lerão seu trabalho e enriquecerão sua própria vida também. É sobre levantar-se, ficar bem e superar. Ficando feliz, ok? Escrever é magia, tanto a água da vida como qualquer outra arte criativa. A água é livre. Então, beba.
E você, qual dessas regras você mais gosta?
Fonte: adaptado de:http://www.barnesandnoble.com/blog/stephen-kings-top-20-rules-for-writers


This post first appeared on Alex Zuchi, please read the originial post: here

Share the post

Dicas para novos escritores, por Stephen King

×

Subscribe to Alex Zuchi

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×