Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Nada se cria tudo se copia

O título deste post é, obviamente, uma brincadeira. A motivação vem de recente trabalho do diretor de arte e designer cingapuriano Chong Chan Hwee que fez muito sucesso na web em 2011 [merecido, por sinal] e uma obra de Claude Mellan, feita em 1649.
Mona Lisa, por Chong Hwee (esq.) e Rosto de Cristo, por Claude Mellan (dir.)

Quem é Chong Chan Hwee

O asiático Chong Hwee, em campanha publicitária para a Faber Castell, reproduziu algumas das maiores obras de arte de todos os tempos [Mona Lisa – da Vinci; Moça com brinco de pérola – Vermer; e, Autorretrato (van Gogh)] traçando todas as obras a partir de uma única linha usando uma caneta fabricada pela empresa contratante.
O designer contou que se inspirou em uma aranha tecendo sua teia e explicou a dificuldade que encontrou na realização do trabalho.

Quem é Claude Mellan

Claude Mellan (1598-1688) nasceu no norte da França, na cidade de Abbeville. No curso de sua vida artística se interessou muito mais pela gravura do que pela pintura. Viveu em Roma durante doze anos, trabalhando de forma convencional, mas ao retornar a França adotou uma técnica extremamente peculiar, baseado em linhas paralelas, regulando a tonalidade da gravura pela variação de sua amplitude e proximidade.

A grande obra de Claude Mellan

A obra mais famosa do gravurista é o rosto de Cristo, também conhecido como Sudário [suor no pano] ou “Véu de Verônica”, devido ao milagre atribuído a Sta. Verônica, que enxugou o suor do rosto de Cristo cuja imagem foi transferida para um pano.
A obra de Mellan, como a de Hwee, também começa com uma linha, que se inicia na ponta do nariz do rosto de Cristo e segue em espiral, como se fosse uma impressão digital. A variação e a pressão que o artista imprimia à linha à medida que executava seu trabalho proporcionava sombras e profundidade ao rosto. 
Até aí, aparentemente, a obra de Claude Mellan segue o mesmo processo percorrido por Chong Hwee.

Diferenças entre as duas obras

A obra de Hwee é um desenho feito com uma caneta da Faber Castell [nenhum demérito no processo].
Já a peça de Mellan é uma gravura, feita sobre uma grande folha de metal usando um buril [ou cinzel] de forma a traçar sulcos sobre a folha. 
As linhas [ou sulcos] feitas, passou-se tinta sobre a placa de metal, ela foi virada de cabeça para baixo sobre um pedaço de papel, invertendo a imagem, e prensou-se a placa sobre o papel. 
Vale ressaltar que o texto em latim – parte inferior da gravura – foi escrito de forma invertida, para que ficasse legível ao ser gravado. 
Embora a obra tenha sido feita em 1649, ela só foi impressa em 1720, 32 anos após a morte do artista.

Não há nenhum demérito na obra de Chong Chan Hwee, ao contrário, é de excelente qualidade. O que só aumenta a curiosidade de duas obras, tão distantes no tempo, realizadas por artistas tão diferentes, terem em seu cerne o mesmo processo criativo. [Clique na imagem para vê-la em alta resolução]

Veja também: 
A vida de um perdulário em gravuras, pinturas e música 
A vida de um perdulário em gravuras, pinturas e música - Parte 2 

Fontes: Museu de Arte de Milwaukee; Wikipédia  

ABBraços fraternos
Boa semana!
MarGGa Duval

Subscreva o Mol-TaGGe e receba as atualizações em seu email
Não esqueça de confirmar sua subscrição!

Clique na imagem para seguir o blog

Este artigo pertence ao Mol-TaGGe.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.


This post first appeared on Mol-TaGGe - Arte E Cultura, please read the originial post: here

Share the post

Nada se cria tudo se copia

×

Subscribe to Mol-tagge - Arte E Cultura

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×