Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Piódão vence grupo das Aldeias Remotas










Ontem à noite, fiquei satisfeito ao assistir à vitória de Piódão no grupo Das Aldeias Remotas, num concurso promovido no âmbito das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, com o objetivo de promover a identidade nacional. Gosto deste género de programas que nos permitem viajar no tempo com os pés assentes na atualidade.
Gosto, fundamentalmente, de todas as aldeias com história, preservadas no que é possível, havendo espaço para o presente. Quando as visito, aprecio o cuidado das suas gentes que se orgulham das joias que possuem e mostram a quem as visita. E tudo isso se sentiu nas manifestações de regozijo dos representantes Das Aldeias que participaram no concurso. 
Quando visito aldeias com identidades ancestrais, procuro os museus, se os houver, para além do museu vivo expresso no casario, monumentos, ruas e ruelas, igrejas, cruzeiros, pelourinhos e casas de pedra que resistiram ao passar dos séculos, suportando ventos agrestes, chuvas torrenciais, gelos invernais e calores infernais. Daí o prazer que senti quando fui a Piódão em 15 de julho de 2005. 
Tenho para mim que o viajante não pode fixar-se apenas na tipicidade do casario, no empedrado das ruelas e monumentos. Importa conhecer as pessoas, falando quando possível com elas, e ler o que sobre elas se escreveu com traços de realismo identitários. E em Piódão, para além do museu que visitei e onde fui autorizado a fotografar o que quisesse, comprei um livro — Dr. Vasco Campos – Obras completas — cuja leitura me ofereceu retratos belíssimos sobre as suas andanças como médico por aquelas bandas. «Vasco Campos foi o amigo que pegou na mão deste povo, ajudou-o e amparou-o em comunhão com ele. E fê-lo tocando o coração daqueles que tiveram a honra de ser por ele servidos», diz-se no Prefácio assinado por A. J. Rodrigues de Campos. 
Poesia em vários tons, relatos de um «compromisso solene de consagrar» a sua vida «ao serviço da Humanidade», na Serra do Açor e suas redondezas. Cartas, agradecimentos, recordações, estórias  e dedicações aos mais desfavorecidos e abandonados nas serranias perdidas. E aqui fica um naco de uma estória "O parto da Moleira": «Senhor doutor, nem de rastos como as cobras posso pagar o que lhe devo! E sobre todos os favores ainda quero pedir-lhe mais um: — Há-de ser o padrinho do cachopo.» E foi realmente o padrinho e sua mulher a madrinha. Referia-se Vasco Campos a um parto em que salvou uma criança de morte certa. A mãe estava em coma e o médico levou a criança  para sua casa até a parturiente recuperar.
Como curiosidade história, aponta-se o facto de Diogo Lopes Pacheco (estes apelidos ainda hoje existem na aldeia), conselheiro de D. Afonso IV e que contribuiu para o assassínio de D. Inês de Castro, se ter refugiado em Piódão. Também se diz que o célebre salteador e assassino João Brandão, que atacava de noite os povos da região, se escondia de dia em casa do pároco.
O Núcleo Museológico do Piódão é lugar de passagem obrigatória para o turista que preza a cultura.

Fernando Martins


This post first appeared on Pela Positiva, please read the originial post: here

Share the post

Piódão vence grupo das Aldeias Remotas

×

Subscribe to Pela Positiva

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×