Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

AnáliseMorte: Cuphead - Não negocie com o tinhoso.

Imagine um jogo de tiro com aventura horizontal, composto por desenhos psicodélicos dos anos 40, com uma história violenta, sinistra e diabólica...  igualzinho os desenhos dos anos 40. Eis...




Um jogo tão divertido, mas tão divertido, que quase me fez matar meu irmão.


Boa leitura...

Originalmente eu queria gravar um vídeo do gameplay, e até gravei umas 4 horas, aproveitando que esse game é co-op, e reforçando minha eterna e profunda amizade com meu irmãozinho... mas a gente começou a se odiar ao longo do jogo, eu tentei mata-lo, e vice-versa, e em meio a xingamentos, revoltadas, porradas e ameaças, decidimos parar de jogar e gravar.



Mas, em uma fatídica tarde, um amigo me visitou e ousei colocar o jogo satânico pra rodar, por ser minha única opção co-op (tinham outras mas eu queria treta)... e pra deixar Tudo mais interessante, chamei meu irmão para revezarmos (a regra era simples: O primeiro a perder das duplas passava o controle, enquanto aquele que mais resistisse mantinha o controle de seu personagem). E por incrível que pareça... quase terminamos o game... sem nos matar!

Rimos um pouco, brigamos também, mas foi bem menos agressivo que nas tentativas anteriores, talvez pelo fato de estarmos em trio, ou por eu ter parado de gravar, mas tudo tinha ficado mais calmo então, no dia seguinte, sugeri ao meu irmãozinho que terminássemos o jogo, para que nossas almas ficassem limpas. Ele aceitou...

Descobrimos que no final, era preciso ambos sobreviverem juntos (algo muito difícil) na luta do chefão para que tudo não bugasse e travasse, e bem, vencemos o jogo... quase chorando de raiva.



E ai, vimos que faltavam 2% pro jogo chegar aos 100%, e precisávamos descobrir o que eram esses 2%... passeamos pelos mapa, falamos com todos os carinhas (nós tínhamos certeza que fizemos tudo, passamos por todas as fases, no modo Normal mesmo) e no fim, descobrimos que havia aberto um novo modo de jogo, o modo "Expert"... e arriscamos pra ver como era, indo desde a primeira fase (e percebemos que o jogo passou dos 100%).



Porém, a primeira fase é uma fase de treinamento que eu não queria entrar, mas meu irmão queria, e quase brigamos só pra decidir isso... ele foi contra minha vontade e ai... começamos a nos divertir e rir muito.



Acontece que em toda nossa luta, nós ignoramos algo. Havia a possibilidade de "ressuscitar" o companheiro durante o jogo, sem consumir vidas nem nada, apenas pulando no fantasminha dele. Esse pequeno detalhe, mudou absolutamente tudo!



O jogo ficou muito mais divertido, mantendo a dificuldade, mas que pouco significava diante as novas possibilidades. O principal motivo de nossas rixas era o fato de um sempre acabar matando o outro, algo que não tinha mais problema afinal, o jogo tinha virado, agora um salvava o outro... e foi muito melhor assim.



Bem, essa história é só pra mostrar o espírito de Cuphead. Ele é um jogo que inicialmente, te faz querer a morte de todos os envolvidos na criação dessa obra demoníaca, mas depois, quando você supera tudo pela primeira vez, sua visão clareia, sua alma se purifica, e ai tudo fica melhor. Cuphead é tipo o purgatório sabe...

Bora pra analise?!



Cuphead é um jogo indie lançado em 2017, com uma arte bem especial. Ele é um joguinho de tiro na horizontal, mas quase que completamente composto por lutas de chefões, e é tudo desenhado.



Você passeia por um mapa visto de cima, e acessa diferentes fases que, na maioria das vezes, já começam numa luta contra um chefe de múltiplas etapas.



O desafio é justamente esse: Vencer as lutas numa tacada só.

Não há "checkpoint", pelo menos não dentro das fases, o jogo salva automaticamente quando se supera alguma fase, mas no meio dela, esqueça.



Existem algumas poucas fases que trabalham daquele jeito clássico, com inicio, meio e fim, e vários inimigos ao longo dela, mas elas sempre encerram com um chefe, e não há checkpoint nelas também (morreu, volta do começo da fase).



Os protagonistas não tem tolerância a golpes, e apesar de contarem com 3 vidas iniciais (da pra aumentar) é muito fácil morrer. O jogo é cheio de obstáculos, tiros, monstros, e isso tanto nas poucas fases horizontais, quanto nas batalhas de chefes, e a poluição visual é tamanha, que ter 2 personagens atirando junto mais atrapalha do que ajuda.

É opcional, você pode jogar só com o protagonista (Cuphead), mas por ser possível jogar de 2, Mugman (irmão dele), a tendência é supor que tudo fica mais fácil em duplas... mas essa suposição é um erro enorme (a menos que você saiba da ressurreição in-game por pulos). 



Ao terem 2 jogadores, o jogo dobra a dificuldade, aumentando a resistência dos inimigos e o ataque. Além disso, caso um dos personagens morra, é possível trazê-lo de volta roubando 1 vida extra do amiguinho. Isso é o que gera assassinatos no mundo real... Pensa, você ta la vencendo e guarda 2 vidas pra resistir mais, e chega seu amigo filho de uma chaleira, e ressuscita do nada, tomando sua vida extra e aumentando a dificuldade do jogo, não apenas com a força e resistência dos bichos aumentando, mas a porcaria dos tiros cruzados dele poluindo o cenário, o que sempre, SEMPRE causa a morte de ambos.



Sobre a "poluição visual", não é criticando os desenhos, pelo contrário, a arte é lindíssima. Tudo foi desenhado à mão e cada pequeno detalhe conta uma história. São personagens e cenários tão lindos, tão bem feitos, tão coloridos, tão complexos e animados, que junto à trilha sonora e os efeitos que remetem aos anos 40, promovem o melhor tipo de experiência (desconsiderando é claro, as mortes dentro e fora do jogo).

O problema ta na quantidade de coisas na tela. Todo mundo atira alguma coisa brilhante e colorida, pra qualquer direção, incluindo você, seu amigo, o chefe, os capangas do chefe, o cenário, e até mesmo os tiros dos capangas do chefe. Sim, os tiros atiram! Junta tudo isso e os movimentos que os protagonistas tem, e os movimentos especiais dos chefes (que são uma arte a parte, inclusive motivando a jogatina) e tipo, tem uma salada mortal, bonita, mágica, porém mortal (o cérebro humano num filtra isso tudo não!). Pra variar ainda há elementos do cenário atrás e na frente da tela. Foi até engraçado em uma parte, num chefe, que eu achava que um elemento do cenário matava se atingisse, e ficava esquivando dele o tempo todo, o que me fazia ir direto pros ataques do inimigo. Na real, não acontecia nada se passasse por ele, pois era apenas uma imagem na frente da tela.



O objetivo do jogo é nos matar. Além disso, temos de passar por todos os chefes que são meros habitantes da ilha, que venderam suas almas ao diabo. Nosso trabalho é recolher seus contratos e leva-los pro próprio capeta, pra assim, recuperarmos nossas almas do acordo que fizemos com ele ao iniciar o jogo.



Mas, ele muda de ideia no fim e decide nos dar a opção de firmar um contrato com ele, ou lutar por nossas almas.



Daora né? É um jogo totalmente familiar e se você é religioso então... vish.

Mas, é tudo da forma mais animada e bonitinha possível. Todo mundo dança enquanto tenta te matar e roubar sua alma. Até o demônio dança, é tão fofo... 

Todos os habitantes são meio seres vivos, meio objetos, e rola referências à animações famosas o tempo inteiro, referências as vezes tão óbvias que te juro, me surpreendi pelos caras não terem sido processados ainda.

O protagonista é evidentemente baseado no Mickey, mudando a parte do "rato" pra uma "xícara", e tem Pica-Pau, tem Tom & Jerry, tem Looney Tunes, tem Popeye, e por ai vai, só as pérolas da animação clássica da década de 40.



De certa forma, é um jogo nostálgico, por nos trazer de volta o gostinho polêmico dessa época tão, livre. Funciona até de crítica social se parar pra pensar, afinal, quem nunca ouviu "Esse desenho é coisa do diabo, pare de assistir pirralho ou tu vai levar chinelada". 



Pois é, esse jogo é descaradamente coisa do demônio, mas, fica tranquilo, jogar só te fara sentir o gostinho de como o purgatório funciona.

Jogabilidade

Você anda, pula, pula e da um "Parry", corre, atira pra todas as direções cardeais, e por fim, morre.

Morrer é a função mais repetida, então acostume-se.

Andar



Você apenas anda, pra frente, trás, da pra abaixar também, e pular pra baixo nessa posição (indo pra uma plataforma inferior se necessário, ou morrendo num penhasco por puro vacilo). Não há "regulagem de velocidade", os caras só andam e atiram, tudo ao mesmo tempo. Da pra evitar andar, segurando o R1, e mirando apenas, pra atirar sem sair do lugar, e isso é útil em algumas situações.

Correr



A "corrida" é mais um tipo de esquiva, onde os carinhas se impulsionam pra frente, podendo fazer isso tanto no chão quanto no ar. Ela ajuda a se esquivar, ou a passar pelos cenários mais rapidamente.

Parry

"Parry" é uma canudada que os carinhas dão, apenas no ar, e causa um pequeno dano que só afeta a Cor Vermelha Rosada. Sim, o parry só afeta o que tiver uma cor rosa avermelhada, as vezes mais vermelha, as vezes mais púrpura. 



Os inimigos atiram com cores diferentes, alguns objetos e até inimigos são de cores diferentes, mas os rosinhas sempre podem ser derrotados ou atingidos pelo Parry. Em troca, os personagens ganham um pouco de energia especial. Parry também pode ser usado pra ressuscitar o amiguinho. Sempre que alguém morre (perdendo todos os continues) um fantasminha sobe, daí o aliado pode pular e dar um Parry neles, fazendo ele agradecer e voltar ao jogo, com 1 vida. Quanto mais se faz isso, mais rápido o fantasma sobe, o que vai tornando isso uma tarefa difícil, porém divertida.

Pular

Pulo é um salto giratório. Sempre vai pra cima... e cai, geralmente num buraco pra morte.



Não da pra matar inimigos pulando em cima (exceto se forem rosas e usar o Parry) e tipo, tudo que se move é letal, não encoste! As vezes até as coisas paradas matam, então, por via das dúvidas, não pule.

Modo Avião

Algumas vezes a fase/chefe é aéreo, e pra enfrenta-lo os cabeça de copo viram aviõezinhos que atiram de duas formas diferentes: Balas comuns e Bombas. 



A diferença entre esses disparos é que, as balas comuns vão em linha reta e são rápidas, as bombas saem com um pequeno intervalo entre cada disparo, sendo uma por vez, e com um dano maior que os tiros normais, porém elas caem, sendo um tipo de disparo melhor utilizado de cima.



No modo avião, pular não faz nada, mas, correr faz o avião diminuir de tamanho, pelo tempo que o botão for pressionado. Isso aumenta a velocidade do avião, mas diminui o alcance dos tiros normais e desabilita as bombas. Da pra ficar alternando entre ma forma e outra (meu irmão ficou bom nisso).



Parry funciona da mesma forma no modo avião. E o voo é controlado pelos direcionais, sem segredo algum: cima é cima, baixo é baixo, etc.

Ataques e Especiais

No modo comum, atirar pode ser de duas formas pré escolhidas pelo jogador, com base em seus equipamentos. Existem vários tiros, 6 tipos pra ser específico, mas cada um funciona de uma forma e tem um poder diferente, o que nos obriga a escolher combinações diferentes dependendo da missão.

Tiro Normal




O primeiro tiro é um disparo de gotas. São vários tiros consecutivos e rápidos, em linha reta. O dano é normal e esse é o tipo mais básico de todos (já vem pré equipado). Alias, todos os tiros saem dos dedos dos irmãos cabeça de copo, e só da pra equipar 2 tipos diferentes de uma vez (alternando entre eles dentro da partida).

Tiro Triplo




Saem três vias de tiro rápido ao mesmo tempo, na cor vermelha. São muitos tiros rápidos, com dano normal, o que equivale a 3 vezes o dano do tiro normal, porém, eles são curtíssimos, vão numa distância medíocre o que torna ele uma opção não tão rentável, dependendo do tipo de chefe (tem alguns que são muito grande e ficam muito perto então da pra acertar de boa, sendo essa a melhor arma dentre todas).

Tiro Bumerangue




Essa é minha arma favorita, pois apesar do tiro ser um pouco mais lento, ele é mais forte, porém ele vai pra frente e volta no meio do caminho, ou seja, é um tiro que afeta o alvo de trás, melhor que o da frente. Eu gosto dele pois da pra jogar de boa sem se preocupar em mirar, apenas pulando e apontando pro lado oposto dos inimigos. Como ele vai pra frente e faz o retorno, a área de impacto dele é maior que qualquer outro ataque.

Tiro Explosivo




Nem eu e nem meu irmão gostamos desse tipo de tiro, que é uma bolha roxa. Ele é lerdo e equivale as bombas do modo avião. É um tiro de alcance mediano, lento e que explode, mas não compensa em relação aos demais tiros.

Tiro Rastreador




Esse tiro é meu segundo favorito, porém ele é uma porcaria. Ele é fraquíssimo, mas é bem rápido e vai atrás dos inimigos que tiverem no mapa, independente da altura ou posição. Ele vai direto pro ponto fraco dos bichos, mas as vezes ele buga e fica dando voltas feito louco. Apesar de fraco, ele da conta de inimigos fracos que enchem o saco, voam alto de mais, ou simplesmente aparecem ao acaso. 

Tiro Carregável




Esse é o tiro favorito do meu irmão, depois que ele comprou esse tiro, não parou de usa-lo. Ele consiste em carregar e atirar. Quanto mais tempo carregando (segurando) mais forte o golpe fica, tipo aqueles tiros do megaman. Meu irmão ficou melhor nisso do que eu... em contrapartida eu dominei a técnica dos Parry. Porém...eu não percebi que dava pra pular nos fantasmas, mas meu irmão percebeu (mas achou que não dava nada).

Detalhe, existem ataques especiais, que são uma versão maior dos disparos da arma equipada, porém eles precisam de energia pra serem usados. Essa energia é mostra em forma de 5 barrinhas que se carregam ao atirar nos inimigos. Elas também se carregam conforme os Parrys são feitos (e a quantidade recebida por parry é enorme, logo, eu sempre tinha especiais antes do meu mano).

Com as 5 barrinhas cheias da pra usar um super especial, e tem 3 tipos... porém, eles também precisam ser previamente equipados, e pra piorar, eles não podem ser comprados, precisam ser obtidos por uma missão secundária simples.



Tem 3 mausoléus por toda a ilha, cada um contendo um vaso que precisa ser protegido de fantasmas, e a única forma de fazer isso é pulando e dando Parry, nos fantasmas.



Meu irmão e eu salvamos os três benditos vasos e até montamos estratégia pra vencer os fantasmas (cada um cuida do seu lado, quem vacilar e deixar o bicho passar toma um murro) e tipo, pegamos os 3 especiais, que são os prêmios da fantasma que mora dentro do vaso.




Tipo... nem assim me toquei do Parry e os fantasmas, isso porque eu fiz o tutorial, só não prestei atenção... burrice a minha. Mas voltando ao assunto, os especiais do mausoléu são:

I
Enxurrada de Leite




Esse especial faz jorrar leite em linha reta, num super ataque que causa dano a tudo que tiver na direção, e da invencibilidade enquanto o ataque estiver em ação (mas é uns 3 segundos só).

II
Invencibilidade Dourada



Esse especial da invencibilidade por alguns poucos segundos e aumenta o dano, eu acho.



III
Fantasma Poderoso




Esse especial invoca o espírito do próprio Cuphead, todo musculoso, que causa dano girando e pode ser guiado pelos direcionais (mas os movimentos dos protagonistas permanecem ativos e eles podem atirar, pular, tudo, ao mesmo tempo que o fantasmão fica girando.




É difícil controlar ambos ao mesmo tempo mas, dominando, é o maior e mais poderoso especial possível.

Especiais de Avião

Como Avião também tem especiais.

Tiro Múltiplo



Se o avião tiver com arma bomba, o especial simples faz saírem vários tiros rastreadores em forma de imã.

Tiro Grande



Se estiver com o tiro normal equipado, sai uma bala de canhão com boca em linha reta.

Kamikase




Agora, se as 5 barras tiverem cheias, o avião vira um míssil guiado pelo jogador, que explode e causa um dano devastador em área. É perfeito pra qualquer chefe... pena que só funciona nas fases de avião.

Equipamentos

As armas e alguns itens que aumentam os efeitos dos movimentos básicos podem ser compradas no vendedor porco. Tem um em cada mapa (a ilha se divide em partes) e tipo, ele é meio mercenário (cobra muito caro) e as moedas do jogo são escassas. Além disso, cada jogador é responsável por seus itens, ou seja, cada um por si. Os itens não são compartilhados.



Então, pra obter moedas é preciso ir em uma das poucas fases longas ao estilo clássico de aventuras horizontais, e essa moedas ficam escondidas, normalmente tendo 5 ou 6 moedas por fases (mas tem umas 6 fases assim, que eu me lembre).



Além disso, alguns personagens no mapa aberto (o visto de cima) premiam o jogador conforme ele cumpre algumas missões secundárias do tipo "Abra esse caminho pra mim". Como a ilha é cheia de obstáculos, portas fechadas e afins, é preciso passar pelos chefes e fases espalhadas e abrir os caminhos pra se avançar, então essas missões são feitas automaticamente.



Curiosamente, aqueles 2% que faltavam eram dois npcs com quem meu irmão e eu não falamos pela segunda vez, pra pegar a conquista.

Enfim, os equipamentos são simples, ficam na tela de seleção e o jogador pode pegar 2 ataques, 1 acessório, e 1 especial. Os efeitos são meros potencializadores, como por exemplo a Esquiva que deixa o personagem invisível (o que permite atravessar obstáculos e inimigos sem se ferir). Meu irmão amava esse ataque.



Tem um que faz Parry sozinho só pulando e chegando num bicho ou ataque vermelho/rosa, tem um que faz a barra de energia se carregar lentamente, porém sozinha (é uma porcaria), e tem os equipamentos que eu curti muito, meus favoritos, os corações extras. Primeiro tem o coração único, mas depois de comprar ele e mais uns itens, surge os 2 corações extras. Com isso, eu sempre fiquei à frente do meu mano... mas eu sempre morria primeiro porque ele me matava de raiva.



Enfim, não acho necessário entrar em mais detalhes sobre isso tudo pois, é tudo que tem.

Bora falar dos personagens então...

Cuphead e Mugman

Os irmãos cabeça de copo são dois jovens animados que estavam de boa, curtindo a vida, em uma casa de apostas recém inaugurada... 




Onde apostaram tudo, contra o diabo, e perderam, tanto dinheiro quanto suas almas.



Partindo daí, eles fizeram um acordo com o demônio, para acertarem suas contas e salvarem suas almas. O acordo consistia em buscar pelos contratos de todos os demais habitantes que fizeram pacto com o satã, e leva-los de volta ao capeta.



Os copinhos são só garotos, que se enrolam em uma trama satânica, mas no fim, se convertem nos grandes salvadores da pátria, desfazendo não apenas o pacto deles, mas os de todos os demais habitantes (pelo menos dos que ainda estavam vivos).



Elder Keetle
(Vovô Chaleira)


O tutor dos irmãos copos é o Chaleira, quem ensina os movimentos básicos pra eles seguirem na aventura. 




Ele fica na casinha deles com um livro tutorial básico, e é isso.





This post first appeared on DivulganteMorte, please read the originial post: here

Share the post

AnáliseMorte: Cuphead - Não negocie com o tinhoso.

×

Subscribe to Divulgantemorte

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×