Get Even More Visitors To Your Blog, Upgrade To A Business Listing >>

Manto e Adaga - 1ª temporada

Adolescentes superpoderosos são sempre uma excelente metáfora para a passagem para a vida adulta. E o mundo dos super-heróis está repleto destes jovens amadurecendo com Seus dons. Mesmo assim, Manto e Adaga, adaptação dos quadrinhos homônimos da Marvel, consegue trazer algo novo tanto para o universo de heróis na TV, quanto para séries adolescentes.

Tandy Bowen(Olivia Holt) e Tyrone Johnson (Aubrey Joseph) tem suas vidas cruzadas pela primeira vez na infância, quando passam por um acidente que mata o pai da garota e do irmão de Ty. A dupla segue caminhos distintos até, anos mais tarde, quando um reencontro desperta misteriosas habilidades especiais. Poderes com os quais eles precisam aprender lidar, e que estão misteriosamente ligados ao suposto acidente que vitimou seus entes queridos.

Trabalhando uma dinâmica de opostos que se completam, a série aposta na quebra de paradigmas ao inverter estereótipos. Após a morte do irmão, a família de Tyrone melhora de vida, e o garoto negro tem um futuro promissor na escola. Enquanto a jovem branca deixa de pertencer à uma família abastada, e cresce para viver de pequenos delitos. A inversão ainda conta com o peso do local e época em que a história se passa. A Nova Orleans dos tempos atuais de intolerância crescente, não livra o rapaz do estereótipo que deveria atender, apesar de sua condição "privilegiada". Ao mesmo tempo que é incapaz de ver ameça na imagem a garota loira e bonita. A discussão social aqui é contundente, relevante e explorada na medida certa.

De volta à trama, é no equilíbrio entre estas duas jornadas distintas que a série vai se pautar. Cada um com seus desafios, os heróis seguem suas histórias paralelas com encontros pontuais, até que as tramas se misturem, e a parceria torna-se inevitável. A dupla de jovens atores protagonistas é eficiente, conseguindo criar uma química convincente entre os personagens, que é essencial para a empatia com o público. Além disso, eles conseguem nos deixar curiosos para vê-los evoluindo, como pessoas, super-heróis e casal. Adoraria ver estes personagens já adultos combatendo o crime.

O funcionamento e origem dos poderes também é um mistério desvendado ao longo da temporada, e deve continuar a ser explorado segundo ano. Tandy pode criar adagas de luz e ver as esperanças das pessoas. Tyrone vê os medos, e projeta um Manto que o teletransporta. Seus poderem se completam, e não são fáceis de controlar. Descobrimos como suas habilidades funcionam ao mesmo tempo que os personagens, e estes ainda estão aprendendo nestes primeiros episódios.


Esta construção detalhada da dupla pode até parecer lenta nos episódios iniciais - à exceção do eletrizante piloto - mas tem sua função no quadro maior. Quando a trama principal começa a se desenrolar de forma frenética, o contexto, motivações e personalidades estão tão bem estabelecidos, que aprimoram o andamento da narrativa. O resultado é uma jornada bem acabada, sem pontas soltas ou excessos, e pouquíssimos desvios.

A única trama paralela com consistência é a da Detetive O'Reilly (Emma Lahana). Serve como a visão "dos adultos" de alguns problemas da cidade, e também prepara terreno para novos desafios para a já confirmada segunda temporada. Outra trama que merece atenção é a do Ivan Hess (Tim Kang), abordada no sétimo episódio, Lotus Eaters, inteiramente passado na mente de uma pessoa em estado catatônico.

No aspecto técnico, a série faz o necessário para a atender as necessidades história, e apenas isso. Os efeitos visuais são usados com parcimônia, e funcionam naquele universo, embora em alguns momentos os poderes do Manto se percam no cenário escuro. A mesma economia vale para a direção de arte e fotografia. Falta ousadia para criar algo que dê personalidade e diferencie o programa das muitas outras aventuras heróicas da TV atual.

Situada em Nova Orleans, a série faz parte do MCU* - personagens mencionam Stark e Randy -, mas acertadamente não se prende à nenhuma outra produção anterior. O foco está na cidade, que é um personagem por si só, seja pela bagagem histórica que carrega, seja pelo perigo iminente a que paira sobre ela.

Yin Yang, bem e mal, esperança e medo, luz e sombra, Manto e Adaga fala sobre equilíbrio. Coerentemente a série equilibra bem seus dois protagonistas, assim como seus dilemas adolescentes e "heróicos", temática atual e fantasia, destaque para o clímax com visual "bem quadrinhos". Falta um pouco de personalidade visual, mas a mprodução é rica em conteúdo que preenche um bem desenvolvido roteiro. Assim como seus protagonistas em amadurecimento, Manto e Adaga tem potencial para evoluir cada vez mais e se tornar algo ainda melhor.

A primeira temporada da série da FreeForm tem dez episódios. No Brasil é exibida pelo Canal Sony, o mesmo de Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D. e Marvel's Runaways.

*Marvel Cinematic Universe


This post first appeared on Ah! E Por Falar Nisso..., please read the originial post: here

Share the post

Manto e Adaga - 1ª temporada

×

Subscribe to Ah! E Por Falar Nisso...

Get updates delivered right to your inbox!

Thank you for your subscription

×